F1

Mercedes deixa portas abertas para Mick Schumacher no futuro e vê “potencial para ter sucesso na F1”

Campeão da F3 Euro e dono do sobrenome mais pesado do automobilismo, Mick Schumacher está sendo observado. Apesar de ter fechado com uma equipe da F2 mais próxima à Ferrari, a Mercedes, por meio do diretor-executivo Toto Wolff, elogiou o jovem e abriu as portas para um acerto no futuro, especialmente caso mostre na F2 que é de fato um piloto promissor. Não prometeu nada, no entanto
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Mick Schumacher (Foto: FIA F3)
Mick Schumacher é um nome comentado por várias partes da F1 na atualidade. Filho do heptacampeão mundial Michael Schumacher, o jovem de 19 anos conquistou a F3 Europeia na temporada 2018 e as conversas sobre o potencial e o futuro do alemão são enormes. Toto Wolff, diretor-executivo da Mercedes, foi mais um a exaltar o talento de Mick.
 
O jovem piloto ganhou a F3 utilizando motores Mercedes, mas pela Prema - onde vai permanecer para a subida à F2 em 2019 -, que é uma equipe italiana e tradicionalmente ligada à Ferrari. Wolff recordou que Mick não tem qualquer conexão com a Mercedes, mas a porta está aberta.
 
"Ele venceu o campeonato da F3 neste ano com motores Mercedes, o que é ótimo, mas ele não á parte do programa de pilotos jovens da Mercedes", lembrou. "O mais importante é dar tempo a ele. Tem esse incrível legado de ter um pai que é o piloto mais bem-sucedido de todos os tempos", seguiu.
 
"[Mick] venceu a F3, completou essa fase, e agora está indo para a F2, o que deve ser muito difícil contra muitos pilotos experientes. Não tenho dúvida que ele tem potencial para ser um piloto bem-sucedido na F1. Talvez conosco um dia, talvez nenhum", disse.
Toto Wolff está observando (Foto: Mercedes/Twitter)
Wolff também lembrou o histórico do pai de Mick para ressaltar a importância do programa de jovens pilotos, mesmo com Pascal Wehrlein deixando o programa e Esteban Ocon fora do grid em 2019.
 
"Michael Schumacher começou como piloto jovem da Mercedes em protótipos e se tornou o melhor de todos os tempos. Da mesma forma, hoje continuamos olhando para pilotos muito jovens, como Pascal Wehrlein, Esteban Ocon e George Russell, e queremos ver todos entraram com sucesso na F1 e construindo a própria carreira", falou.
 
"Iria gostar de vê-los juntos [na F1], treiná-los e ser um mentor junto de nosso grupo. É importante para a Mercedes dar atenção ao programa de jovens", encerrou.
 
As novas temporadas da F1 e F2 começam em março do ano que vem.