F1

Leclerc vê azar do Bahrein como “coisa do esporte”, mas escancara decepção com situação “difícil de aceitar”

O que aconteceu com Charles Leclerc no GP do Bahrein foi daquelas crueldades inerentes ao esporte. Impecável, viu a vitória dominante escapar bem devagar, volta a volta, por um problema no motor. Saiu resignado, mas visivelmente desapontado

Grande Prêmio / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
O esporte é curioso. Apaixonante tantas vezes, há muitos momentos em que também se torna cruel e impiedoso. E foi essa parte, mais dolorida, que marcou o GP do Bahrein neste domingo (31). Charles Leclerc fez tudo certo no fim de semana e caminhava para uma vitória fácil quando, de repente, tudo caiu por terra. A primeira vitória que estava tão perto ficou para outro momento. Com respostas maduras, Leclerc respondeu as perguntas que foram feitas sem ter como disfarçar a decepção latente.
 
Leclerc vencia com ampla vantagem já na parte final da corrida quando um defeito grave no motor Ferrari diminuiu drasticamente a potência. Sem ter como acelerar sequer próximo do normal, viu Lewis Hamilton chegar e passar sem ter como oferecer resistência. Valtteri Bottas, que estava quase 1min atrás, também passou. Não foi pior porque um safety-car causado pela dupla da Renault impediu mais gente de ultrapassar. Saiu com o primeiro pódio na categoria. 
O pódio do GP do Bahrein (Foto: AFP)
"Acontece. É parte do esporte a motor", falou na saída. "Infelizmente hoje não foi nosso dia, mas a equipe fez um trabalho tão incrível para se recuperar da Austrália", apontou o resignado piloto.
 
"Claro que eu estou extremamente decepcionado, [mas] acontece numa temporada. Fizemos o melhor que deu. É muito difícil de aceitar, mas agradeço ao time pelo carro incrível que tive durante todo o fim de semana. Tenho certeza que vamos voltar mais fortes", seguiu.
 
Leclerc estava bem mais tranquilo do que a figura desolada que conversava com a equipe via rápido após ter a vitória ceifada de si - e ainda recebeu o abraço do vencedor Hamilton assim que ambos desceram de seus carros. O monegasco tem 26 pontos e ocupa a quarta colocação do Mundial de Pilotos, à frente de Sebastian Vettel.