Petrobras espera homologar gasolina para Williams ainda em 2015 e descarta impacto da Lava-Jato no automobilismo

A Petrobras acredita que a vantagem que a Petronas tem no desenvolvimento de combustíveis por sua relação com a Mercedes se dá apenas pelo fato de a relação ter começado mais cedo. Empresa brasileira tem acordo com a Williams para fornecer produtos e espera homologar sua gasolina ainda neste ano

Ainda desenvolvendo sua gasolina para fornecer a Williams na F1, a Petrobras espera ter um produto apto a ser usado na categoria o mais cedo possível, conseguindo homologá-lo ainda em 2015.
 
Parceira da equipe inglesa entre 1997 e 2008, a empresa brasileira retomou a ligação com a Williams em fevereiro no ano passado. Desde então, teve início uma relação de patrocínio e também uma relação técnica. No GP da Itália, os carros da Williams passaram a usar o óleo de câmbio brasileiro. Enquanto isso, a empresa segue trabalhando em sua nova gasolina e também em óleo de motor. A ideia era tê-la pronta já para a temporada 2015, mas ela ainda não é usada na F1.
 
Com a introdução dos motores V6 turbo em 2014, o desenvolvimento do combustível voltou a ser uma área em que é possível obter alguma vantagem sobre a concorrência com base na eficiência. O próprio Pat Symonds, diretor-técnico da Williams, já comentou isso.
Petrobras, Rexona, Martini, as patrocinadoras da Williams (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Para tal, as fornecedoras de motores possuem ligações muito íntimas com firmas do ramo, como a Mercedes com a Petronas e a McLaren com a Mobil. No caso da Williams, que usa unidades de força da Mercedes, a ‘concorrência interna’ é com a malaia Petronas, que, para a Petrobras, está em vantagem neste momento por ter começado antes a desenvolver seu produto.
 
“Na F1, a gente assinou o contrato em fevereiro do ano passado, então foram feitas as primeiras reuniões com o fornecedor de motores, acertado o processo de desenvolvimento, e a gente tem uma expectativa de ao longo deste ano homologar o combustível”, declarou ao GRANDE PRÊMIO Thiago Luz, da gerência de patrocínios esportivos da Petrobras, durante a etapa da Stock Car em Brasília — a empresa também retomou o fornecimento à categoria nacional. “Não posso precisar uma data, porque ainda depende de testes que não estão sob o controle do Petrobras. A gente tem o controle da produção, e a homologação é com a Mercedes, que é a fornecedora de motores.”
 
“Não acredito que haja um favorecimento [à Petronas]”, minimizou. “O que ocorre é um desenvolvimento conjunto, principalmente quando ocorre uma ruptura tecnológica quando como rompe dos V8 para os V6, é um processo novo. E como a Petronas e a Mercedes começaram isso há três anos e a Petrobras está há um ano, existe também um gap, um atraso em relação a isso em função do tempo de desenvolvimento, não um favorecimento. Então a gente está em um ritmo normal para o desenvolvimento. Claro que, se tivesse começado junto, também já teria homologado. Mas isso também é um processo que a gente está trabalhando duro para que o mais próximo possível possa iniciar o fornecimento, e também do óleo de câmbio e do óleo de motor.”
 
Neste ano, a Petrobras ainda retomou o fornecimento de gasolina à Stock Car, onde entrega às equipes a mesma gasolina Podium que é vendida nos postos. “No caso da F1, é uma gasolina bastante diferente”, explicou Thiago. “Mas você tem o ganho do know-how tecnológico.”
 
“A própria Podium, no primeiro período em que a gente esteve com a Williams, nasceu neste período. Você desenvolve modelos computadorizados, de simulação, e conforme as características que você quer, consegue ter uma noção de componentes, procedimentos e matéria-prima para chegar a uma gasolina comercial. A Podium é o maior exemplo disso”, destacou.
 
Por fim, Luz também descartou que as investigações da Operação Lava-Jato, que têm dominado o noticiário de política e economia nos últimos meses, tenha impacto no projeto de automobilismo da empresa. Segundo ele, trata-se de uma atividade muito técnica que fica isolada deste processo.
 
“Não tem influência direta. Claro que a gente sabe o processo que a empresa está passando, mas o nosso trabalho no dia a dia continua. A gente faz um trabalho muito técnico e esses outros fatores a gente deixa a cargo de quem tem que cuidar”, falou.
 
ACERTOU NA MOSCA

33 CARROS, 66 PILOTOS. 25 títulos da Stock Car na pista, 14 ex-pilotos da F1 e, dentre eles, um campeão. Estrelas de campeonatos de turismo e endurance ao redor do mundo. Prost e Senna companheiros de equipe outra vez no grid. Uma corrida bem disputada no domingo de manhã. Mais uma vez, a Stock Car deu a largada para a temporada com o pé direito. Não há dúvidas disso, depois da segunda edição da Corrida de Duplas em Goiânia. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube