Na Garagem: Schumacher é campeão após toque com Hill. Mansell vence pela última vez

25 anos atrás, Michael Schumacher conquistou o primeiro de seus sete títulos de forma bem controversa. O piloto bateu no rival Damon Hill na volta 36 daquela corrida, que foi a última vencida por Nigel Mansell

13 de novembro de 1994 marcou o fim polêmico de uma das temporadas mais controversas da história da Fórmula 1. O alemão Michael Schumacher, que na época era da Benneton, conquistou o primeiro dos seus sete títulos mundiais no GP da Austrália após um acidente com Damon Hill, seu único concorrente, e que ainda levanta discussões entre os fãs de automobilismo.
 
Schumacher e Hill desembarcaram em Adelaide separados por apenas 1 ponto. O alemão da Benneton teve um começo avassalador no campeonato, com seis vitórias nas sete primeiras corridas, mas as desclassificações na Inglaterra e Bélgica, unidas com a suspensão na Itália e em Portugal, permitiram a recuperação do rival da Williams, que chegou aos 91 pontos depois de um triunfo épico no Japão.
 
No treino classificatório, o alemão se classificou à frente de Hill, mas ambos foram superados por Nigel Mansell, o pole e companheiro de Damon na Williams, que foi engolido pelos concorrentes ao título logo na largada. O veterano também foi superado por Mika Häkkinen e Rubens Barrichello. O líder do campeonato assumiu a primeira posição antes da primeira curva, seguido pelo vice-líder.
Michael Schumacher e Damon Hill (Foto: F1)
20 anos depois, Mansell revelou em entrevista à Autosport que foi instruído a largar mal propositalmente, para beneficiar o companheiro de equipe Hill e não se intrometer na disputa pelo campeonato.
 
"Foi dito para mim de todas as formas: 'Você não será parte da corrida, não largue bem, assista e não interfira'. Então, eu deliberadamente não larguei bem, apenas fiquei ali e assisti", disse Mansell.
 
Schumacher e Hill começaram com uma corrida à parte do restante do grid. Com tamanha superioridade, o terceiro colocado Häkkinen já aparecia 20 segundos atrás dos líderes com menos de 15 voltas completadas. Os dois vieram aos boxes na volta 18, e voltaram ainda mais colados. Na disputa pelo terceiro posto, quase 50s atrás dos líderes, Mansell superou Barrichello e Häkkinen.
 
O momento decisivo do campeonato aconteceu na volta 36. Schumacher errou na curva 5 e escapou, batendo de leve no muro. Hill viu a oportunidade de assumir a liderança e tentou colocar por dentro na curva 6. O alemão não deu espaço e os dois acabaram se chocando. 
 
A Benneton levantou e parou no muro. Hill trouxe o carro aos boxes, mas o dano em um dos braços da suspensão dianteira esquerda era terminal, e ele não conseguiu retornar para a corrida. Bastaria um quinto lugar para o inglês levar um improvável título. Os mecânicos da equipe comemoravam o título, enquanto Schumacher mudou a expressão facial de preocupação para felicidade.
 
Sem os dois principais pilotos do campeonato na prova, a vitória caiu no colo de Nigel Mansell, que era o terceiro. O campeão mundial de 1992 cruzou a linha de chegada pela última vez na carreira, aos 41 anos e 3 meses de idade. Mansell se tornou o sétimo piloto mais velho da história a vencer uma corrida.
Nigel Mansell (Foto: Williams/F1)
Mesmo com a vitória, que viria a ser a última da carreira, Mansell revelou que não ficou feliz com o triunfo, já que toda a sua torcida era para o título do companheiro Damon, especialmente pelos acontecimentos de 1986, quando Nigel estava próximo da conquista em Adelaide e teve um pneu estourado com poucas voltas para o fim.
 
"Foi interessante e frustrante ver tudo se resolvendo na minha frente. Eu estava gritando para o Damon dentro do meu capacete: 'Não seja otário, não faça isso'. Ele tinha um carro muito bom, eu sabia o quão rápido eu estava apenas ali atrás. E o inevitável aconteceu, o melhor a dizer é que não tenho comentários", comentou Mansell.
Michael Schumacher celebra primeiro título mundial (Foto: Reprodução)
"É até engraçado. As pessoas acham que eu fiquei feliz, mas fiquei chateado. Puto e chateado. Não estava prestando atenção no carro, porque sai da pista na curva seguinte e danifiquei o assoalho. Eu estava apenas enfurecido. Queria o Damon campeão mundial. Queria a Williams ganhando o campeonato, e precisei de várias voltas para juntar o que estava pensando”, citou. “Austrália sempre me trouxe memórias malucas com a perda do campeonato lá. Precisei juntar os cacos, porque tinha Gerhard [Berger] me perseguindo feito um louco", completou.
 
Berger, da Ferrari, foi o segundo colocado após largar de 11º. Martin Brundle, da McLaren,  em grande recuperação no fim, fechou o pódio em Adelaide. Rubens Barrichello foi o quinto colocado.
 
Apesar do triunfo na etapa final do ano, a Williams não quis renovar o contrato de Mansell, optando por David Coulthard. O inglês assinou contrato com a McLaren em 1995, mas fez apenas duas corridas em San Marino e Espanha, sem somar pontos. Vale lembrar que o piloto não cabia no MP4/10 no início do ano, e precisou ser substituído por Mark Blundell nas corridas do Brasil e Argentina.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar