Red Bull apela para que F1 faça concessões na regra dos motores e permita recuperação de Honda e Renault

Christian Horner, chefe da Red Bull e um dos mais calorosos defensores do relaxamento das regras dos motores, afirmou que não acredita que a F1 possa conviver com duas de suas fornecedoras de unidades de força, Honda e Renault, tão longe da Mercedes e da competição

A F1 deve dar um jeito para permitir que Renault e Honda consigam ser ao menos competitivas frente aos motores de Mercedes e Ferrari. A afirmação é do chefe da Red Bull, Christian Horner, um dos mais calorosos defensores do relaxamento das regras de motores, após o GP da Áustria.
 
Horner começou a explanação se defendendo das afirmações de que está reclamando demais e elogiou a Mercedes, mas logo voltou ao assunto. Segundo ele, a F1 não tem condição de ver duas das suas fornecedoras de motor longe de competir.
 
"Eu acho que precisamos analisar, com certeza. Não me entenda errado, muitas vezes acham que eu estou chorando e reclamando da Mercedes, mas eles fizeram um trabalho incrível. Interpretaram as regras e trabalharam melhor que todos os outros. O problema é totalmente fora de forma com a qual as outras equipes estão", disse.
Christian Horner (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
"Precisamos que Renault e Honda estejam em alto nível para que outros times possam competir. Não creio que a F1 possa deixar Honda e Renault na situação em que estão. Temos o novo presidente da Honda aqui na Áustria, e não acho que mostraram um grande show a ele", seguiu.
 
"E para a Renault, de novo não mostrou grande encorajamento para que eles se comprometam ao esporte no futuro quando as punições que estão sendo impostas, o envergonhamento público que é quando os motores falham desta forma", encerrou.
 
Em 2008, a Renault ganhou permissão da FIA para modificar seu motor após um começo de temporada com problemas de desempenho. Hoje, a concessão às duas seriam dadas por meio de um número maior de fichas de desenvolvimento.
 
Neste domingo (21), em Spielberg, a Red Bull sofreu com punições por causa dos motores e marcou apenas um ponto com Daniel Ricciardo. Daniil Kvyat foi 12º colocado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube