Presidente da FIA se esquiva de polêmicas do regulamento e pede “menos controvérsia”

Jean Todt, presidente da FIA, comentou que não gostaria de se envolver em controvérsias e polêmicas em seu fim de mandato. O dirigente refletiu sobre o momento intenso nos bastidores da Fórmula 1

Verstappen arrisca na estratégia e bate Hamilton: os melhores momentos do GP da França (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Em seus últimos meses como presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Jean Todt não quer se envolver em polêmicas. Em meio a controvérsias, reclamações e burburinhos surgindo na temporada da Fórmula 1, o mandatário máximo da principal entidade do automobilismo mundial quer finalizar sua administração de forma tranquila.

Após recentes polêmicas estourarem na Fórmula 1, tais quais os estouros de pneus no GP do Azerbaijão e a polêmica das asas flexíveis da Red Bull, Todt logo tratou de se esquivar dos problemas e garantir que não é incumbência dele fiscalizar o cumprimento do regulamento da categoria, mas sim de manter o esporte a motor unido e em progresso.

“Mais competição significa mais controvérsia”, ponderou Todt. “Esse é nosso mundo. Provavelmente prefiro menos controvérsia em nosso esporte. Mas essa não é a natureza dele. Honestamente, tenho tentado evitar polêmicas e fazer o máximo para que as pessoas se aproximem. Isso vai ao encontro do que disse no último ano sobre a Covid-19, entre as coisas boas que ela trouxe, foi a possibilidade de manter todos juntos trabalhando na mesma direção”, disse o mandatário em entrevista veiculada pelo site RaceFans.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

WEB STORIES: A classificação da Fórmula 1 depois do GP da França

MAX VERSTAPPEN; RED BULL; ACIDENTE; BAKU;
Verstappen chuta pneu furado que lhe tirou vitória certa no Azerbaijão (Foto: AFP)

“Existe muita tensão, muita competitividade. Só que, de novo, é a natureza do esporte. Então, você tem uma controvérsia sobre a flexibilidade da asa, sobre a pressão dos pneus, sobre tudo, e poderia ir além. O que realmente quero é ter um bom mandato e acima de tudo ter ética e boa aceitação em nosso esporte”, seguiu o mandatário da FIA.

“É difícil, porque interpretar os regulamentos, perceber o limite entre o que é permitido e o que não é não é meu trabalho. Ele é garantir que tenhamos as melhores pessoas. Claramente, reforçamos drasticamente nossa equipe, como vocês sabem”, comentou.

Na entrevista, Todt voltou a afirmar sua posição e a vontade de se manter longe de polêmicas e de questões relacionadas ao regulamento da Fórmula 1, tendo inclusive, citado a criação de uma nova diretiva técnica para evitar que novas polêmicas relacionadas ao uso de pneus aconteçam.

“Infelizmente tivemos episódios importantes. Não sei se vocês sabem, mas temos o que chamamos de ‘comitê técnico esportivo’, pois odeio estar na posição de ser o cara a falar o que pode e o que não pode ser feito, seria ruim para todo mundo. Então temos um comitê, que nos ajuda no mandato com o que precisamos. Então é isso que precisamos fazer, com mais competitividade, mais possibilidades de interpretação. Então temos de ser muito, muito rígidos em atingir essa excelência”, afirmou.

“Fiquei muitíssimo preocupado com isso. Não estava em Baku e, assim que aconteceu, liguei para nosso pessoal e liguei para o chefe da Pirelli, Mario Isola, conversei com ele muitas vezes. Meu primeiro pensamento foi relacionado aos destroços na pista, o que não foi o caso. Parecia ser também pelo uso dos pneus. Então produzimos, o que chamamos de nova diretiva técnica, para garantir que as equipes usem os pneus da mesma forma”, concluiu o presidente da FIA.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar