Mercedes inverte papeis e tem vantagem inesperada. Red Bull perde para si no México

A Mercedes conseguiu impor um importante revés para cima da Red Bull no México. Mesmo sob o ‘mando’ da rival, os alemães surpreenderam no fim e ficaram com a primeira fila. Já os energéticos acabaram caindo na própria armadilha

Para aqueles que ainda duvidam do potencial extraordinário da temporada 2021 da Fórmula 1, a classificação deste sábado (6) deu uma bela lição. Uma vez mais, todas as previsões caíram por terra após uma exibição inesperadamente de gala de Valtteri Bottas na fase derradeira da sessão que definiu as posições de largada para o GP da Cidade do México. E não só isso, porque Lewis Hamilton completa a dobradinha da Mercedes para uma etapa crucial para as ambições dos alemães no campeonato.

O cenário se inverteu em questão de horas. Depois de uma sexta-feira que confirmou a força da Red Bull na altitude na capital mexicana e de um treino livre em que Max Verstappen impôs 0s6 em Lewis Hamilton, a decisão do grid desafiou essa lógica. E como isso aconteceu? Uma das explicações está no asfalto. Mas há também outros elementos, como a sensibilidade da configuração do W12, o melhor entendimento dos pneus e o momento de pista. Ontem, os carros pretos procuravam aderência e velocidade. Hoje, com um traçado menos verde e mais emborrachado, a Mercedes encontrou um caminho para alcançar a rival.

Mas, seja lá o que a equipe da estrela tenha feito, isso só se concretizou no momento da classificação. A primeira parte já viu um Bottas roubar a posição de honra da tabela nos instantes finais. Depois, a fase intermediária acompanhou uma volta sensacional de Hamilton, em cima dos pneus médios amarelos, os melhores para a corrida deste domingo. Ali, os atuais campeões usaram do vácuo para surpreender, e isso acabou sendo replicado por Ferrari e AlphaTauri e ficou no radar da própria Red Bull, que ligou o sinal de alerta, embora Max tenha encostado no adversário – a diferença entre eles foi de apenas 0s009.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Só que foi no Q3 mesmo que as coisas tomaram forma. Tirando proveito de toda a aderência possível, Bottas sequer precisou do vácuo em uma volta das mais sensacionais, para virar 1min15s875. Hamilton se colocou no encalço, 0s145 atrás. Enquanto isso, Verstappen se via em apuros com uma traseira que escorregava demais. A segunda tentativa teria de ser absolutamente perfeita.

Bottas e Hamilton saíram juntos, mas não conseguiram melhorar suas marcas, apesar de voltas muito boas. Já a Red Bull mandou Pérez à frente de Verstappen, enquanto a AlphaTauri havia enviado Yuki Tsunoda à frente de Pierre Gasly. Todo o vácuo era necessário. Mas aí veio o caos. Depois de cumprir a missão com o companheiro de equipe, o japonês tentou abrir passagem para os pilotos da equipe irmã. Nessa, Pérez escapou da pista e acabou fazendo Verstappen tirar o pé. Uma possível disputa pela pole ficou ali.

Max esbravejou depois, mas a conta estava fechada. Enquanto a Mercedes obteve uma vantagem inesperada, que mal soube explicar. A Red Bull – curiosamente, como o próprio Helmut Marko previra mais cedo – perdeu para si mesma. “Não compliquei a Red Bull, eles erraram por culpa deles. Fui pelo lado de fora e não pude fazer nada além disso, não sabia aonde deveria ir”, falou Tsunoda após a classificação, quando foi alvo de críticas da empregadora.

O líder do campeonato também falou sobre o momento decisivo da classificação, pois entendia que tinha ritmo para lutar pela pole. “Parece que o equilíbrio caiu um pouco durante a classificação. E na verdade, no fim, estava pronto para uma boa volta e não sei o que aconteceu na minha frente, mas tinha dois caras escapando”, explicou Max em entrevista logo depois da classificação.

“Achei que era uma bandeira amarela, mas então tirei o pé e a volta ficou destruída, claro”, lastimou.

Max Verstappen xingou no rádio após a classificação (Foto: Red Bull Content Pool)

Hamilton, por sua vez, não escondeu a surpresa. “Eles estavam em torno de 0s6 à nossa frente em determinado ponto, mas o que quer que seja que tenha acontecido a partir do momento em que chegamos à classificação, nos deu melhor ritmo. Estou tão chocado quanto qualquer um, o esforço da equipe foi muito bom”, reconheceu o heptacampeão, genuinamente feliz após ver o adversário atrás e o companheiro de equipe logo à frente.

“Valtteri fez um grande trabalho”, elogiou Lewis. “Ele vem pilotando muito bem nessas últimas corridas, isso é muito bom para a equipe. Eles trabalharam com muito afinco, e nós achávamos que não tínhamos ritmo neste final de semana. Essa primeira fila foi muito especial e vamos travar uma briga boa amanhã”, previu o inglês.

De fato, a corrida pode contar uma história diferente. Os pneus, sempre eles, serão um ponto chave para as decisões estratégia. De novo, a F1 caminha para uma corrida tensa e voltada também para os pits. Há, no entanto, essa largada, que joga os nossos personagens em uma longa reta, onde o vácuo e a eficiência aerodinâmica vão contar demais.

“Hoje foi certamente uma boa surpresa, mas a corrida aqui é muito dura para o carro e não há garantias de que a nossa velocidade hoje se traduzirá em um stint longo. Espero estar perto e uma boa largada até a curvas 1 será muito importante – há um longo caminho a percorrer, mas estamos em posição para brigar”, disse Andrew Shovlin, engenheiro da Mercedes.

Lewis Hamilton vai largar da primeira fila (Foto: Mercedes)

E essa é uma corrida de apenas uma parada. O pit-lane longo representa uma perda grande de tempo. A ideia é largar de médios e efetuar a troca para os compostos duros. Esse momento será crucial, dependendo da posição de pista e dos rivais. “Praticamente todos os pilotos tentaram passar pelo Q2 com o pneu médio para entrar na estratégia mais rápida amanhã, que é definitivamente de uma parada, já que há uma perda de tempo bastante significativa no pit-lane e é difícil ultrapassar”, explicou Mario Isola, chefão da Pirelli.

“Essa opção também oferece muita flexibilidade em torno da estratégia. Como era de se esperar, com mais borracha na pista, o pneu macio mostrou um desempenho muito sólido na classificação e, portanto, pode desempenhar um papel na etapa final da corrida de amanhã”, completou.

Ao fim e ao cabo, a Mercedes encontrou nessa classificação uma chance importante de devolver a derrota dos EUA e vai em busca de roubar o saque da adversária, que sentiu bem o golpe.

Fórmula 1 acelera com a disputa do GP da Cidade do México, 18ª etapa da temporada 2021, neste domingo a partir de 16h (de Brasília, GMT-3), com transmissão ao vivo da Band na TV aberta e do serviço de streaming F1 TV Pro. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar