GP às 10: Red Bull tem de mudar postura e dar tempo e espaço para Gasly trabalhar

No GP às 10 desta manhã de terça-feira, Fernando Silva destaca o trabalho feito por Pierre Gasly ao longo de todo o fim de semana do GP da Inglaterra, com o francês igualando seu melhor resultado na Fórmula 1, e recorda o histórico de pilotos queimados pela Red Bull. O programa de jovens pilotos, que tem em Helmut Marko um comandante imediatista, precisa mudar sua filosofia para não perder mais valores

Depois de semanas de intensa pressão, Pierre Gasly conseguiu mostrar uma grande performance na temporada 2019 do Mundial de F1. O jovem piloto francês foi um dos bons nomes do excelente GP da Inglaterra do último domingo (13), viveu um fim de semana muito consistente, com chegou a liderar um dos treinos lvires e, durante a corrida, esteve sempre no mesmo ritmo de Max Verstappen, seu companheiro de Red Bull, e das Ferrari de Charles Leclerc e Sebastian Vettel, terminando a prova na quarta posição, igualando seu melhor resultado na categoria.
 
No GP às 10 desta manhã de terça-feira, Fernando Silva fala sobre a pressão muitas vezes desumana exercida por Helmut Marko, comandante do programa de jovens pilotos da Red Bull, e lembra que muitos pilotos de reconhecido talento já foram prejudicados por conta desta filosofia imediatista. O jornalista entende que Gasly, com histórico de títulos nas categorias de base, precisa de tempo e espaço para trabalhar e mostrar seu potencial antes que seu futuro seja definido na equipe de Milton Keynes.
 

O GP às 10 é a série que traz um comentário em vídeo dos jornalistas do GRANDE PRÊMIO, sempre às 10h (de Brasília), do dia e da noite. Veja aqui todas as edições do GP às 10.

Paddockast #24
A BATALHA: Indy x MotoGP

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube