Na Garagem: Mundo não viu estouro do motor. Só a porrada de Piquet em Salazar

Faz 33 anos que a imagem de Nelson Piquet batendo em Eliseo Salazar percorre o imaginário como uma das mais marcantes do automobilismo. Mas pouca gente sabe dos bastidores. Que, por exemplo, o brasileiro ligou para o chileno ao saber, mais de uma década depois, que não completaria o GP da Alemanha que vinha vencendo

Greve, boicote, acidentes sérios são alguns dos fatores da temporada de 1982. Podemos dizer sem medo: foi a temporada mais louca da história da F1. Além disso, 11 pilotos de sete equipes diferentes venceram naquele ano. Didier Pironi, John Watson, Alain Prost, Niki Lauda e René Arnoux, os maiores vencedores, obtiveram apenas duas vitórias. Rosberg terminou campeão tendo vencido apenas uma corrida, o GP da Suíça.
 
A temporada começou quente: os pilotos fizeram greve por não concordar com alguns aspectos exigidos aos pilotos para outorgar a superlicença. A FISA queria contatos de pelos menos três anos, prendendo os pilotos às equipes e que os pilotos não falassem mal da entidade à imprensa. Cenário muito diferente dos dias atuais, onde o piloto mais jovem do grid sequer tem carta de motorista e os pilotos, numa postura mais tranquila, pouco contestam a FIA.
O protesto aconteceu durante os treinos livres do GP da África do Sul, a primeira etapa da temporada. 30 pilotos entrincheirados numa sala de conferências do hotel Sunnyside. O lema “fortalecer a união” era o mantra dos pilotos. Colchões espalhados pelo chão fizeram a sala virar dormitório com os pilotos dividindo as camas. As histórias são prosaicas, como os pilotos entretidos por Elio de Angelis e Gilles Villeneuve tocando piano.

Uma outra F1…

 
Já o boicote aconteceu por conta das desclassificações de Nelson Piquet e Keke Rosberg no GP do Brasil (Prost herdou a vitória) e por causa da mudança nas regras de pesagem dos carros. A FOCA (Associação dos Construtores), baseada na Inglaterra, comprou a briga dos times da ilha e o GP de San Marino foi boicotado pelas equipes inglesas, com exceção da Tyrrell.
Piquet parte para cima de Salazar depois do toque que lhe tirou a vitória na Alemanha (Foto: Reprodução)

Tamanha confusão embolou o campeonato: todos esperavam uma polarização entre McLaren e Ferrari, mas após quatro etapas, Prost, da Renault liderava com 18 pontos, seguido por Niki Lauda, da Mclaren, com 12. Michelle Alboreto, da Tyrrell, tinha 10; Didier Pironi tinha 9; John Watson e Rosberg, 8. Além do boicote, houve outra polêmica em Ímola: Pironi desobedeceu as ordens da Ferrari para manter posições, ultrapassou Villeneuve quando o canadense já poupava o carro e destruiu o ambiente na equipe.

 
Enzo Ferrari saiu em defesa do canadense, mas isso de nada adiantou. Villeneuve abriu negociações com a Williams e jurou nunca mais falar com o ex-amigo Pironi. A promessa seria cumprida de forma trágica: na prova seguinte, Gilles morreria no treino de sábado, ao tentar bater o tempo de Pironi na classificação.
 
Na Alemanha, Pironi quase teve o mesmo trágico destino de seu parceiro. Ele liderava o campeonato com folga, com 39 pontos contra 30 de Watson. Além disso, o francês da Ferrari cravou a pole com 1min47s947 – quase 1 segundo à frente de Prost, o segundo. Watson partiu apenas em décimo. Esse cenário parecia perfeito para Pironi. Mas o ferrarista teve um grave acidente e quebrou as duas pernas e perdeu as últimas quatro provas da temporada.
 
Foi justamente na Alemanha onde ocorreu o evento mais pitoresco do ano. Com o pole fora, as Renault de Prost e Arnoux largaram em segundo e terceiro e Piquet partiu em quarto com o seu Brabham BMW turbo. A outra Ferrari, de Tambay, partiu em quinto. Piquet partiu com menos gasolina, para livrar vantagem, reabastecer e tentar voltar na frente. A estratégia funcionava: Piquet despencou na frente e tinha mais de 15 segundos de vantagem para Tambay, que tinha se livrado da dupla da Renault.
 
Com as quebras de Prost e Patrese, Piquet caminhava para uma vitória tranquila. Na volta 19 das 45 previstas, o brasileiro se aproximou de Eliseo Salazar, da ATS, e se preparava para colocar uma volta de vantagem no chileno. Mas Salazar fechou a porta para Piquet e tirou ambos da prova. Acabou nos pneus a chance da segunda vitória numa temporada na qual Piquet lutava com as seguidas quebras do motor BMW. Piquet desceu do carro furioso e resolveu tirar satisfação com Salazar na porrada. Hockenheim virou palco de uma luta de boxe.

determinarTipoPlayer(“15566178”, “2”, “0”);

 
Mais que violenta, a cena era ridícula. Piquet sequer lembrava que os capacetes são construídos para suportar impactos de uma tonelada. Socos, tapas e chutes não eram capazes de aplacar a ira de Piquet. O brasileiro se recusava a voltar com Salazar na mesma Kombi que servia de ambulância. Irritado, tomou o volante do piloto alemão e disse: “Quem vai dirigir esse troço sou eu”. Com a saída de Piquet, Tambay ganhou com 16 segundos de vantagem para Arnoux e uma volta de vantagem para Rosberg – os 4 pontos seriam fundamentais no título do finlandês.
 
Em 1983, a BMW acertaria a mão no motor BMW e Piquet ganhou o título após dura disputa contra Prost. 10 anos depois, a montadora deu uma festa para homenagear a conquista: foi o primeiro título de um motor turbo na F1. O engenheiro Mario Theissen resolveu então contar um segredo a Piquet: “Lembra aquele dia que você saiu na porrada com o Salazar após ele te tirar da corrida? Aquele motor não ia durar 5 voltas e você ia abandonar de todo modo."
 
Piquet, com o caráter que lhe é peculiar, pediu que alguém descobrisse o telefone celular de Salazar, então piloto nos EUA. Ligou para o chileno e disse: “Cabrón, lembra do dia que eu te dei uns sopapos porque você me tirou da ponta no GP da Alemanha? Aquele motor ia quebrar em 5 voltas. Se o motor tivesse quebrado antes, você tinha escapado de apanhar”. Um episódio risível e não poderia ter acontecido com outro personagem da F1 que não fosse Nelson Piquet.
VIU ESSA? INDIANÁPOLIS RECEBE PEGA ENTRE MOTOGP E INDY

determinarTipoPlayer(“15565662”, “2”, “0”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube