Glórias, tragédias, conquistas brasileiras e vitórias alemãs marcam 65 anos de história do GP da Itália

São tantos os fatos históricos que marcaram o GP da Itália que facilmente renderia um bom livro. A seguir, o GRANDE PRÊMIO relembra momentos que fizeram de Monza um dos grandes templos do automobilismo mundial. Mas até Ímola, em 1980, recebeu a mais longeva das corridas do Mundial de F1, ao lado do GP da Inglaterra

O GP da Itália faz parte do calendário do Mundial de F1 desde seu princípio. Entre 1950 e 2014, foram 65 edições daquele que é, ao lado do GP da Inglaterra, o mais longevo da categoria. São tantos fatos que marcaram a história da corrida que facilmente renderia um ou vários livros. Como o dia em que a Ferrari comemorou o título de Phil Hill, mas chorou a morte de Wolfgang von Trips em 1961. Ou ainda, quando o Brasil se emocionou com o primeiro título de Emerson Fittipaldi, lindamente narrado pelo pai, o ‘Barão’ Wilson Fittipaldi.

Impossível não lembrar, por exemplo, do dia em que Christian Fittipaldi se chocou com a Minardi do companheiro Pierluigi Martini, decolou, mas ainda conseguiu cair com as quatro rodas para baixo e cruzar a linha de chegada. Ou ainda, a incrível vitória do menino Sebastian Vettel com a Toro Rosso debaixo de chuva, assombrando a F1. E também a última vez de um piloto brasileiro no topo do pódio, com Rubens Barrichello e sua Brawn GP, em 2009.

Em muitas corridas, fica latente a adoração dos tifosi pela Ferrari e a sempre incrível invasão dos torcedores, de várias partes do mundo, depois das corridas. Os fãs, aliás, são responsáveis por tornar o GP da Itália uma corrida de atmosfera única e um dos preferidos pelos pilotos e equipes pelo ambiente que o cerca. Circunstâncias que tornam a corrida verdadeiramente especial.

Nelson Piquet é o brasileiro com maior número de vitórias no GP da Itália: quatro (Foto: Honda F1)

Em 65 edições, Michael Schumacher é o maior vencedor da história do GP da Itália, com cinco conquistas. Foi em Monza, aliás, que o alemão alcançou uma façanha que o deixou extremamente emocionado, como poucas vezes ele mostrou em sua carreira na F1. Nelson Piquet também tem uma trajetória das mais laureadas, com quatro triunfos, sendo que um deles foi único: em 1980, o GP da Itália foi excepcionalmente disputado em Ímola.

O time da casa, a Ferrari, é quem conta com mais vitórias no GP da Itália, nada menos que 18, muito à frente da McLaren, com dez, e da Williams, com seis. E foi justamente uma Williams a responsável por quebrar uma inédita sequência invicta da McLaren, na temporada de 1988.

A seguir, o GRANDE PRÊMIO relembra momentos que fizeram a história do GP da Itália de F1.

10 DE SETEMBRO DE 1961: O DIA EM QUE A FERRARI CHOROU (E VENCEU) NA F1

O GP da Itália de 1961 foi marcado por uma tragédia até hoje sem precedentes na história da F1. Lenda do automobilismo alemão, o conde Wolfgang von Trips corria pela Ferrari, e chegou a Monza como líder da temporada com 33 pontos, contra 29 do vice-líder e companheiro de equipe, o norte-americano Phil Hill. Mas eis que a seguinte corrida do calendário marcaria para sempre o destino dos dois pilotos.

Entre 1955 e 1961, a F1 correu em Monza no trecho total da pista, que incluía não só o circuito misto, mas também o oval, num traçado de 10 km de extensão. Mas a média horária já era altíssima para os padrões da época. Von Trips cravou a pole com 2min46s3, numa média de 216,476 km/h. Foi uma sessão toda dominada pela Ferrari, que colocou nada menos que cinco carros entre os seis primeiros do grid: Ricardo Rodríguez em segundo, Richie Ginther em terceiro, Hill em quarto e Giancarlo Baghetti em sexto.

Na largada, Wolfgang perdeu importantes posições e caiu para sexto lugar. Em contrapartida, Phil Hill subiu de quarto para primeiro. Na segunda volta, Von Trips buscava sua recuperação, passando os lendários Jack Brabham e Jim Clark. O alemão foi ultrapassado por Brabham e lutava com Clark, mas foi tocado pelo britânico na temida e veloz curva Parabolica. O piloto da Ferrari perdeu o controle do carro e bateu no barranco onde estavam posicionados alguns torcedores, decolou e capotou.

Von Trips morreu na hora. Além do piloto, outros 14 torcedores perderam a vida naquela que foi a maior tragédia da história da F1.

A corrida não chegou a ser paralisada. Depois de duelar com Ginther, Phil Hill manteve a liderança na maior parte da corrida e cruzou a linha de chegada na frente depois de 43 voltas, colocando a Ferrari no topo do pódio da mais triste das conquistas da equipe. Hill chegara a 34 pontos, contra 33 de Von Trips. O terceiro colocado era Stirling Moss, com 21. Na prática, o resultado de Hill em Monza lhe garantiu seu único título mundial.

A ÚLTIMA VITÓRIA DE UM ITALIANO EM CASA

Das 43 vitórias conquistadas por pilotos italianos na F1, apenas quatro foram logradas em casa: Nino Farina, de Alfa Romeo em 1950, e Alberto Ascari em 1951 e 1952, de Ferrari. Foi uma época e muitas vitórias italianas na categoria, o que começou a rarear depois de 1956. Daí em diante, foram apenas três vitórias em dez anos, sendo apenas uma — e a última — diante da torcida em Monza.

E nada melhor para os tifosi do que um italiano vencer defendendo as cores da Ferrari. E foi isso o que aconteceu em 1966, quando Ludovico Scarfiotti triunfou em Monza. O piloto tinha um grande histórico em corridas de Endurance, vencendo as 24 Horas de Le Mans de 1963 ao lado de Lorenzo Bandini e a bordo de uma Ferrari.

Em casa, Ludovico Scarfiotti conquistou sua única vitória na F1 (Foto: Forix)

Com a aposentadoria de John Surtees em 1965, a Ferrari chamou Scarfiotti para correr na F1. E o italiano fez um belo trabalho no mais importante dos GPs. Diante da sua torcida, em 1966, Ludovico largou em segundo, perdeu algumas posições, mas recuperou terreno para ser o último italiano a vencer em Monza na F1. Festa de Scarfiotti, festa da Ferrari, festa dos tifosi no templo do automobilismo mundial.

O ÚNICO CAMPEÃO PÓSTUMO DA F1

No ano do tri da Seleção no México, Jochen Rindt era quem dava as cartas na F1. E o alemão radicado na Áustria o fazia de forma quase irrepreensível. O piloto da Lotus venceu todas as cinco corridas em que viu a bandeirada final: Mônaco, Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. Depois de abandonar o GP da Áustria, o país onde morava, por conta de problemas no motor, Rindt seguiu para Monza com larga folga no Mundial: 45 pontos, contra 25 do vice-líder, Jack Brabham.

Nos treinos de sexta-feira, a Lotus viveu um susto com o forte acidente de Emerson Fittipaldi na Parabólica. Seria um sinal de alerta? Na quinta volta do último treino livre de sábado, Rindt se aproximava da lendária Parabólica, quando perdeu os freios. O piloto guinou seu carro para a esquerda e perdeu o controle, batendo de frente com o guard-rail, a cerca de 300 km/h, não resistindo ao impacto da terrível batida.

A Lotus, consternada, não correu em Monza naquele ano, voltando à ativa apenas em Watkins Glen para o GP dos Estados Unidos. A vitória nesta prova ficou com Emerson Fittipaldi. O resultado impediu a aproximação de Jacky Ickx e Clay Regazzoni e garantiu ao seu parceiro Rindt o título de campeão póstumo, um acontecimento jamais repetido na história da F1.

MONZA ENTRA PARA HISTÓRIA DO AUTOMOBISLIMO BRASILEIRO

Foi pelas mãos de Emerson Fittipaldi que o Brasil conquistou seu primeiro título na F1. E tudo foi sacramentado no GP da Itália de 1972. Correndo pela Lotus, o ‘Rato’ eternizou seu feito e, definitivamente, virou grande na F1 ao triunfar no mais lendário dos circuitos do Mundial e comemorar a vitória.

Tudo isso em si já seria algo emblemático. Mas o feito de Fittipaldi ganhou contornos míticos já que o fato foi narrado pelo seu próprio pai, o ‘Barão’ Wilson Fittipaldi, nas ondas da Rádio Jovem Pan. Um momento que entrou para a história do automobilismo brasileiro e marcou de vez a entrada do país na galeria dos campeões mundiais de F1.

A TRÁGICA MORTE DO PROMISSOR RONNIE PETERSON

Ronnie Peterson, um dos grandes pilotos de sua geração, morreu no auge. Em 10 de setembro de 1978, o GP da Itália, o 300º da história da F1, resultaria na morte trágica do sueco, vítima de um terrível acidente ocasionado após uma largada bastante confusa em Monza.

Riccardo Patrese, então em seu segundo ano na categoria, tentou ultrapassar James Hunt, mas tocou no carro do britânico que, por tal razão, acabou por acertar a Lotus de Peterson. O talentoso escandinavo perdeu o controle do seu carro e acertou o guard-rail, voltou para a pista e foi acertado por outro carro, o de Vittorio Brambilla, e pegou fogo. O grave incêndio foi resultado de um tanque de combustível abarrotado. Foi um grande pesadelo.

De forma incrível, Peterson foi retirado do seu carro consciente. Brambilla, envolvido na batida, levou a pior porque foi acertado por uma roda de um carro que se soltou no acidente. Por muita sorte, o italiano escapou sem grandes ferimentos. No caso do sueco, o problema maior eram as lesões nas pernas, mas suas funções vitais funcionavam bem. Mas o quadro, que se desenvolvia de forma promissora, regrediu drasticamente depois que Peterson enfrentou dificuldades para respirar. Após exames, foi detectada uma embolia, que acabou por matar o piloto poucas horas depois.

GP DA ITÁLIA DEIXA MONZA. ÍMOLA RECEBE F1 PELA PRIMEIRA VEZ

Para os amantes da velocidade, definitivamente foi estranho ver o GP da Itália ter sido realizado longe de Monza. A decisão acabou sendo influenciada diretamente pela tragédia ocorrida dois anos antes, que fez com que as autoridades locais e os organizadores do circuito se mexessem para garantir um nível maior de segurança aos seus pilotos.

Assim, o GP da Itália de 1980 deixou Monza e foi realizado em Ímola, cidade próxima a Bolonha. E a vitória naquele 14 de setembro foi brasileira, conquistada pelo jovem piloto Nelson Piquet.

No único GP da Itália fora de Monza, Nelson Piquet venceu em Ímola em 1980 (Foto: LAT Photographic/Forix)

O brasileiro largou em quinto lugar com a Brabham, mas conseguiu fazer um grande início de corrida e, logo na quarta volta, já era o líder da disputa, cruzando a linha de chegada quase 30s à frente do seu grande rival na luta pelo título de 1980, Alan Jones, da Williams.

A ÚNICA DERROTA DO LENDÁRIO MP4/4 EM 1988

É fato que a F1 é repleta de ciclos vitoriosos. Tem sido assim, atualmente, com a Mercedes, já foi anos atrás com a Red Bull e, na década passada, com a Ferrari, nos anos de ouro de Michael Schumacher. E no fim dos anos 1980, o domínio era escrito pela McLaren, que construiu um incrível MP4/4 empurrado pelo motor Honda e tinha talvez a melhor dupla de pilotos da história: Ayrton Senna e Alain Prost.

Em 1988, a McLaren venceu 15 das 16 corridas do calendário. Faltou apenas uma para que a jornada da equipe britânica fosse invencível. Mas o GP da Itália, disputado em 11 de setembro daquele ano, devolveu à F1 um pouco de emoção e festa, sobretudo para os tifosi.

Senna e Prost largaram na primeira fila, com o brasileiro na pole. A seguir, veio a dupla da Ferrari, com Gerhard Berger em terceiro, largando ao lado de Michele Alboreto e, de forma surpreendente, o duo foi seguido pelas Arrows de Eddie Cheever e Derek Warwick.

Senna liderou desde então, sempre escoltado por Prost. O ‘Professor’ abandonou na volta 34 por conta de um problema no motor. Ayrton seguiu soberano, à frente de Berger e Alboreto. Até que, o brasileiro se enroscou com um retardatário: Jean-Louis Schlesser, que substituía Nigel Mansell naquela prova. Senna rodou e teve de abandonar a corrida, perdendo uma prova quase ganha quando faltavam duas voltas para o fim.

Senna encontra Williams de Schlesser na chicane e perde chance de vencer em Monza (Foto: Reprodução)

Aí restou à Ferrari comemorar uma dobradinha outrora improvável. Berger terminou na frente, com Alboreto em segundo. Seguramente, um dia que jamais sairá da memória da casa de Maranello.

O LOOPING DE CHRISTIAN

O ano era 1993. Christian Fittipaldi corria pela simpática Minardi, uma das menores equipes do grid, sempre às voltas com problemas de dinheiro aqui e ali. E não era nada diferente naquela temporada. Ao longo do campeonato, o brasileiro passou a ter como companheiro de equipe o velho conhecido da casa, o experiente Pierluigi Martini.

Na casa da Minardi, valia muito a luta pela honra do time. E foi em nome desta honra que Martini e Christian lutavam pelo sétimo lugar do GP da Itália. E lutavam pra valer, com um desfecho incrível na reta dos boxes. Martini acabou por fechar Fittipaldi, que tocou a roda dianteira do seu carro na traseira do italiano, e acabou decolando, num looping de 360º.

Christian Fittipaldi decola no GP da Itália de 1993 (Foto: Forix)

Por sorte, o carro brasileiro caiu com as rodas para baixo, e Christian ainda conseguiu cruzar a linha de chegada, em oitavo. Eis um fato que marcou para sempre a carreira do sobrinho de Emerson, que teve passagens de destaque na CART/Indy e hoje segue em atividade nos Estados Unidos.

SCHUMACHER IGUALA SENNA. E CHORA COPIOSAMENTE

Michael Schumacher venceu cinco vezes o GP da Itália, todas elas pela Ferrari. Em cada uma, o alemão viveu uma experiência especial. Em 1996, por exemplo, Schumacher vencia em Monza no seu primeiro ano pela Ferrari. Em 2006, foi seu último triunfo na carreira, no dia em que anunciou sua primeira aposentadoria das pistas.

Mas a vitória conquistada em 10 de setembro de 2000 talvez tenha sido a mais emblemática para o heptacampeão. Era um ano em que a Ferrari finalmente indicava que seria campeã, com Michael, encerrando assim um jejum que já perdurava por quase 21 anos. E o ano do fim da seca foi marcado por uma vitória dominante em Monza, mas que foi comemorada por muita emoção por Schumacher. Tudo por um motivo especial.

No GP da Itália daquele ano, ao cruzar a linha de chegada à frente do grande rival Mika Häkkinen, Schumacher igualou a marca de 41 vitórias do seu maior ídolo, Ayrton Senna. Na coletiva de imprensa, o alemão, ainda bicampeão do mundo, não conteve a emoção e chorou copiosamente, numa das cenas mais impactantes da sua vitoriosa carreira.

EMPURRADO PELO MOTOR FERRARI, VETTEL FAZ HISTÓRIA

Desde antes de estrear na F1, quando acelerava a BMW nos treinos livres, Sebastian Vettel já chamava a atenção do mundo do esporte e era apontado como um futuro campeão do mundo. Todas as boas impressões sobre o jovem alemão começavam a se consolidar de vez em 14 de setembro de 2008. Ou um dia antes, quando Vettel surpreendeu e garantiu a pole-position do GP da Itália debaixo de chuva.

Seria um feito por si só, por todo seu noviciado como piloto. Mas tudo ganhou contornos épicos pelo fato de que Seb era piloto da Toro Rosso, que viria a ser a sucessora da nanica Minardi. E de fato, a Toro Rosso vinha fazendo boa campanha, já que colocou o francês Sébastien Bourdais, tetracampeão da antiga Champ Car, em quarto no grid.

Sebastian Vettel deu um show no molhado e venceu sua primeira corrida em Monza (Foto: GEPA/Forix)

Para a corrida, iniciada debaixo de muita chuva, Bourdais viu suas chances de um bom resultado irem por água abaixo depois de uma falha do carro na volta de apresentação. Por outro lado, Vettel teve um dia perfeito. Tanto no molhado como com pista seca, Seb sobrou e só perdeu a liderança quando fez sua troca de pneus.

Com a maturidade de um veterano, Vettel alcançava uma vitória sensacional em Monza. E virava o mais jovem da história da F1 a triunfar na categoria, com 21 anos, dois meses e 11 dias, superando a antiga marca, que era de Fernando Alonso. Detalhe: Seb venceu sua primeira na F1 correndo com um carro equipado com motor Ferrari. Nascia ali uma grande estrela do automobilismo mundial.

BARRICHELLO COLOCA BRASIL PELA ÚLTIMA VEZ NO TOPO DO PÓDIO

Na base da tática e da raça, Rubens Barrichello colocou pela última vez a bandeira do Brasil no topo do pódio na F1. No GP da Itália de 2009, o brasileiro, piloto da Brawn GP, largou em quinto lugar, à frente do parceiro Jenson Button, oponente direto na luta pelo título. O pole foi Lewis Hamilton, da McLaren, que teve ao seu lado o surpreendente Adrian Sutil, da Force India, que já contava com o fortíssimo motor Mercedes.

Em Monza, Barrichello comemora sua última vitória como piloto de F1 (Foto: Brawn GP)

Visto que não tinha chances de brigar de igual para igual com Hamilton, Ross Brawn, mestre estrategista, traçou a tática de apenas uma parada para Barrichello e Button. E deu muito certo. O brasileiro, que se manteve o tempo todo à frente do seu companheiro de equipe, assegurou uma vitória categórica, que foi confirmada com o safety-car entrando na última volta em razão de uma batida com Hamilton, que perseguia Button na luta pelo segundo lugar.

Vencedor em 2002 e 2004, pela Ferrari, Barrichello voltava ao topo do pódio. Pela última vez na sua vitoriosa carreira na F1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube