Haas vê temporada com bons olhos, mas aponta grande defeito: desempenho no tráfego

Guenther Steiner, chefe da Haas, avaliou que a equipe sofre muito com instabilidade quando os carros estão no meio do trânsito na pista

DE VRIES SAI, RICCIARDO ENTRA? MARC MÁRQUEZ DE VOLTA NA MOTOGP | WGP

A temporada 2023 da Fórmula 1 para a Haas definitivamente não é de se jogar fora. Com quatro equipes bastante à frente das demais e outras duas de orçamentos bem grandes, as vagas na zona de pontuação são bastante escassas, mas, mesmo assim, a equipe natural dos Estados Unidos conseguiu pontuar em três das cinco provas até agora e ocupa o sétimo lugar do Mundial de Construtores. Há, contudo, um forte calcanhar de Aquiles: a maneira como o carro se comporta quando está cercado por outros.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Relacionadas


Segundo o chefe da Haas, Guenther Steiner, há uma instabilidade inerente ao VF-23 quando está no tráfego, algo que não acontece, ao menos não no mesmo grau, com as equipes concorrentes. É neste ponto que a equipe busca melhorar o bólido guiado por Nico Hülkenberg e Kevin Magnussen com atualizações preparados para Ímola.

“Parece estar funcionando: só precisamos encontrar o que fazer para termos mais estabilidade no tráfego e evitar de desgastar tanto os pneus. Nossos pilotos dizem que, no tráfego, os outros carros não sofrem tanto quanto o nosso, então o pessoal do departamento de aerodinâmica vai trabalhar nisso”, afirmou.

“Temos algumas atualizações que estão chegando em Ímola, coisas nas aletas da asa dianteira – não são asas inteiras. E vão continuar a chegar”, garantiu.

Guenther Steiner vê Haas bem, mas sabe onde melhorar (Foto: Haas)

Com relação ao GP de Miami, Steiner viu a maior fraqueza da equipe ser reforçada, mas, mesmo assim, saiu com um tento a mais.

“Marca um ponto é muito difícil e, de cinco corridas, marcamos em três, então não é tão ruim assim. No começo [em Miami], estávamos muito bem. Caímos um pouco depois de entrarmos no tráfego e coisas assim, perdemos um pouco de ritmo, e precisamos avaliar para saber do que se trata, mas, no geral, quando classificamos no top-10 conseguimos pontuar. Evidentemente é muito difícil fazer isso quando ninguém abandona”, leu.

“No fim das contas, pontuamos, e é assim que será esse ano: o pouco que der para conseguir, levaremos para casa. Não vamos deixar nada pelo caminho. Por mais que sempre se queira mais, ficamos felizes com o que conseguimos”, apontou.

Um dos momentos que trouxe alegria para Steiner e Haas foi ver o duelo de Magnussen contra Charles Leclerc numa das Ferrari.

“Brigar com Leclerc no começo e coisas como essas são muito boas. Acho que todo mundo gostou daquilo, porque é desse jeito que deve ser. Foi bom. Depois, na segunda metade da corrida, após a briga contra o segundo jogo de pneus de Leclerc, tivemos uma queda de rendimento até que recuperamos os pneus e, a partir daí, o pessoal atrás de Kevin passou a ter pneus mais novos. Mas acho que não houve ameaça real no fim da prova, apesar da preocupação. Um erro e você perde o ponto que está conquistando”, finalizou.

A Fórmula 1 retorna no fim de semana dos dias 19-21 de maio, em Ímola, com o GP da Emília-Romanha.

Os melhores rádios do GP de Miami de Fórmula 1 (Vídeo: F1)
Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.