Newgarden admite desejo de andar na F1, mas vê americanos “um pouco menosprezados”

O atual campeão da Indy falou sobre o começo da carreira na Europa e o desejo que ainda tem de guiar na F1, mas alertou que pilotos dos Estados Unidos sofrem com olhares de desconfiança

Josef Newgarden construiu uma carreira de respeito. Aos 29 anos de idade, o piloto dos Estados Unidos conseguiu chamar a atenção na Indy em tempos da junção das equipes de Sarah Fisher e Ed Carpenter, subiu para a poderosa Penske e conquistou dois títulos da categoria. Mesmo assim, ainda existe uma chama pela Fórmula 1, que é atenuada pelo fato de ver a categoria de alma europeia tomada por um menosprezo aos pilotos estadunideses como ele. 
 
Na realidade, Newgarden sempre teve interesse no que acontecia na Europa. Ele foi para a F3 Inglesa em 2009, ainda adolescente, e chegou a ser vice-campeão. No ano seguinte, na antiga GP3 – hoje F3 -, andou com um carro problemático, sem dinheiro e não impressionou. Sem ter como gastar mais, retornou aos EUA, onde foi campeão da Indy Lights em 2011. 
 
Em entrevista ao jornal 'The New York Times', Newgarden admitiu que era o desejo original dele, a F1, e que ainda gostaria de ter uma chance. Entretanto, as oportunidades para quem é do universo do automobilismo do lado de cá do Oceano Atlântico são escassas.
Josef Newgarden (Foto: Indycar)
"Quando eu tinha 17 anos, fui para a Europa. Queria ficar por lá e tentar a F1. Até fui bem, mas fiquei sem dinheiro depois do segundo ano", lembrou.
 
"Eu gostaria de andar [na F1]. Mas hoje em dia é meio difícil para os americanos. Existe uma bolha da F1 na Europa. Sendo honesto, eles menosprezam um pouco os americanos por lá. É bobo", seguiu. 
 
O piloto reiterou que há compatriotas com capacidade de andar na F1, que atualmente não conta com qualquer piloto do país. 
 
"Há talentos americanos que, com o carro certo no momento correto, poderiam conquistar campeonatos sem problemas. A F1 é muito brilhante e glamourosa, mas se você não estiver numa Ferrari ou Mercedes, nem precisa aparecer. Há zero chance de ganhar corridas. É desmoralizante", encerrou.
 
As temporadas da F1 e da Indy de Newgarden começam no próximo fim de semana, respectivamente com os GPs da Austrália e de São Petersburgo.

Paddockast #51
QUEM VENCEU DRIVE TO SURVIVE 2

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube