Poles de Verstappen e de Pol Espargaró encerram tabu de 16 anos da Honda

As poles de Max Verstappen e Pol Espargaró representaram algo inédito para a Honda: a montadora foi a mais rápida na F1 e na MotoGP, algo que não acontecia desde 2005

Assista aos melhores momentos do GP da Bélgica deste domingo (Vìdeo: GRANDE PRÊMIO com Reuters)
▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Por vezes distantes, Fórmula 1 e MotoGP ficaram ligadas neste fim de semana por um elo: a Honda. A montadora japonesa sorriu com os desempenhos de seus motores nas sessões classificatórias das duas categorias. Afinal, Max Verstappen, que guia o carro da Red Bull empurrado pela unidade motriz construída em Sakura, anotou a pole-position para o GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps. Já Pol Espargaró, no GP da Grã-Bretanha, em Silverstone, deu à Honda a posição de honra no grid da corrida no último sábado.

Essa comunhão de poles num mesmo fim de semana não vinha para a fábrica japonesa desde 2005. Foi há 16 anos, quando Jenson Button conquistou pela BAR o primeiro lugar no grid para o GP do Canadá, vencido por Kimi Räikkönen, à época na McLaren. No mesmo 11 de junho de 2005, Sete Gibernau conquistou a pole do GP da Catalunha, vencido por Valentino Rossi.

Pol Espargaró conquistou sua primeira pole-position pela Honda na MotoGP (Foto: Repsol)

De volta ao presente, Espargaró, que vem de uma primeira temporada complicada pela Honda em 2021, comemorou muito a primeira pole-position conquistada com a equipe japonesa, e definiu o feito como “uma vitória”.

“Nós estávamos comemorando como uma vitória. Para mim, é mais do que isso. Ok, a corrida é só amanhã, quando ganhamos os pontos, mas isso é um grande passo para mim. Não só neste ano, mas em toda minha carreira. Conseguir a pole-position já é como uma vitória nesta temporada complicada”, disse Pol.

Max Verstappen, mais acostumado ao sucesso em 2021, foi mais discreto. O holandês salientou a dificuldade que teve para tirar a posição das mãos de George Russell no chuvoso classificatório do GP da Bélgica. “Foi uma classificação muito complicada. É difícil controlar o carro e os pneus na pista com essas condições. Não foi fácil, ainda mais depois da bandeira vermelha entre o Q3, mas ganhamos a pole e isso é o mais importante”, disse.

No domingo, porém, a ‘dobradinha’ não se repetiu. Verstappen foi declarado vencedor da não-corrida em Spa-Francorchamps, enquanto Espargaró ficou em quinto em prova vencida por Fabio Quartararo, da Yamaha, em Silverstone.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar