Hamilton diz que 2022 foi “um dos anos mais difíceis” da Mercedes: “Pessoas choraram”

O heptacampeão relatou as dificuldades pela equipe não ter conseguido construir “um grande carro” na temporada passada e o clima da equipe de Brackley

Em 2022, a Mercedes enfrentou seu ano mais difícil da Era Híbrida na Fórmula 1, com apenas uma vitória na temporada —  com George Russell no GP de São Paulo — e o terceiro lugar no Mundial de Construtores. Lewis Hamilton, por sua vez, passou o ano sem pisar no lugar mais alto do pódio, com seu melhor resultado sendo o segundo lugar em França, Hungria, Austin, Cidade do México e Brasil.

Muito desse ano difícil pode ser atribuído ao W13, que enfrentou vários problemas ao longo da temporada, como por exemplo os quiques — o famoso porpoising. O desafio oferecido pelo primeiro carro com o novo regulamento técnico e a dificuldade para sanar os problemas acabaram trazendo um ano difícil para a sede de Brackley, mas Hamilton observou uma união da equipe durante o processo.

“2022 foi um dos anos mais difíceis para nós como equipe, já que não construímos um grande carro e tivemos nossas dificuldades, como muitas pessoas, e tivemos que nos aproximar”, disse Hamilton ao podcast Jay Shetty.

“Trabalho com essa equipe há 10 anos, e nas conversas que tivemos este ano, as pessoas se abriram como nunca antes, pessoas choraram. Sinto que é uma equipe melhor do que nunca, porque estamos trabalhando com um propósito. Na verdade, estamos falando sobre impacto”, comentou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

O Brasil foi um dos cinco países em que Hamilton conquistou um segundo lugar em 2022. (Foto: Reprodução)

No mesmo podcast, Hamilton também foi perguntado sobre a diversidade e equidade na Fórmula 1, já que o heptacampeão é uma das pessoas que mais traz luz a respeito do assunto na categoria. Ele inclusive elogiou a postura dos membros da Mercedes em se mostrarem dispostos a aprender mais sobre o tema.

“Todos na equipe terão treinamento de inclusão de diversidade. Ninguém disse: ‘eu não vou fazer essa aula, por que eu tenho de ir e aprender o que é diversidade e inclusão?’ ou ‘por quê? Isso não me afeta'”, observou.

“Agora, as pessoas dizem: ‘eu entendo que não necessariamente notaria isso, mas quero entender mais, para que eu possa ser melhor no meu ambiente de trabalho’. Tem sido inacreditável. Além disso, [através de] líderes em nosso esporte, estamos no caminho para ser um esporte mais diversificado e inclusivo”, comentou.

Além disso, Hamilton destacou a importância do debate sobre a diversidade não ser apenas um tema que ‘esteja na moda’ no momento. O piloto britânico pediu para que o assunto esteja sempre e destaque e afirmou que se esforça para fazer isso acontecer.

“Acho que meu trabalho é garantir continuamente que o mesmo esforço que estamos fazendo agora não desapareça só porque era ‘tendência’, [e garantir] que é realmente algo que está no topo da lista. E a sustentabilidade está no topo da nossa lista”, afirmou.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.