GP às 10: Russell brilha, mas dizer que qualquer um vence com Mercedes é bobagem

George Russell mostrou talento, mas daí a dizer que qualquer um pode vencer com a Mercedes, o que significa desmerecer tudo o que Lewis Hamilton já fez, é uma bobagem monumental, afirma Flavio Gomes no GP às 10 desta terça-feira

O GP de Sakhir do último domingo foi uma prova histórica, analisa Flavio Gomes no GP às 10 desta terça-feira (8). Uma prova que vai ser lembrada por muito tempo pela vitória de Sergio Pérez, a primeira de um piloto mexicano em mais de 50 anos, e também pela brilhante jornada de George Russell.

Foi uma dessas provas marcadas por muitas ironias, ressalta o jornalista. A maior delas foi protagonizada pelo próprio Pérez, que tirou dinheiro do bolso para pagar os funcionários da Force India e evitar o fechamento da equipe. É o cara que salvou sua equipe de fechar as portas e, dois anos depois, recebeu a notícia de que está fora da Racing Point/Aston Martin para a próxima temporada. É um movimento absolutamente legítimo trocar de piloto, faz parte da dinâmica da Fórmula 1. Mas é uma pena olhar para um cara como o Pérez e vê-lo fora do grid.

Foram 190 GPs até que ‘Checo’ conquistasse sua primeira vitória na Fórmula 1, em uma grande trajetória construída ao longo de dez temporadas.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Há também algumas lições a aprender. A primeira coisa a combater é que, com esse carro, qualquer um ganha. Dos sete títulos do Hamilton, não foram todos que ele teve o melhor carro. Em 2008, contra o Felipe Massa; em 2018 contra Sebastian Vettel; teve concorrência do Nico Rosberg em 2016… Não podemos basear que o Hamilton só é heptacampeão porque o carro anda sozinho.

Hamilton participou da construção desta equipe, participou com seu conhecimento, com seu talento, a ajudar a construir um carro que é quase imbatível. Mas Russell mostrou à Mercedes que vale a pena apostar nele. A outra lição: Bottas precisa colocar a cabeça no lugar, se colocar no prumo. Bottas é muito contestado por perder campeonatos seguidos e vitórias seguidas para o Hamilton. A tendência é achar que o Bottas é ruim. E na primeira corrida que ele tem de dominar o fim de semana, ele faz a pole, mas na corrida, logo na largada, ele já entrega a paçoca.

Russell ganharia a corrida, mas um dos pneus furou. Ficou o gosto amargo de ter perdido a vitória duas vezes. Coisas que estão fora do controle do piloto. Ele vai ter suas chances, é muito novo, e pode tentar de novo já neste fim de semana em Abu Dhabi, dependendo de como vai estar Lewis Hamilton.

Russell aproveitou bem a chance, mostrou o cartão de visitas, e a Mercedes sabe que tem um cara talentoso nas mãos. Não que vai conquistar sete títulos. A gente não pode tirar conclusões tão definitivas depois de uma corrida só. Afirmar que Hamilton ganhou só porque tem o melhor carro é uma bobagem monumental. É querer simplificar as coisas em uma F1 em que as coisas não são tão simples assim.

Mas talento a gente consegue ver, e a gente viu esse talento em Russell. E a gente não tinha essa certeza toda antes da corrida do último domingo.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube