Magnussen reage à chegada de Hülkenberg, entrega os pontos e se abate: “Eu sou muito ruim no jogo político”

Kevin Magnussen sentiu o golpe. Após a Renault anunciar Nico Hülkenberg para a temporada 2017, o dinamarquês desabafou e assumiu que não faz bem o jogo político da F1

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Kevin Magnussen parece ter sentido o golpe da contratação de Nico Hülkenberg pela Renault. Cada vez mais longe de uma vaga na F1 em 2017, o dinamarquês disse nesta sexta-feira (14) que não sabe fazer o jogo político da categoria e chegou a questionar se vale a pena passar por este processo e mais o distanciamento da família para correr.

 
Magnussen comentou que faz bem seu papel dentro da pista e não fora dela. O piloto do #20 reclamou do jogo político na categoria e também falou de saudade dos parentes, basicamente entregando os pontos para 2017.
 
"Eu sou muito ruim no jogo político. Sou um piloto de corridas, não um político; não saio aí fora para tentar ganhar votos. Estou aqui para correr e ir rápido, e é assim que aproveito e me sinto bem. Cada vez que deixo minha família, penso: 'Vale a pena?'. É difícil ficar longe deles", disse o piloto ao jornal dinamarquês 'Dagbladet Borsen'.
Kevin Magnussen parece perto do fim na F1 (Foto: Getty Images)
O danês, que viveu uma situação complicada com o carro em chamas semanas atrás, explicou que ficar sempre no pelotão do fundo do grid contribui para a infelicidade dentro da F1.
 
"Mas quando você não ganha e as coisas não vão como se gostaria, que é o caso atual, você tem esses pensamentos com mais frequência. Mas se algum dia estiver no lugar mais alto do pódio, vou saber se valeu a pena", completou.
 
Apesar do desabafo indicar o fim da linha, Magnussen ainda tem alguma chance de ser escolhido como companheiro de Hülkenberg na Renault em 2017. Ao menos na disputa interna, o dinamarquês tem prevalecido, com sete pontos contra apenas um de Jolyon Palmer.

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube