Kubica se diz emocionado por voltar a pilotar F1 e revela que teste com Renault mostrou “tudo que perdeu”

Depois de andar pela primeira vez em seis anos com um carro de F1, Robert Kubica se disse emocionado e agradecido pela oportunidade. Mas também falou que guardou um misto de sensações e que o teste mostrou “tudo que perdeu” nos anos de afastamento do Mundial

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Robert Kubica foi ao circuito de Valência nesta terça-feira (6) para pilotar um carro de F1 novamente, após seis anos do grave acidente que sofreu durante uma prova de rali na Itália. A batida provocou lesões sérias no polonês, que nunca mais pode voltar ao Mundial, muito embora tenha se recuperado, tendo sido capaz de voltar ao esporte a motor em competições de rali. Mas ao falar da experiência que viveu com a Renault na Espanha, o piloto de 32 anos admitiu que deixou o cockpit com um misto de sentimentos, porque conseguiu ver "tudo que perdeu" ao longo dos anos longe da principal categoria do automobilismo.

 
O polonês guiou um Lotus E20 de 2012 – pintado com as cores da Renault – e completou 115 voltas, tentando andar em ritmo de classificação e também de corrida. Kubica não andava em um carro de F1 desde o acidente de 2011, que afetou especialmente sua mão e braço direitos. 
Robert Kubica voltou a pilotar um carro de F1 após seis anos nesta terça-feira (Foto: Renault)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Para mim, foi um dia importante de um ponto de vista emocional", afirmou o piloto. "Passei muito tempo longe do paddock e passei por momentos difíceis, mas continuei trabalhando e por algum tempo achei que isso era impossível. Hoje, tenho um misto de sensações. Estou orgulhoso do que consegui, mas esse teste mostrou o que eu perdi", completou.

 
"Não sei o que o futuro vai trazer, mas eu sei uma coisa, depois de trabalhar mais de um ano para me preparar para isso, eu andei um bom ritmo e consistente em condições difíceis. Não é fácil depois de seis anos, mas sabia que poderia fazer o trabalho e posso estar satisfeito. Só posso agradecer à oportunidade. A Renault em deu o meu primeiro teste na F1 em 2005, então estou aqui para mais um", emendou Robert.
 
A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube