F1

Ricciardo compara ex-companheiros de equipe e aponta Verstappen “mais rápido” que Vettel na F1

Enquanto Sebastian Vettel é um dos sinônimos de excelência e experiência no grid, com quatro títulos conquistados, Max Verstappen é a jovialidade e a agressividade de um piloto já com cancha na F1, mas com apenas 21 anos. Daniel Ricciardo comparou dois dos seus últimos companheiros de equipe. Mesmo considerando o holandês mais rápido, sobraram elogios de Daniel a Vettel: “Ele segue sendo incrível”

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
No mundo do esporte a motor, é normal e até corriqueira a comparação entre dois ou mais pilotos. Daniel Ricciardo, hoje piloto da Renault, teve a chance de dividir os boxes com dois dos protagonistas da Fórmula 1 em tempos atuais. Em 2014, foi companheiro de equipe de Sebastian Vettel e inclusive superou o alemão no campeonato, na despedida do tetracampeão da Red Bull. Dois anos depois, teve ao seu lado o jovem Max Verstappen, com quem compartilhou os boxes taurinos até o fim do ano passado. Ricciardo e Verstappen formaram uma das duplas mais fortes dos últimos anos, marcada também por algumas tensões, como a batida entre eles no GP do Azerbaijão de 2018.
 
Ricciardo destacou características dos dois pilotos. Enquanto Vettel se destaca pela paixão pelas corridas, pelo respeito e a ética no trabalho, o australiano enxerga em Max mais agressividade, instinto e talento puro. 
 
Em entrevista ao podcast de Nico Rosberg, campeão mundial em 2016, Ricciardo foi perguntado sobre quem é o mais rápido. E não teve dúvidas ao responder: “Max”.
Verstappen e Vettel foram elogiados pelo hoje ex-companheiro Ricciardo (Foto: AFP)
“Não é demérito a Sebastian, porque ele não é lento, absolutamente. Mas, em velocidade pura... Seguramente é porque Max ainda é jovem e se agora ele é rápido, então só pode ser mais rápido, enquanto Seb faz isso há muito tempo. Sempre você cresce como piloto, mas provavelmente Seb tenha menos margem de crescimento do que Max. Se Seb nos estiver escutando, sinto muito, mas ele segue sendo incrível”, elogiou.
 
Daniel viajou no tempo e voltou a 2014 para lembrar como foi a relação entre ele e Vettel nos boxes da Red Bull. Ricciardo havia sido promovido da Toro Rosso para a equipe matriz taurina depois que Mark Webber havia decidido deixar a F1 ao fim de 2013.
 
“Estava ansioso por aquele desafio. Não somente o desafio dentro da pista, mas também para ver como ele trabalhava fora dela. Seb presta muita atenção ao detalhe. Ele vive e respira as corridas. Não parecia que ele tivesse muitos hobbies. Ele vivia para as corridas”, descreveu.
 
“Sebastian se comunicava bem, era firme, mas não desrespeitoso. Se algo não lhe parecia bom, ele dizia de uma forma em que conseguia transmitir a mensagem. Era direto, mas também amável. Equilibrava bem. Provavelmente, o que mais me surpreendeu, foi a ética de trabalho. Era impressionante”, comentou o australiano.
 
Sobre Verstappen, também sobraram elogios. “Com Max, nós dois nos pressionávamos mutuamente. Max é rápido desde o começo, desde a primeira volta nos treinos. Max pilota com muito instinto. Não é que houve um crescimento ou um processo de adaptação a um novo circuito. Ele é técnico, mas Sebastian é um piloto muito mais sensível. Seb tem muita sensibilidade em seu corpo para se comunicar com o carro. Max guia mais por instinto e talento puro”, finalizou Ricciardo.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.