Reunião entre Grupo Técnico e FIA para discutir aumento das ultrapassagens na F1 termina sem sucesso

Conversas aconteceram neste sábado e, segundo o Motorsport, discussão sobre novas formas de promover as ultrapassagens nas corridas para a próxima temporada não são conclusivas.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Chefe de assuntos técnicos da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Nikolas Tombazis convocou uma reunião emergencial com o Grupo de Trabalho Técnico para discutir a falta de ultrapassagens entre os pilotos no GP da Austrália, etapa de abertura da temporada 2018 da Fórmula 1. O encontro aconteceu neste sábado (7), no Bahrein, mas nenhum decisão mais firme foi acordada durante a conversa entre a entidade máxima do esporte e as equipes. 

 
Confirmado nesta semana as propostas de mudanças da categoria em 2021, agora, uma equipe de engenheiros sob a responsabilidade de Pat Symonds, ex-Williams, vem trabalhado na busca de novos conceitos para aumentar a quantidade de ultrapassagens e a qualidade das corridas no biênio 2019-20. Mas há certa urgência em encontrar soluções para a deficiência técnica dos carros. 
 
De acordo com as informações do site americano 'Motorsport', dois principais pontos de discussão foram debatidos pelo Grupo de Trabalho Técnico da categoria: a introdução de uma  asa maior e mais alta, a ser utilizada com o objetivo de aumentar o DRS, e mudanças na asa dianteira dos carros, que devem facilitar o acompanhamento dos adversários à frente.
Pat Symonds lidera equipe de engenheiros que querem mudanças para a temporada 2019 (Foto: Divulgação)
Pesquisas indicaram que os elementos da asa dianteira, projetados para interagir ao redor das rodas dianteiras, criam um fluxo de ar que afetam negativamente o desempenho do carro. De acordo com o Grupo, a esperança é de que a simplificação da asa dianteira torne mais fácil para os pilotos seguirem o carro à frente.
 
Em entrevista à Sky F1, Ross Brawn afirmou que há algumas propostas para as equipes que serão apresentadas nos próximos dias, tendo em vista a temporada de 2019. Ele também explicou como as mudanças discutidas modificariam os carros para o ano que vem.
 
"Se você olhar para as asas dianteiras que temos agora, elas são maciçamente complexas, e o regime de fluxo ao redor da asa é incrivelmente complexo, o que a torna muito sensível o carro na frente. Então, ao simplificarmos as asas da frente, o carro vai seguir na direção certa. Tudo que foi feito nos últimos anos foi errado”, afirmou.
Ross Brawn não está nada feliz com o DRS e a falta de competitividade da F1 (Foto: Twitter)
No entanto, nenhuma das ideias sugeridas gerou muito apoio das equipes nas discussões deste sábado. Embora se reconheça que o DRS é uma maneira relativamente fácil de resolver o problema, o sistema permanece impopular entre os fãs, não é apreciado por Brawn e, por isso, houve um debate entre os representantes técnicos da FIA sobre se esse era mesmo o caminho certo a ser seguido. 
 
Em relação à ala dianteira, as equipes sentem que era tarde demais para começar a fazer mudanças tão significativas no pacote da temporada 2019, e que, de qualquer forma, mais pesquisas e outras opiniões eram necessárias. Também havia pouco apetite para um adiamento até 2020, o que significaria muito trabalho sendo feito para um pacote aerodinâmico que seria usado por apenas uma temporada, antes das mudanças no atacado para 2021. 
 
Em teoria, as mudanças técnicas para a próxima temporada precisam ser definidas e protocoladas até o próximo dia 30 de abril.
 
Curiosamente, quando as equipes foram convidadas a contribuir com dados para pesquisas futuras, a discussão se referia à licença de jardinagem e aos casos recentes envolvendo os funcionários da FIA, Marcin Budkowski e Laurent Mekies. 
 
O chamado 'acordo de cavalheiros' também deve se aplicar aos funcionários da Fórmula 1. Em suma, o assunto que surgiu hoje foi mais uma prova de que as equipes agora estão receosas de compartilhar muita informação com os adversários.
 
CEDO DEMAIS?

ALONSO ENTRA NO ‘MODO EMPOLGOU’ ANTES DO TEMPO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube