Pérez põe confiabilidade como ponto mais forte da Force India e vê melhor relação com Ocon como crucial para garantir top-4

Sergio Pérez até reconheceu que a Force India demorou um pouco para engrenar em 2017, mas que agora está consolidada no top-4. E credita o melhor momento da equipe indiana à excelente confiabilidade do carro e à melhor relação com Esteban Ocon, após os incidentes entre os dois na primeira parte da temporada

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Perto de seu GP caseiro, que acontece já na próxima semana, Sergio Pérez também vê a corrida em Austin como “um aquecimento” para a disputa diante de seus compatriotas. São muitos torcedores mexicanos no Circuito das Américas e o objetivo de ‘Checo’, claro, é tentar marcar o máximo de pontos possíveis, com o propósito de fortalecer a equipe indiana no posto de quarta força do Mundial. Pérez acha que é possível a time fazer um bom papel, portanto.

 
A Force India ocupa o quarto posto no Mundial de Construtores desde o ano passado e está muito perto de garantir mais uma vez o mesmo resultado neste ano. Na tabela, são 81 pontos de vantagem para a Williams, que segue em quinto. Sergio até reconheceu que a esquadra enfrentou um início difícil de ano, em que chegou a ter “um dos carros mais lentos” do grid, mas que o trabalho bem feito ao longo dos meses deu ao time não só um bólido rápido, mas também que não quebra. 
 
“Hoje, nós parecemos muito fortes, sólidos na quarta colocação. Só que cho que não fomos a quarta força em todas as corridas, especialmente no início. Nas primeiras duas ou três corridas, nós tínhamos um dos carros mais lentos, mas conseguimos administrar isso e focar no desenvolvimento dos pontos corretos. Acho que uma das nossas forças é a confiabilidade, especialmente se você comparar com a Renault ou outra equipe que tenha um ritmo parecido com o nosso. Por isso, acho que o nosso time fez um grande trabalho neste ponto. Só que sempre queremos mais”, disse aos jornalistas em Austin, em entrevista também acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO.
Esteban Ocon e Sergio Pérez, uma das duplas mais forte do grid (Foto: Force India)
“Acho que fomos muito fortes em Suzuka e não vejo razão para não sermos aqui também”, garantiu.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Só que além da confiabilidade, Pérez acha que a melhor relação com o companheiro Esteban Ocon também é um dos segredos para força da equipe. Os dois, na verdade, viveram momentos tensos ao longo de 2017 e marcado por discussões, polêmicas e acidentes. No Canadá, Sergio não deixou Ocon passar e ambos perderam a chance de pódio. Já em Baku, um acidente acabou novamente com as chances e um novo toque, agora em Spa, também prejudicou a convivência entre ambos.
 
Ou seja, foram dias de má relação, mas que agora fazem parte do passado. É o que assegura o mexicano. Ao falar do companheiro de equipe, Sergio antes fez uma análise sobre as primeiras temporadas de um novato na F1. “Quando você entra aqui, chega com muita ambição. Você praticamente trabalha a sua vida inteira por isso aqui. Mas às vezes é uma falha não entender o esporte como um todo. A dinâmica que envolve a F1. Nas categorias de base, você trabalha para conseguir os melhores resultados possíveis para você. Mas, quando vem para a F1, você é um funcionário de uma equipe. Trabalha por uma equipe e tem de trabalhar com seu companheiro de equipe. É claro que você quer vencê-lo, mas é preciso pensar que você está em uma equipe. Então, são muitas coisas em jogo, é o prêmio em dinheiro para a equipe. É importante. Mas isso você entende com o tempo.” 
 
Questionado pelo GRANDE PRÊMIO se houve uma mudança na maneira de lidar com Ocon, Sergio é claro e admite que sim, mas que a Force India também precisou interferir. “Eu mudei a forma como lidar com ele e a equipe também se envolveu nesse processo. Tudo está muito resolvido neste momento”, disse.
 
“Já faz algum tempo que não temos um incidente. Não é segredo algum que a nossa relação ficou ruim desde então. Mas aí conseguimos administrar isso e melhoramos. Agora estamos trabalhando melhor, com o objetivo de garantir à equipe a quarta colocação no Mundial. É importante. Se conseguimos fechar o campeonato no México, será uma enorme conquista. Mesmo que não tenhamos melhorado a nossa posição com relação ao ano passado, não podemos tirar nada dessa equipe. A Force India está em uma grande temporada, batendo equipes que tem o dobro ou o triplo de orçamento”, encerrou.

Os primeiros treinos livres do GP dos EUA acontecem nesta sexta-feira. O primeiro tem início às 13h (de Brasília), enquanto o segundo começa a partir das 17h. O GRANDE PRÊMIO cobre a etapa texana da F1 ‘in loco’ e AO VIVO e em TEMPO REAL.  

RITMO DE FESTA

PADDOCK GP CHEGA À EDIÇÃO 100 COM HISTÓRIAS IMPERDÍVEIS DE EDGARD MELLO FILHO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube