Guia F1 2015: McLaren pensa em nova era ao reatar com Honda. Começa bem mal

A McLaren retoma em 2015 uma parceria do passado em busca de um futuro vitorioso. Mas a verdade é que o presente está mais do que conturbado com os problemas técnicos do carro e toda a polêmica cercando o acidente de Fernando Alonso

PASSADO, PRESENTE E FUTURO: os três tempos verbais ajudam a explicar o porquê de a McLaren viver um começo de ano que consegue ser especial e conturbado.

A retomada da tão aclamada parceria com a Honda faz com que este seja um momento especial. Em conjunto, a equipe e a montadora japonesa construíram uma bela história na F1 entre 1988 e 1992. Nos últimos meses, fizeram apostas ambiciosas com a intenção de dar início a um novo ciclo de sucesso, esperando colher os frutos no longo prazo.

O problema é a ponte de ligação entre o passado e o futuro. O presente da McLaren está sendo extremamente difícil. Tudo começou com as falhas mecânicas do MP4-30 durante os testes, mas se complicou ainda mais com o controverso e ainda totalmente explicado acidente de Fernando Alonso. O espanhol, contratado a peso de ouro para carregar as cores do time, sequer estará no grid quando as luzes vermelhas se acenderem às 2h (de Brasília) deste domingo.

É em meio a esta crise que a McLaren Honda tenta acertar os ponteiros para, 23 anos depois, voltarem a competir em conjunto na principal categoria do planeta.

Passado
 
A McLaren Honda tem um nome a zelar.
 
Em cinco anos, foram quatro títulos de Pilotos e quatro de Construtores. Foi com carros produzidos por esta parceria que Ayrton Senna venceu 35 de seus 41 GPs e entrou para a história como um dos maiores de todos os tempos no esporte. O tricampeonato de Alain Prost e a rivalidade entre o francês e o brasileiro são mais dois elementos que enriquecem esta narrativa.
 
Senna e Prost, a propósito, eram os caras que os atuais titulares da McLaren observavam enquanto começavam a se interessar pelas corridas de carros.
 
O espanhol Fernando Alonso chegou a guiar o MP4-4, que venceu 15 de 16 corridas em 1988. E revelou: “Tinha pôsteres no meu quarto dele, uma miniatura”.
 
"Minha inspiração do passado foi Ayrton Senna. Quando eu era criança e guiava nos karts, Senna e Prost dominavam a F1 com a aliança McLaren-Honda. Essa era minha inspiração”, disse.
Fernando Alonso (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Jenson Button tinha oito anos em 1988. “Tenho memórias legais de Ayrton e Alain brigando na frente, 1s5 mais rápidos que todo o resto com a McLaren Honda. É legal ser uma parte da nova era da McLaren Honda. Acho que tem um futuro empolgante”, avalia o britânico.
 
Além dos títulos, foram vencidos 44 de 80 GPs e anotadas 53 pole-positions. Se estes números já impressionam, o de pódios é ainda mais representativo: 91. Uma média de mais de um por corrida.
 
“Naquele tempo, a Honda foi tremendamente inventiva e ambiciosa”, destaca Ron Dennis, diretor-executivo da McLaren. “Em 1988, tivemos a temporada de mais sucesso na história da F1. Vencemos 15 de 16 corridas, uma conquista marcante, mas precedida de uma cooperação muito próxima com a Honda no desenvolvimento do motor turbo.”
 
A cooperação vem sendo igualmente próxima desde que o retorno dos japoneses a Woking foi anunciado em 2013. “Isso me fez lembrar do que é trabalhar com a Honda. É uma companhia incrível”, exalta Dennis.
Ron Dennis (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Futuro
 
É sem imediatismos que McLaren e Honda trabalham neste início de ano. Os problemas, obviamente, foram muitos na pré-temporada. A equipe foi a que menos andou e passou longe de atingir todos os objetivos que tinha para os testes. Mas o discurso dos porta-vozes da equipe caminha no mesmo sentido do que Dennis falou a respeito da Honda de 1988: foi necessário ser ambicioso.
 
“Sabemos que é um longo caminho e, como dissemos, também fomos muito ambiciosos. Temos um pacote que é muito compacto e queremos vencer o mais cedo possível”, afirma o diretor de corridas Eric Boullier.
 
A ambição consiste na filosofia que tem sido divulgada como ‘size-zero F1 car’. Em uma tradução simples e direta para o português, carro de F1 com tamanho zero. As fotos aéreas do carro são as que melhor mostram isso: a traseira é extremamente compacta, e o motor também precisou ser desenvolvido desta forma. Um trabalho do qual a equipe está orgulhosa, garantindo que este caminho já está provado como o melhor que o time poderia seguir.
Fernando Alonso (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Para que seja possível superar a Mercedes, é preciso crescer em uma taxa muito maior do que a escuderia alemã. Entre 2010 e 2012, a McLaren foi capaz de se portar melhor do que a Mercedes mesmo sendo apenas uma cliente. 2013 foi um ano atípico nesta relação porque os engenheiros de Woking erraram a mão no carro. Mas, de 2014 para cá, ficou evidente que seria complicado alcançar as Flechas Prateadas sendo só uma cliente, dada a necessidade de integração entre a criação do chassi e do motor. O que a Williams vem tentando fazer é quase uma façanha. Já a McLaren concluiu que era preciso buscar outro rumo.
 
“Quanto mais trabalhamos, mais próximos nos tornamos. Claramente o ano passado foi difícil, pois estávamos saindo da Mercedes. Não dá para culpá-los. Eles foram bem profissionais, mas só nos deram as informações que nós realmente tínhamos de saber. Temos um relacionamento muito mais próximo com a Honda, o que ajuda na integração e no modo como desenhamos o motor. E, como digo, o relacionamento é muito bom. Sempre que temos um problema, desenvolvemos um regulamento é bem bom”, explica o diretor de engenharia Matt Morris.
 
Button, que possui um histórico junto da Honda, é outro que faz questão de destacar a união entre a equipe e a montadora. “Quando digo equipe, digo McLaren-Honda. É chave que todos se lembrem: não é a McLaren com uma fornecedora de motores, é uma equipe com um objetivo. É uma boa atmosfera. Obviamente, não é o começo de temporada mais fácil, mas, como sabemos, são unidades de força muito complexos. Vamos contornar”, assegura.
Os negócios inacabados de Button

A Honda comprou a BAR com o intuito de criar em 2006 uma equipe própria, e nela investiu pesado para ser campeã da F1 com o próprio carro e o próprio motor. Mas o projeto foi de mal a pior. Os anos de 2007 e 2008 foram horríveis, salvos apenas pelo pódio de Rubens Barrichello em Silverstone em 2008. E, em meio à crise econômica mundial que estourou no fim daquele ano, os japoneses decidiram abandonar a categoria. De herança para Ross Brawn e Button ficou um excelente carro. “Passei por lá no fim do ano e muita gente estava me dando os parabéns pelo campeonato de 2009. Obviamente, era uma situação difícil para eu estar. ‘Venci o campeonato com um outro motor depois que vocês se esforçaram tanto no carro’. Não conseguimos bons resultados juntos em 2007 e 2008 e temos negócios inacabados. Mas também houve momentos bons. Venci na Hungria com eles em 2006, e outros momentos também”, lembra.

O conceito inovador do carro é um dos fatores que lhe dá grande confiança em um futuro vitorioso. “É uma filosofia completamente diferente em termos de aerodinâmica e fluxo de ar. A direção em que estávamos no ano passado não ia nos levar a brigar por um campeonato, enquanto essa filosofia vai. E isso é que anima”, fala o inglês.
 
E Alonso, de volta após duas temporadas com a Renault e cinco com a Ferrari, também não deixa transparecer um tom de dúvida em suas declarações.
 
“Eu estou feliz. Empolgado com este projeto. Fui para o Japão no ano passado, vi o entusiasmo pelo retorno da Honda à F1, vi a estrutura, vi os recursos… Não sei quanto vai demorar, mas definitivamente nós vamos vencer”, garante o bicampeão.
 
Presente
 
Os 1.751 km percorridos em 12 dias de testes indicam o drama. Não significam, entretanto, que a McLaren é carta fora do baralho. A Red Bull andou menos que isso e ficou tão distante quanto dos pilotos mais rápidos dos testes, e ainda assim largou na primeira fila na primeira corrida e terminou o ano como vice-campeã.
 
A perspectiva mais realista de um bom desempenho é passar a se apresentar de uma forma mais competitiva a partir do início da temporada europeia. É quando a equipe espera ter se livrado de todos os problemas de confiabilidade.
 
Mas isso não quer dizer que o time não estará pronto para a primeira corrida. “Não vejo razão para que a gente não consiga estar pronto para Melbourne”, declarou Yasuhisa Arai, diretor de automobilismo da Honda, durante a pré-temporada.
 
E antes fosse apenas isso para atormentar a rotina da McLaren.
 
Resolver problemas técnicos já estava dentro da expectativa da equipe. Lidar também com o controverso acidente de Alonso no teste do dia 22 de fevereiro é que não estava nos planos. Até aqui, é um caso muito mal explicado.
 
Os primeiros posicionamentos da McLaren foram bem polidos, classificando o acidente como normal e informando que o espanhol não sofrera nenhuma lesão. Mas então o piloto não teve alta nem no primeiro, nem no segundo dia de internação. Depois de ser levado de helicóptero da pista para o hospital no domingo, foi liberado pelos médicos somente na quarta-feira.
A McLaren de Alonso após acidente em Barcelona (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Novamente, o time reforçou que nenhuma lesão foi encontrada. Alonso divulgou um vídeo no qual dizia estar “completamente bem”. O vento foi apontado como causa do estranho acidente. E, no dia 3 de março, veio a informação de que ele ficaria de fora do GP da Austrália por recomendação dos médicos.
 
Que acidente “normal” deixa o piloto fora de combate por um mês?
 
Para fazer jus ao passado e ter um futuro vitorioso, a McLaren precisa consertar o presente. A enorme confiança do time no pacote técnico leva a crer que de fato há potencial. Só é preciso extraí-lo — e não há previsão para quando o pico de performance enfim será visto.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube