F1

Smedley busca deixar Williams em “melhor forma” do que encontrou e diz que ainda deseja seguir na F1

De saída da Williams, Rob Smedley disse torcer para deixar a equipe em uma posição melhor do que a encontrou em 2014. Engenheiro britânico manifestou desejo de seguir ligado à F1
Warm Up, de São Paulo / JULIANA TESSER, de Interlagos
 Robert Kubica ao lado de Rob Smedley em Abu Dhabi (Foto: Sky Sports/Twitter)
Diretor da Williams, Rob Smedley afirmou que espera deixar a equipe inglesa em uma posição melhor do que a que encontrou quando chegou no time em 2014. O chefe de performance vai deixar a esquadra de Grove no fim do ano.
 
Nascido em Middlesbrough, o engenheiro de 44 anos chegou à Williams na esteira da mudança de Felipe Massa, com quem trabalhou nos tempos de Ferrari. Smedley foi um dos pilares na reconstrução do time, mas também voltou a testemunhar a decadência do time, que está em décimo e último lugar no Mundial de Construtores de 2018.
 
Falando à imprensa em Interlagos, Smedley minimizou a notícia de sua saída do time e relembrou sua trajetória em Grove.
Rob Smedley vai deixar a F1 no fim da temporada 2018 (Foto: Glenn Dunbar/Williams)
“Bom, não sei se é uma grande notícia, mas acho que é notícia em uma semana tranquila”, começou Smedley. “Acho que me juntei à Williams em um momento em que eles estavam evoluindo de um momento tórrido, digamos ― o novo regulamento de 2014 e a parte que me cabia na jornada era assumir a ciência do veículo, do lado da performance do veículo, as operações de corrida e tentar ajudar nessa área e acho que se você olhar para 2012, 2013 e, a partir daquele momento, a partir de 2014, com um esforço enorme de todos os caras que trabalham naquele departamento, nós conseguimos crescer, conseguimos melhorar e espero deixá-los em uma melhor forma do que estavam”, seguiu. 
 
“É um bom grupo agora, eles têm um bom conhecimento, boa metodologia, nós incorporamos muita ciência na maneira como usamos os pneus, na maneira como usamos o carro em geral, então o time pode seguir em frente e basicamente explorar qualquer carro que é dado a eles, a operação de corrida em si, a maneira como os mecânicos trabalham. Espero que estejam em melhor forma do que estava”, frisou. “Agora é hora de um novo desafio para mim. A Williams tem seu próprio desafio pela frente para sair de onde está agora. Eu vou sair e encarar outro desafio em outro lugar”, justificou. 
 
O primeiro passo, porém, será ficar em casa com a família, uma tentativa de recuperar o tempo que perdeu.
 
“Vou passar algum tempo em casa ― essa é a primeira coisa que vou fazer. Vou passar algum tempo com a minha família, que me apoiou por muito tempo”, afirmou Smedley. “Tenho de fazer isso. Não tenho escolha. Mas sou muito, muito grato por poder fazer isso e passar algum tempo sendo um marido normal, um pai normal e sem ir embora a cada suas semanas e não trabalhar até 21 ou 22h em um escritório toda noite, então vou curtir isso e aí veremos”, explicou.
 
Questionado se deseja seguir na F1, Smedley respondeu: “Sim, definitivamente quero ficar na F1”. 
 
“A F1 é minha paixão. Trabalhei a vida toda na F1 e ainda é o pináculo do esporte a motor. Têm outras categorias que estão na cola dela, mas ela ainda tem muito a oferecer. Tem muito mais potencial o que vocês de fato podem ver”, defendeu. “Então, é, eu quero ficar na F1 do lado técnico. Tenho sorte, porque eu já estou conversando com as pessoas e essa é uma boa posição para estar. Vamos ver para onde tudo isso nos leva”, encerrou.

Acompanhe todo o conteúdo em vídeo do GP do Brasil no nosso canal no YouTube Resultado de imagem para logo png youtube
 
GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.