Parceira da Red Bull, Aston Martin já é alvo de equipes para fornecimento de motores a partir de 2021, diz revista

A Aston Martin já se disse bastante interessada no novo regulamento de motores da F1, que deve entrar em vigor a partir de 2021, e agora a marca já foi contatada por um grupo de equipes do grid para um possível fornecimento de unidades de potência, de acordo com informações da revista inglesa ‘Autosport’

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Aston Martin, atualmente patrocinadora principal da Red Bull, foi sondada por um grupo de equipes da F1 sobre a possibilidade de fornecimento de motor a partir de 2021. A informação é da revista inglesa 'Autosport'. A fabricante britânica vem demonstrando nos últimos meses um grande interesse no novo regulamento de motores do Mundial, que tem como objetivo reduzir os custos de produção e controlar melhor o desenvolvimento.

 
Presidente e diretor-executivo da marca, Andy Palmer admitiu que se sente encorajado a tentar entrar no campeonato devido à nova direção quanto às unidades de potência. E o trabalho neste sentido já começou: a Aston Martin contratou recentemente dois engenheiros vindos da Ferrari, Joerg Ross e Luca Marmorini, para desenvolver um possível projeto na F1.
Andy Palmer festeja a nova parceria ao lado de Christian Horner (Foto: Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A Red Bull, então, aparece como candidata mais óbvia para se tornar cliente da marca, tendo em conta o envolvimento comercial e técnico entre as duas empresas. Só que, por outro lado, a equipe austríaca também acompanha de perto o desenvolvimento da Honda, que agora vai equipar os carros da caçula Honda. Por isso, de acordo com a publicação inglesa, outras equipes independentes do grid entraram em contato com a Aston Martin sobre parcerias. Entende-se que a fabricante pode servir até mais do que duas equipes.

 
"Eu tenho alguns números importantes em termos de custos e preço", afirmou Palmer à 'Autosport'. "Com todas essas coisas na F1, você deve levar em conta alguns dados intangíveis, porque estamos falando de retorno de marketing e não necessariamente de retorno físico. O retorno de marketing, espero, se transforme em carros vendidos, porque é por isso que estamos fazendo isso. Ou seja, é uma forma de semear o solo para quando lançarmos o  Valkyrie, que vai competir com a Ferrari 488."
 
"Trata-se de criar credibilidade para quando formos competir de igual para igual com a Ferrari, Lamborghini e McLaren nas ruas. De qualquer forma, o momento para 2021 em termos de regulamento na F1 funciona muito bem, porque é também o prazo que temos para colocar esse carro na estrada", concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube