Na Garagem: Hamilton vence a primeira da carreira no Canadá e coroa grande fase

A temporada 2007 da F1 é famosa pela briga interna na McLaren, entre o prodígio Lewis Hamilton e o astro Fernando Alonso. E foi em 10 de junho de 2007, dez anos atrás, que Hamilton venceu a primeira da carreira no Canadá para se consolidar como um real postulante ao título – que só viria no ano seguinte

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Aqueles com uma memória mais aguçada vão se lembrar do fenômeno que foi Lewis Hamilton em sua temporada de estreia, em 2007. O britânico, que tinha a missão apenas de aproveitar as sobrar do campeão vigente Fernando Alonso, logo se provou uma verdadeira ameaça à briga pelo título. A maior prova disso veio dez anos atrás: no dia 10 de junho de 2007, Hamilton dominou amplamente o GP do Canadá e conseguiu sua primeira vitória na F1.
 
O resultado em si pode não ser tão chocante se considerarmos que Hamilton vinha em uma sequência de cinco pódios seguidos – que chegaria a nove, recorde entre estreantes. Mas o que realmente chama a atenção é o domínio que Lewis exerceu em um circuito que mal conhecia: o piloto da McLaren fez a melhor volta dos treinos livres, liderou duas das três sessões de classificação e, largando da pole, só perdeu a liderança durante ciclos de pit-stops. Nem mesmo os quatro acionamentos de safety-car – um deles por conta do famoso capote de Robert Kubica – serviram para ameaçar a vitória de Lewis.
Lewis Hamilton venceu a primeira na F1 no Canadá em 2007 (Foto: Reprodução/Twitter)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Eu estou em outro planeta depois disso", comentou Hamilton, logo após a vitória. "Simplesmente não acho palavras para descrever a sensação de vencer minha primeira corrida de F1. A equipe fez um trabalho fantástico, estou muito feliz por fazer parte dessa família. Tive uma largada ok, nada espetacular, mas deu para sair bem da primeira curva. Enquanto havia confusão em volta de mim, mantive minha calma e meu foco”, completou.

O pódio também contou com Nick Heidfeld e Alexander Wurz – duas figuras exóticas na festa do champanhe da F1. O que também ajudou Hamilton: sem adversários diretos – Alonso e a dupla da Ferrari, Kimi Räikkönen e Felipe Massa – por perto, Lewis arranjou um resultado extremamente positivo na briga pelo título. O britânico se isolou na liderança, e com uma boa folga: oito pontos a mais do que Alonso, isso em uma época em que a vitória valia apenas dez pontos.

Ao lado de Heidfeld e Wurz, Hamilton festeja sua primeira vitória na F1 (Foto: BMW)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Era a primeira vez que Hamilton era realmente apontado como um candidato ao título, e não apenas um rapaz em uma boa fase passageira. A vitória seguinte em Indianápolis, apenas uma semana depois, consolidou essa imagem de vez. Alonso, antes astro, passava a ser ofuscado pela primeira vez em três anos.
 
E, por incrível que pareça, foi aí que as coisas começaram a dar errado para Hamilton. O britânico virou alvo principal de Alonso e os dois iniciaram uma briga interna de onde ambos saíram perdedores. O título acabou nas mãos de Kimi Räikkönen em uma das reações mais inesperadas da história da categoria.
 
A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube