Na Garagem: Nove meses após grave acidente no Japão, Bianchi morre aos 25 anos

Após travar uma dura batalha por nove longos meses, o francês morreu em Nice, na França, em decorrência das graves lesões do acidente sofrido no GP do Japão de 2014

17 de julho de 2015. Essa é a data da morte do promissor Jules Biachi decorrente do grave acidente que sofreu no GP do Japão do ano anterior. Sim, já se passaram cinco anos desde que o jovem francês partiu e deixou apenas para a imaginação tudo o que iria conquistar em sua caminhada na Fórmula 1 com seu vínculo com a Ferrari.

Na verdade, aquela sexta-feira apenas encerrou uma batalha que se iniciou nove meses antes. A corrida em Suzuka, 15ª etapa da temporada 2014, acontecia sob forte chuva. Em dado momento, Adrian Sutil acabou escapando na abandonando a prova precocemente.

A bandeira local foi acionada e um guindaste estava na curva 7 para remover o carro do alemão. Acontece que na volta 43, Bianchi aquaplanou a mais de 150 km/h e acertou em cheio o veículo, batendo a cabeça em uma grua. No momento, já se percebeu que o acidente foi de extrema violência e bastante preocupante.

Bianchi, o prodígio que se foi cedo

O piloto da Marussia foi socorrido ainda na pista e levado de helicóptero ao Hospital Geral Yokkaichi, em Mie, cerca de 16 km de Suzuka. Ali, passou por uma cirurgia inicial de quatro horas; dois dias mais tarde, a equipe do francês liberou boletim médico indicando uma lesão axonal difusa, lesão ampla e que, em mais de 90% dos casos, deixa a vítima em coma definitivo.

Quase dois meses se passaram com toda a família Bianchi morando no Japão até que tiraram Jules do coma e seu quadro estava estabilizado. Com isso, o transportaram até o Hospital Universitário de Nice, na França, para ficar em sua terra natal. A partir de então, as atualizações do caso do francês foram liberadas quase a conta-gotas, sem nenhum avanço notável. Então, 285 dias após o grave acidente, a família deu o comunicado que não gostaria.

“Jules lutou até o final, sempre o fez, mas hoje a luta chegou ao fim. A dor que sentimos é imensa e indescritível. Queremos agradecer a equipe do hospital de Nice, (…) a equipe do Centro Médico de Mie, (…) colegas de Jules, amigos, fãs”, escreveram Philip e Cristine, pais, Tom e Melanie, irmãos.

Uma investigação foi realizada pela FIA para encontrar os motivos do acidente do jovem competidor. A entidade máxima concluiu, após as pesquisas feitas, que o erro humano foi o principal fator do ocorrido não sendo um fato isolado, mas consequência de uma sequência de eventos que contribuíram para o fatal episódio. Cerca de um ano depois, a família do piloto decidiu tomar ação legal contra a FIA, F1 e Marussia.

O comemorado nono lugar de Bianchi em Mônaco

Jules tinha um futuro promissor. Envolvido com a Ferrari, mostrava ser uma aposta certeira da escuderia italiana e trilhava caminho para assumir um dos carros do time. Correndo na Marussia, sempre foi superior ao companheiro Max Chilton e em 2013 conseguiu os únicos dois pontos do time ao terminar o GP de Mônaco em um heroico nono lugar.

A morte de Bianchi marcou a primeira desde os fatais acidentes de Roland Ratzenberger e Ayrton Senna em Ímola, em 1994. Desde então, diversas mudanças foram adotadas na F1 em relação a segurança – peças como hans-device, a estrutura de fibra de carbono para manter o piloto intacto no habitáculo e reforço dos capacetes foram importantes adições na categoria.

Mais recentemente, apesar das divergências de opiniões, os carros passaram a adotar o halo a partir de 2018. A peça localizada na frente do cockpit tem principal objetivo de proteger a cabeça do piloto – e mostrou cumprir muito bem seu papel em um acidente onde Fernando Alonso voou por cima da Sauber de Charles Leclerc, no GP da Bélgica de 2018.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube