Lauda se diz triste por saída de Brawn e fala que Wolff e Lowe “terão trabalho” no comando da Mercedes

Niki Lauda, presidente não-executivo da Mercedes, afirmou que se esforçou para manter Ross Brawn no time, mas que o inglês queria realmente sair e ir pescar. Ainda assim, o austríaco acredita que o engenheiro não vai ficar muito tempo longe da F1

Presidente não-executivo da Mercedes, Niki Lauda afirmou que se esforçou para convencer Ross Brawn a permanecer no comando da equipe alemã e que agora apenas deseja manter um contato muito próximo com o engenheiro. Brawn, uma das figuras mais experientes e bem-sucedidas do esporte, deixou a esquadra prateada, entregando seu cargo aos administradores executivos Toto Wolff e Paddy Lowe.

"Estou muito triste com isso, porque queria muito que ele ficasse por mais um ano", afirmou o austríaco, durante a premiação anual da revista inglesa 'Autosport'. "Mas ele me disse que quer ir pescar. Eu realmente tentei, mas se ele ficar como consultor para mim já será ótimo e importante. Na verdade, ele quer um descanso. Portanto, é muito simples", completou o dirigente.

Niki Lauda conversa com Toto Wolff durante os treinos em Buddh (Foto: Getty Images)

"Mas acho que isso não significa que vai se aposentar. Isso está claro para mim. Acho que ele vai voltar, não sei como, mas vai", acrescentou o tricampeão.

Lauda ainda ressaltou que o trabalho de substituir Brawn não será nada fácil. "Ele deixou um buraco. Agora Toto e Paddy terão muito trabalho pela frente para preencher essa lacuna, especialmente de um lado mais técnico", disse.

A Mercedes completou a temporada com um expressivo vice-campeonato, contando com duas vitórias de Nico Rosberg e uma de Lewis Hamilton.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube