McLaren esconde mudanças e tem no motor Mercedes desafio para manter top-3

A McLaren revelou ao mundo o MCL35M nesta segunda-feira e, embora por fora pareça muito o carro do ano passado, a equipe inglesa precisou fazer modificações importantes para se adaptar ao motor Mercedes, diante de um ano de transição e de poucas mudanças. E é aí que mora a grande questão do time de Woking

A McLaren talvez seja a única equipe do grid que sustente uma enorme e real expectativa para 2021. Isso porque a equipe britânica não só trouxe um nome de peso para suas garagens, como também acertou um acordo para receber o melhor motor de toda a Fórmula 1. Depois de ter dado um salto de desempenho na temporada passada, o objetivo lógico agora é dar um passo à frente, então todas as novidades se justificam. Só que o cenário não é tão simples. O time inglês precisa fazer tudo funcionar muito bem, mas esbarra em um ano de transição em que poucas mudanças são permitidas.

E sendo assim, a esquadra foi a primeira a apresentar ao mundo o projeto com qual pretende, ao menos, manter o posto de terceira força no grid. O MCL35M surgiu sem causar um grande espanto em um primeiro momento. Afinal, a pintura laranja, com detalhes em azul e preto, camuflou bem as modificações. Só um olhar mais atento é capaz de perceber que a McLaren, apesar do regulamento restritivo, tem um carro bem diferente por baixo do layout papaia.

VEJA TAMBÉM
+GALERIA: Todas as imagens do MCL35M, o carro da McLaren para 2021
+WEB STORIES: McLaren mostra MCL35M com pintura similar à de 2020

A equipe espera manter a boa fase e até mesmo evoluir, mas está cautelosa sobre a mudança para os motores Mercedes (Foto: McLaren)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

É importante salientar que as regras para 2021 permitem alterações na carroceria, mas não no monocoque. Dito isso, o que aconteceu é que o grupo de engenheiros em Woking precisou trabalhar em soluções dentro dessa limitação para adequar o motor Mercedes que agora equipa os carros ingleses – a unidade é bastante diferente do Renault que empurrava os modelos britânicos até ano passado. Por isso, as exigências foram bem específicas e diversas. E isso em um carro de F1 nem sempre é um boa notícia.

“Não há uma solução sobre como as unidades de potência são dispostas. O que tentamos fazer em relação ao processo de homologação foi não mudar coisas que realmente não precisavam ser alteradas durante a instalação do motor”, contou James Key, o diretor-técnico da McLaren e líder do projeto, ao falar da situação especial do time.

“Mas é claro que tivemos medidas com relação às peças homologadas. Isso nos permitiu trabalhar no chassi, que obviamente tem de mudar com um novo motor e armazenamento de energia”, completou.

A McLaren MCL35M, carro para a temporada 2021, foi apresentada nesta segunda-feira (15) na sede da equipe, na Inglaterra (Foto: McLaren)

Então, por causa da Mercedes, o MCL35M possui novos sistemas elétricos e de refrigeração. Também foi possível notar novos sidepods. As entradas de ar também são diferentes nas laterais e arredondadas em cima, reflexo da nova unidade motriz. O carro também surgiu com o bico que foi testado no GP da Toscana do ano passado e que é muito similar ao da heptacampeã.

A associação com a marca alemã também influenciou em uma redução do rake – a diferença de altura entre a parte dianteira e traseira. Há diferenças sutis nos dutos de freios. Já a asa dianteira é essencialmente a mesma de 2020. E ao contrário do que se pode imaginar, a McLaren não vai usar a caixa de câmbio da fabricante de Stuttgart. Os britânicos vão seguir desenvolvendo sua própria. Ou seja, é mais do que evidente o trabalho de quebra-cabeças feito pela esquadra chefiada por Zak Brown.

“Existem aspectos da caixa de câmbio que precisaram ser mudados. O sistema elétrico é completamente diferente, assim como o de refrigeração. Portanto, fundamentalmente, a arquitetura do carro é bem distinta, mas as áreas homologadas que precisávamos manter foram menos afetadas”, reconheceu Key.

A grande novidade para o time em 2021 é a volta da parceria com a Mercedes, que durou de 1995 a 2014 e rendeu alguns títulos mundiais (Foto: McLaren)

Portanto, ao mesmo tempo em que tomou decisões acertadas ao chamar Daniel Ricciardo para o lugar de Carlos Sainz e firmar o acordo com a Mercedes, a McLaren criou para si um grande desafio em 2021. O passo adiante depende enormemente do encaixe de todos os aspectos técnicos e humanos neste momento. Mas o primeiro passo foi dado.

“Estamos convencidos de que o motor da Mercedes pode nos ajudar a voltar a vencer corridas no futuro, assim que a equipe estiver pronta. Tenho certeza”, acrescentou Andreas Seidl, o chefe da equipe.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube