Red Bull quer assumir projeto da Honda, mas sob condição: congelamento de motores na F1

A Red Bull se vê capaz de preparar os motores desenvolvidos pela Honda, mas não de desenvolver por conta própria. O consultor Helmut Marko pede congelamento já para 2022

A Red Bull, ainda sem fornecedora de motor para além de 2021, trouxe informações importantes a respeito dos planos para o futuro. O consultor Helmut Marko abriu o jogo e disse preferir assumir as unidades de potência da Honda, transformando os taurinos em equipe independente. Isso, entretanto, vem com uma condição: que a Fórmula 1 aplique um congelamento no desenvolvimento de unidades de potência já em 2022.

A explicação de Marko é que a Red Bull tem condições de assumir as unidades de potência desenvolvidas pela Honda até o fim de 2021. Só que a incapacidade de seguir melhorando as peças por conta própria criaria enorme desvantagem contra Mercedes, Ferrari e Renault, que não têm tal problema.

“Esse é um assunto muito complexo, tão complexo quanto os motores”, disse Marko, entrevistado pela TV alemã Sport1. “Caso as conversas com a Honda sejam positivas, a gente prefere assumir os direitos e tudo que for necessário para preparar os motores nós mesmos em Milton Keynes. Só que isso só é possível sob a condição de que os motores sejam congelados mais tardar na primeira corrida de 2022. Não temos condições técnicas ou financeiras de seguir o desenvolvimento. Isso é um pré-requisito”, destacou.

Helmut Marko busca solução para a saída da Honda (Foto: Red Bull Content Pool/Getty Images)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

ESPECIAL: As 91 vitórias de Lewis Hamilton na Fórmula 1

Marko não detalhou até quando seria necessário um congelamento de motores para a Red Bull topar o preparo por conta própria. É possível, entretanto, que seja uma proposta de médio prazo: a F1 só pretende rever a configuração de motor em 2026, talvez abandonando os atuais V6 Turbo.

Uma parceria com Mercedes, Ferrari ou Renault ainda não foi descartada, mas é vista como indesejada. É que a Red Bull deixaria de ser o centro das atenções no desenvolvimento do motor.

“Todas as fornecedoras de motor estão com suas próprias equipes, o que significa que eles desenvolvem o motor pensando em seus respectivos chassis. A gente teria de adaptar nosso chassi, sendo confrontados com uma solução técnica que não aceitaríamos. É por isso que queremos a solução da Honda. Mesmo assim, estamos explorando todas as possibilidade. O regulamento da FIA diz que cada fornecedora de motor se compromete a fornecer para outras equipes. Se essa é a possibilidade para nós, precisamos que sirva na nossa situação atual e nos torne competitivos. Um casamento feliz e forçado não é um problema para nós”, encerrou.

A Mercedes já disse que não quer fornecer motor para a Red Bull. A Renault não fechou as portas, mas tal solução implicaria na retomada de uma relação que terminou de forma turbulenta em 2018.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube