Grosjean conta que ‘renascimento’ após acidente fez perceber que “a vida é bonita”

Romain Grosejan revelou que contou com ajuda psicológica para superar trauma do vivido no GP do Bahrein, de Fórmula 1 no último ano, quando corria pela Haas, e que hoje enxerga a vida de outra maneira: "A vida não é de graça, ela tem de ser vivida"

Cinco meses após o grave acidente sofrido no GP do Bahrein de Fórmula 1, Romain Grosjean, hoje piloto da Dale Coyne na Indy, falou sobre processo de recuperação e, muito além disso, também sobre como encara a chance de uma nova vida depois do renascimento em Sakhir após 29 de novembro de 2020. Em entrevista ao podcast oficial da F1, ‘Beyond the Grid’ (ou Além do Grid, em tradução livre), o franco-suíço revelou que contou com ajuda psicológica desde o começo para poder encarar o acidente como um divisor de águas sobre uma mudança completa na sua visão sobre a vida.

‘Renascido’ após a batida de 67 G de impacto, seguida de um incêndio em seu carro, o ex-piloto da Haas afirmou que enxerga cada dia pós-acidente como um “bônus” e que, apesar dos problemas cotidianos da vida, seu foco está direcionado ao convívio com a família e à oportunidade de seguir vivo.

Grosjean revelou também que consegue assistir o acidente sem problemas e que, fora as sequelas físicas, não sofre com pesadelos e flashbacks relacionados ao trauma.

Romain Grosjean sorri com a chance de estar vivo depois da quase tragédia do GP do Bahrein de 2020 (Foto: Mercedes)

“Sim, as crianças pediram [para assistir]. Elas tinham muitas perguntas sobre. Eu assisti com meus filhos e minha esposa, posso falar abertamente sobre isso. Eu trabalhei com um psicólogo depois disso para me assegurar que nada ruim, como lembranças ou pesadelos, fosse gerado a partir disso”, revelou.

“Eu tive algumas lembranças e uma fase no acidente que eu precisei entender a situação, ir a fundo com meu psicólogo. Um foi bem cedo, umas 6 horas da manhã, e meu filho me acordou. E o outro foi quando estava indo para a cirurgia nas minhas mãos em Genebra, quando me colocaram para dormir com os anestésicos. Então, acho que todos os ingredientes estão aí para não te fazer bem. Desde então, nunca tive pesadelos. Consigo assistir o acidente sem nenhum problema e consigo falar sobre ele sem nenhum problema”, disse.

Grosejan
As mãos de Romain Grosjean sem curativos (Foto: Reprodução/Instagram)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Fisicamente, Romain ainda passa por processo de recuperação total de suas mãos, que na ocasião, foram seriamente danificadas pelas altas temperaturas. Porém, o piloto, que já voltou a correr na Indy, releva os pequenos cuidados diários necessários e enaltece o fato de ter sobrevivido.

“Sim, vocês sabem que minhas mãos não estão ótimas. Não posso tomar sol, tenho que tomar cuidado com baixas temperaturas, com altas também, e por aí vai. Mas, elas estão funcionando. Posso brincar com meus filhos, ainda consigo montar Lego, e é isso que importa”, brincou.

”Toda manhã, quando acordo, preciso tirar minhas luvas de silicone e colocar creme nas minhas mãos. Aí me dou conta que estou vivo, que estou aqui. Eu posso brincar com meus filhos, posso correr novamente, tenho minha amada esposa ao meu lado. Eu estou mais feliz na vida, porque percebi quão boa ela é mesmo com seus problemas”, destacou.

Para o piloto, a experiência que poderia ser traumática serve hoje como uma grande lição sobre como encarar a vida e seus problemas. Apesar de reconhecer que os percalços existem, Grosjean dá de ombros e valoriza o fato de estar vivo.

“Cem por cento, e pode parecer loucura, mas deixa eu explicar. Todo dia que vivi desde então é uma espécie de dia bônus. Eu estive tão próximo de não estar aqui mais, que isso me fez perceber como a vida é bonita. É de conhecimento geral que temos probleminhas aqui e ali, uma conexão de voo cancelada, um atraso, coisas que você acaba reclamando sobre, e eu ainda continuo reclamando. Seria um pouco chato se não tivéssemos problemas na vida. É meio maluco pensar que estive muito próximo de não estar mais aqui para perceber que a vida não é de graça, ela tem de ser vivida”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar