“Queria ter nascido nos anos 1940”: sem Haas, Magnussen admite fim da linha na F1

O final da passagem pela Fórmula 1 ao fim de 2021 é realidade, mas, caso encontrasse um gênio da lâmpada, Magnussen pediria para viver anos mais diferentes

Kevin Magnussen está de saída da Haas. A equipe já anunciou publicamente que não ficará com ele ou Romain Grosjean para 2021, embora ainda não tenha oficializado quem serão seus novos pilotos. Apesar da Haas ter adiantado a definição de que não renovará com os pilotos para que ambos tenham tempo de encontrar soluções para a carreira, Magnussen se depara com uma realidade melancólica e inevitável: está no fim da linha na Fórmula 1.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Stroll fatura pole inacreditável em classificação louca na Turquia

No paddock da Turquia, Kevin foi claro: as únicas chances de permanecer na F1 exigem bastante dinheiro em retorno. Dinheiro, esse, que ele não tem. Nunca teve, na realidade, visto que chegou ao grid como pupilo da McLaren e foi contratado com créditos por Renault e Haas.

Aos 28 anos, sabe que sua história na F1 é, agora, definitiva. A carreira que começou promissora terminou com aquele pódio na Austrália, corrida de estreia na F1, como momento mais brilhante.

“Tenho oportunidades de ficar na F1, mas isso só com grande patrocínio. E eu não tenho nada disso, então parece que acabou para mim”, afirmou em entrevista à rede de TV inglesa Sky Sports.

Magnussen gostaria de correr com seus ídolos, nos anos 1950, 60 ou 70 (Foto: Haas)

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

“Não alcancei o que eu queria. Tinha sonhos grandes de vencer corridas e me tornar campeão mundial, mas me arrependo de alguma coisa? Na verdade, não”, seguiu.

Filho de piloto, Magnussen é fanático de carteirinha pela F1 desde sempre, mas seus ídolos não são os nomes dos anos 2000, 1990 ou até os caras que brilharam na década de 1980. São os pilotos das primeiras três décadas da F1 que encantam e com quem Kevin gostaria de ter dividido as pistas.

“Sou um grande fã da F1 e meus heróis das corridas são todos pessoas dos anos 1950, 60 e 70. Se eu tivesse um desejo a ser concedido, definitivamente gostaria de ter nascido nos anos 1950 ou até nos 1940”, finalizou.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube