Prost lembra circunstâncias do acidente de Bianchi no Japão e aponta erros: “Sei que a investigação da FIA parece outra coisa”

Tetracampeão da F1, Alain Prost relembrou as circunstâncias do acidente de Jules Bianchi em Suzuka e foi categórico ao dizer que a direção de prova errou ao colocar um guindaste na pista sem a intervenção do safety-car. Investigação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) isentou a presença do veículo na área de escape e deixou a responsabilidade do acidente nas mãos do piloto da Marussia

A morte de Jules Bianchi na última sexta-feira (17) em decorrência da grave colisão sofrida no GP do Japão do ano passado reascendeu o debate sobre as circunstâncias do acidente. O jovem francês faleceu pouco mais de nove meses após colidir com um guindaste na curva 7 de Suzuka.
 
Na volta 43 da corrida de outubro passado, Bianchi perdeu o controle na curva 7 e acertou em cheio o guindaste que tinha entrado na área de escape para remover o carro de Adrian Sutil, que tinha batido no giro anterior. Socorrido ainda na pista, Jules foi levado ao hospital e submetido a uma cirurgia de cerca de 4 horas. Um boletim médico divulgado pela Marussia dois dias depois da batida informou que o piloto de 25 anos sofreu uma lesão axonal difusa, que é uma lesão ampla e devastadora e que, em mais de 90% dos casos, deixa suas vítimas em coma definitivo.
Alain Prost foi categórico ao dizer que o safety-car deveria ter sido acionado quando o guindaste entrou na pista (Foto: Reuters)
Sete semanas após o acidente, Jules foi transferido para um hospital em Nice, na França, onde permaneceu inconsciente até o fim.
 
Tetracampeão da F1, Alain Prost foi na contramão da apatia dos demais pilotos e declarou que erros cometidos naquele domingo resultaram na morte de Bianchi. O francês foi categórico ao dizer que a direção de prova não poderia ter permitido a entrada de um guindaste na área de escape sem a intervenção do safety-car.
 
“Digo agora o que já disse após o acidente, uma vez que não mudei de opinião”, afirmou Prost a TV digital francesa I-Tele. “Acho que é necessário falar sobre alguns pequenos erros de cálculo da situação, com consequências que pagamos muito caro”, seguiu.
 
Após o acidente de Bianchi, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) reuniu uma comissão de notáveis para investigar o que aconteceu em Suzuka. Após o estudo, os especialistas concluíram que o piloto falhou ao não reduzir o suficiente a velocidade ao contornar a curva 7 e minimizaram a presença de um trator na área de escape sem que o carro de segurança fosse acionado.
 
O grupo, presidido por Peter Wright e que contava com mais nove pessoas, dentre elas o bicampeão Emerson Fittipaldi e os ex-dirigentes da Ferrari Ross Brawn e Stefano Domenicali, constatou que se Bianchi tivesse tirado o pé, não teria perdido o controle do carro. Também foi apontada uma falha nos sistemas de segurança da Marussia, embora ela não tenha sido determinante para o que ocorreu.
 
“Nós estamos falando de um acidente em uma chuva torrencial e com muito baixa visibilidade. Era necessário acionar o safety-car para neutralizar a corrida antes de permitir que aquele guindaste entrasse na pista”, defendeu Alain. “Aquilo foi um erro. Sei que a investigação da FIA parece outra coisa”, comentou.
 
 “Muito foi feito pela segurança nas pistas, o que nós podemos ver pelo fato de não termos tido acidentes fatais nos últimos 25 anos”, completou.
 
Também ex-piloto da F1, Patrick Tambay disse à rádio francesa RMC que erros foram cometidos no dia do acidente de Bianchi.
 
“Essas questões sobre as circunstâncias do acidente devem reaparecer uma vez que as emoções passarem”, avaliou. “Mas a F1 é assim, com os pilotos fazendo suas corridas o mais rápido que podem, como está em seus genes. O timing não foi favorável e alguns erros foram cometidos”, reconheceu.
#GALERIA(5099)
“Mas é inútil discutir isso agora. Hoje eu quero lembrar dele e pensar apenas na perda”, completou.
 
Tricampeão da F1, Niki Lauda apontou melhora na segurança nas últimas duas décadas, mas classificou como “milagre” que nenhum piloto titular tenha morrido na F1 desde Ayrton Senna. O intervalo entre as mortes do brasileiro e de Bianchi foi de 21 anos.
 
“Neste momento triste, não devemos esquecer a coisa mais importante”, disse Lauda ao jornal alemão ‘Bild’. “É um milagre — e eu sublinho, um milagre — que nos últimos 21 anos nada assim tenha acontecido”, avaliou.
 
“Você pode ver o quanto foi feito pela segurança, mas, no fim, são 20 carros guinando a velocidades de até 340 km/h”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube