E se a Fórmula 1 tivesse uma Black Friday?
Assédio na F1: mulheres sofrem para ver Hamilton x Verstappen
Hamilton x Verstappen: quem é o favorito?
Como estão as disputas internas em classificação e corrida na F1 2021
Fórmula 1

Red Bull contra-ataca e pede que FIA verifique asa dianteira da Mercedes

Assim como dentro da pista, nos bastidores a batalha entre Red Bull e Mercedes esquenta ainda mais. Depois de ter sido questionada pela rival sobre uma eventual flexibilidade além do permitido das suas asas traseiras, a equipe taurina quer que a FIA também analise com maior profundidade o mecanismo de funcionamento da asa dianteira do W12

A Red Bull contra-ataca a Mercedes e pede à FIA clareza sobre a asa dianteira do W12 (Foto: Mercedes)

A Red Bull contra-ataca a Mercedes e pede à FIA clareza sobre a asa dianteira do W12 (Foto: Mercedes)

Verstappen arrisca na estratégia e bate Hamilton: os melhores momentos do GP da França (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

O fim de semana do GP da França de Fórmula 1 parecia ser o desfecho da polêmica sobre as asas flexíveis depois que FIA (Federação Internacional de Automobilismo) aumentou a rigidez dos testes depois de queixas da Mercedes sobretudo quanto aos elementos aerodinâmicos dos carros da Red Bull. Mas um novo capítulo do embate entre as duas protagonistas do grid nos bastidores nesta temporada se inicia às vésperas do fim de semana do GP da Estíria. Isso porque agora é a escuderia taurina que cobra a FIA quanto a uma maior atenção e esclarecimentos sobre o mecanismo de funcionamento da asa dianteira dos carros da Mercedes.

A suspeita da Red Bull sobre uma maior flexibilidade das asas dianteiras do W12 já vem desde o GP da Espanha, quando a Mercedes levantou dúvidas sobre a asa traseira do RB16B. Fortalecida pelos últimos resultados e sobretudo pela melhor performance no GP da França, o primeiro depois da implementação da nova diretriz técnica que ampliou a rigidez dos testes, a Red Bull não apenas venceu, com Max Verstappen, mas garantiu outro lugar no pódio, com Sergio Pérez em terceiro.

OUÇA
PADDOCKAST #108: As ‘asas da discórdia’ na briga pelo título da Fórmula 1

A Red Bull pediu à FIA maior clareza sobre as asas dianteiras dos carros da Mercedes (Foto: Mercedes)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A Mercedes, por sua vez, amargou duro revés e se viu com a maior desvantagem para uma adversária no Mundial de Construtores desde o início da era híbrida, iniciada em 2014, justamente quando começou o período de dominância da equipe liderada por Toto Wolff.

Uma vez que os testes feitos pela FIA, mesmo antes da nova diretriz técnica, mas também depois da nova regulamentação, não detectaram nenhuma irregularidade em termos de flexão da asa traseira dos carros de Verstappen e Pérez, agora é a vez de a Red Bull contra-atacar a rival Mercedes.

“Chamamos a atenção da FIA para o fato de que eles deveriam verificar isso”, declarou Helmut Marko em entrevista ao site alemão F1-Insider. “Este é um procedimento completamente normal. Se você acha que outra equipe está abusando demais dos regulamentos e uma zona cinzenta está no vermelho, você tem de esclarecer isso”, declarou o consultor da Red Bull.

“Contamos com o veredito da FIA e com as medidas que o órgão diretivo tomar. Se houver esclarecimento, ficaremos satisfeitos”, comentou o ex-piloto austríaco.

Christian Horner, chefe da Red Bull, pediu à FIA que trate das asas dianteiras com a mesma rigidez que vem tratando desde o GP da França as asas traseiras. “Houve muitas filmagens no fim de semana. Confiamos que a FIA vai policiar essas coisas, e é claro que você não pode tratar a asa de forma isolada. Você tem de olhar para as asas dianteiras e traseiras e o que se aplica à traseira vai ser considerado aplicável à dianteira também”, cobrou.

Feliz com mais uma conquista da equipe e com o momento que atravessa a Red Bull, Horner rebateu as desconfianças da rival Mercedes e considerou que o resultado como um todo ao longo da temporada, reforçado por um fim de semana contundente no GP da França, mostra que a força da equipe de Milton Keynes não diz respeito apenas a um ou outro elemento aerodinâmico.

“Acho que isso apenas mostra que muitos comentários foram feitos nas últimas semanas com acusações. Mas cumprimos as regras. E a forma como reagimos, acho, mais uma vez, mostra a força e a profundidade que o nosso desempenho não se baseia na flexibilidade da asa traseira”, concluiu.

A Fórmula 1 volta a acelerar neste fim de semana com o GP da Estíria, prova que acontece no Red Bull Ring. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.