F1

Hülkenberg cobra respostas e diz que confiabilidade da Renault está custando “resultados e bons pontos”

Depois de mais um abandono, Nico Hülkenberg pressionou a Renault por soluções para o problema de confiabilidade. O alemão ainda destacou que as constantes falhas estão custando resultados e pontos

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Nico Hülkenberg cobrou respostas da Renault sobre os problemas de confiabilidade do time. Depois de abandonar o GP da China de Fórmula 1 do último fim de semana, o alemão lembrou que as falhas estão custando pontos ao time e ressaltou que as falhas precisam ser sanadas no menor tempo possível.
 
Tal qual no Bahrein, onde Daniel Ricciardo também teve de parar antes da hora, o abandono em Xangai foi causado por problemas no MGU-K, a bateria responsável pela recuperação de energia cinética. A Renault, então, levou uma atualização para a prova do fim de semana, mas só o australiano conseguiu ver a bandeirada.
Nico Hülkenberg cobrou soluções da Renault (Foto: Renault)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

A Renault acredita, no entanto, que o abandono de Hülkenberg foi causado por um problema de software relacionado à troca do MGU-K.
 
“Não é uma boa notícia”, disse Hülkenberg. “Nós realmente temos de chegar ao topo dessas coisas, porque está nos custando resultados, experiência e bons pontos”, seguiu.
 
“Acho que sabemos que temos dever de casa para fazer nesse sentido. Nós precisamos resolver isso logo”, pressionou. 
 
O piloto do carro #27 contou que ainda tentou resolver o problema seguindo as orientações de seu engenheiro, mas não conseguiu e foi orientado a abandonar.
 
“Aconteceu algumas voltas antes de eu parar, mas não conseguimos resolver, então o time me pediu para parar o carro”, explicou Nico. “Eu perdi potência e não ia para lugar nenhum. Parece que, mais uma vez, é relacionado ao MGU-K, infelizmente. Então parece que temos mais trabalho para fazer lá”, reconheceu.
 
Antes da quebra, porém, a prova em Xangai já não vinha sendo das melhores. Oitavo no grid, Hülkenberg tinha perdido uma posição para Sergio Pérez ainda na primeira volta e tampouco teve um pit-stop dos melhores.
 
“Não estava parecendo tudo ok. Infelizmente, perdi a posição para Checo na primeira volta e aí ficar no tráfego foi duro para mim”, relatou. “Seguir os outros carros era impossível, você ficava escorregando. Nós todos tivemos mais ou menos o mesmo ritmo, então foi realmente difícil”, reconheceu.
 
“Aí eu parei, foi um pit-stop lento, e saí no tráfego, então seria bem difícil recuperar de qualquer forma”, completou.