Hamilton reconhece crescimento da Lotus e cobra melhora da McLaren: “Temos que avançar tanto quanto”

A Lotus é a equipe do momento na F1. Depois do bom desempenho na Hungria e da promessa de uma evolução ainda maior para o GP da Bélgica, Lewis Hamilton disse que a McLaren precisa evoluir para continuar acompanhando a equipe de Kimi Räikkönen e Romain Grosjean

O crescimento da Lotus no campeonato preocupa as chamadas “equipes grandes” da F1. Desta vez, foi Lewis Hamilton quem demonstrou estar observando a melhora do time aurinegro e admitiu que a McLaren precisa continuar desenvolvendo seu carro se quiser fizer frente à rival.

Vencedor do GP da Hungria, o inglês precisou conter os ataques de Kimi Räikkönen e Romain Grosjean durante toda a corrida. Depois da prova, chegou a dizer que estava apenas administrando, mas ele reconhece a força da Lotus.

Lewis Hamilton venceu sob pressão das Lotus no GP da Hungria (Foto: McLaren)

“Nós estávamos rápidos, mas se as duas Lotus tivessem se classificado na primeira fila, eles teriam vencido”, declarou o campeão mundial de 2008, que conquistou sua terceira vitória em Budapeste. “Fizemos um bom trabalho nos pit-stops, mas temos muito a fazer no desenvolvimento do carro, que não é rápido o suficiente. Foi na ponta da faca que ficamos à frente”, acrescentou.

Hamilton dá como certa uma vitória da Lotus “em algum momento da temporada, se não o fizer já em Spa”. Crente de que a Lotus levará atualizações à E20 para o GP da Bélgica, o inglês garantiu que vai insistir com a McLaren, justamente por acreditar em mais avanços dos adversários. “Temos que avançar tanto quanto eles”.

O desejo do piloto é ver os carros prateados na primeira e segunda posições. “Seria bom ver uma corrida em que eu e Jenson fiquemos bem à frente e consigamos uma dobradinha”, revelou. “Mas isso só vai acontecer se o carro tiver mais performance e é para isso que precisamos trabalhar”, completou.

Hamilton também afirmou que, apesar de a vantagem de Fernando Alonso no campeonato ter crescido, o espanhol perdeu terreno. “A Hungria foi um passo atrás para Alonso, mas não um grande sangramento”, avaliou o britânico.

Alonso tem 47 de vantagem para Hamilton, o quarto colocado no Mundial. Entre eles estão os dois representantes da Red Bull, Mark Webber e Sebastian Vettel. Em quinto, com um ponto a menos que o piloto da McLaren, está Räikkönen, também na briga.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube