F1

Menor equipe do grid, Manor Marussia anuncia acordo e vai correr com motores da Mercedes a partir de 2016 na F1

A Manor Marussia anunciou nesta quinta-feira (1) a parceria técnica com a Mercedes. A partir de 2016, a menor equipe do grid da F1 vai correr com os fortes motores alemães. O acordo também englobou a Williams, que vai fornecer ao time componentes dos sistemas de transmissão e suspensão
Warm Up / Redação GP, de Curitiba
 Will Stevens durante o TL2 na Hungria (Foto: AP)
A Manor Marussia deu um passo importante para ampliar a competitividade na F1 a partir de 2016. A equipe inglesa anunciou nesta manhã de quinta-feira (1) que fechou contrato com a Mercedes para receber os poderosos motores da montadora de Stuttgart. O acordo é de "vários anos". 
 
A esquadra, que tem sede em Banbury, vinha avaliando suas opções para o próximo ano no Mundial e acabou acertando com os alemães, depois que a Ferrari manifestou o desejo de entregar suas unidades à Red Bull. 
Booth ficou satisfeito com acordo com a Mercedes (Foto: Marussia)
De acordo com o novo vínculo, a Manor vai receber a especificação 2016 dos motores da Mercedes. Além disso, a equipe chefiada por John Booth amarrou um segundo acerto com a Williams, também parceira dos prateados, para fornecimento de componentes dos sistemas de transmissão e de suspensão. 
 
"Estou realmente satisfeito em anunciar que a nossa nova parceria técnica será com a Mercedes para o fornecimento de motor a partir de 2016", disse Booth. "Embora houvesse muitos fatores para a seleção de um parceiro de motor que pudesse nos ajudar em nossas ambições a longo prazo, em última análise, a força do pacote da Mercedes fala por si", explicou o inglês.
 
"2015 foi um ano de reconstrução em todos os aspectos de nossa operação. Embora não tenhamos sido capazes de fazer avanços em termos de competitividade, montamos uma base sólida para evoluir. Neste momento, já estamos trabalhando no carro de 2016, e a unidade de potência da Mercedes vai nos ajudar a ter um desenvolvimento mais agressivo", completou.
 
A esquadra sofreu com dívidas no ano passado, quase não pode voltar ao grid, mas a ajuda financeira vinda de Stephen Fitzpatrick, empresário irlandês do ramo de energia, acabou salvando o time, que nesta temporada corre com o carro do ano passado, apenas com adaptações ao regulamento 2015, e com motores da Ferrari.

O chefe da Manor ainda agradeceu à Ferrari pelo apoio na atual temporada. "Gostaria de aproveitar essa oportunidade para agradecer à Ferrari pelo apoio à nossa equipe nas duas últimas temporadas. Em 2014, nós compartilhamos momentos decisivos quando dos primeiros pontos e, neste ano, a Ferrari esteve ao nosso lado em um grau acima da média e muito além das exigências do nosso acordo de parceria. Na verdade, não conseguiríamos voltar ao grid sem eles", afirmou.
 
"Também estou feliz em anunciar que vamos retomar a nossa parceria técnica com a Williams, de quem receberemos componentes dos sistemas de transmissão e suspensão. Estamos realmente muito animados com a força do nosso pacote para 2016", terminou o britânico.
Motor da Mercedes que vai equipar a Manor em 2016 (Foto: Mercedes)
Chefe da Mercedes, Toto Wolff também se mostrou contente com a nova parceria técnica de sua equipe. "A Mercedes tem uma filosofia baseada no nosso trabalho com a equipe principal e também no fornecimento das unidades de potência para as equipes independentes do grid. Acreditamos que esse comportamento fornece à F1 uma grande força e garante um alto nível de competitividade", disse o austríaco, que logo reconheceu que o acordo com a Manor só foi possível por conta da compra da Lotus pela Renault. Como se sabe, a equipe de Enstone era cliente da montadora alemã.
 
"Em antecipação da aquisição da Lotus pela Renault, temos então o prazer de anunciar a Manor Marussia como nova cliente da Mercedes. É uma equipe tenaz com espírito esportivo fantástico e todos nós estamos animados em ver o passo à frente que poderemos dar no próximo ano com o novo carro, além das nossas unidades de potência", encerrou.
 
Com o anúncio da Manor e com o negócio entre Lotus e Renault quase fechado, apenas as duas equipes comandas pela Red Bull seguem sem acordo de motores para 2016.