Russell explica acidente em Ímola e volta a criticar Bottas: “Perguntei se queria nos matar”

George Russell e Valtteri Bottas protagonizaram um acidente fortíssimo após colidirem na chegada à chicane Tamburello no GP de Emília-Romanha deste domingo (18), em Ímola. O prodígio britânico criticou a postura do piloto da Mercedes na pista durante disputa posição e avisou: “Somos adultos. Vamos ter uma conversa sobre isso”

A pancada entre Russell e Bottas após o piloto da Williams tocar a grama

O GP de Emília-Romanha deste domingo (18), em Ímola, foi marcado pelo caos e também pela polêmica que se converteu o acidente forte que envolveu George Russell e Valtteri Bottas na volta 31 da corrida no circuito italiano. Após a pancada forte entre os carros da Mercedes e Williams pouco antes da chicane da curva Tamburello, o britânico, que estava bem irritado e, inclusive, saiu do carro e foi direção ao de Bottas para tirar satisfação, reiterou que esperava por uma reação mais “amistosa” do finlandês na disputa pelo nono lugar da corrida.

Em entrevista à emissora Sky Sports, Russell explicou a sua versão do acidente. O piloto de 22 anos acionou a asa móvel na reta dos boxes para tentar ultrapassar Bottas por fora. Entretanto, após leve movimentação do Mercedes #77 para a direita, George colocou a roda dianteira direita na grama, que estava bem molhada, escorregou, rodou e acertou o carro do finlandês. Os dois bateram muito forte e só foram parar na barreira de proteção após considerável impacto.

LEIA MAIS
+ Chefe critica Russell após erro em Ímola: “Mais perto da Copa Renault Clio do que Mercedes”
+ Bottas diz que Russell “perdeu controle” e causou acidente em Ímola: “Erro claro dele”

George Russell e Valtteri Bottas se envolveram em um forte acidente durante a corrida em Ímola (Foto: Reprodução/TV)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!
WEB STORIES: Como foi o GP da Emília-Romanha de Fórmula 1

“Eu estava me aproximando de Valtteri, estava extremamente rápido. Eu estava com o turbilhão. Eu estava com o DRS acionado. Ele sacudiu muito, muito levemente para a direita — que é uma defesa tática que os pilotos costumam fazer. Foi uma espécie de manobra como a que [Max] Verstappen costumava fazer em 2015”, disse Russell.

“Eu perguntei a ele se ele estava tentando nos matar. Estávamos indo incrivelmente rápido, conhecemos as condições”, bradou.

“Há um acordo de cavalheiros sobre o qual não é isso que você faz, é incrivelmente perigoso. Em condições completamente secas, eu estaria bem, mas ele me colocou na parte molhada, e aí perdi o controle”, disse o piloto da Williams, que criticou a agressividade de Bottas.

“Ele não está lutando por nada. Um nono lugar para ele não é nada, mas para nós é tudo. Eu ia fazer a manobra [de ultrapassagem], uma manobra que seria absolutamente fácil, e não havia absolutamente nenhuma razão para se mexer daquela forma”, desabafou.

Mesmo chateado por ter deixado a chance de pontuar em Ímola passar, George Russell, cotado para assumir uma vaga na Mercedes na próxima temporada, ressaltou que ainda vai conversar com Bottas para resolver a situação e deixar o caminho aberto, sem mágoas.

“Somos ambos homens adultos, vamos ter uma conversa sobre isso. Tenho certeza que ele está chateado e frustrado comigo, assim como eu com ele. A mais sutil manobra, quando você está andando a 320 km/h, é, na verdade, algo enorme. E não é apenas a velocidade, é a diferença de velocidade, provavelmente estava 50 km/h mais rápido e prestes a ultrapassá-lo. Talvez, se eu fosse outro piloto, ele não teria feito isso”, cutucou Russell para finalizar.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube