F1
09/10/2018 11:30

Sob pressão, chefe diz que “discussões geram soluções”, mas nega rumores de racha na Ferrari

Segundo o diário italiano ‘Corriere della Sera’, há uma guerra de poder nos bastidores da Ferrari entre o chefe Maurizio Arrivabene e o diretor-técnico, Mattia Binotto, que lutam pelo comando dentro da equipe após a morte de Sergio Marchionne. O dirigente negou o racha
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Maurizio Arrivabene evita o clima de euforia depois da vitória da Ferrari na Bélgica (Foto: Ferrari)
O fim da temporada europeia marcou também o início do desmoronamento da Ferrari na temporada. Em termos de resultados, a equipe, que outrora brigava de igual para igual com a Mercedes pelos títulos em jogo em 2018 na F1, se viu longe da rival, e Sebastian Vettel nutre apenas remotas chances matemáticas de chegar ao penta. Nos bastidores, o clima também não é dos melhores, como reporta o diário ‘Corriere della Sera’, já que, depois da morte do presidente Sergio Marchionne, em julho, há uma guerra de poder entre o chefe Maurizio Arrivabene e o diretor-técnico, Mattia Binotto. O embate, contudo, é negado pelo atual comandante da equipe de Maranello.
 
Em entrevista à emissora britânica Sky Sports ainda no fim de semana do GP do Japão, depois de mais um revés da Ferrari na temporada, Arrivabene negou o conflito dentro da equipe. “As discussões geram soluções, o silêncio dá medo. Em alguns casos, há chateação, mas discutir não significa que haja racha ou outros problemas”.
 
A respeito do último GP do Japão, Arrivabene entende que, por mais que o resultado final tenha sido amplamente desfavorável à Ferrari, há pontos positivos a ressaltar.
Maurizio Arrivabene negou que exista um racha dentro da Ferrari (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Reagimos muito bem. Sem danos nos carros, o ódio estaria ao nosso alcance. As coisas se deram bem, o carro foi forte em que pese os danos sofridos. A equipe funcionou bem e os pilotos também. Faltam quatro corridas, a situação é muito difícil, mas não vamos nos dar por vencidos”, salientou o dirigente, que viu Kimi Räikkönen chegar em quinto, logo à frente de Vettel, que agora está 67 pontos atrás de Lewis Hamilton na luta pelo título.
 

Imprensa italiana dispara contra a Ferrari
 
Após um novo fracasso da Ferrari no fim de semana na temporada, a imprensa italiana não perdoou a série de erros cometidos em Suzuka. E aproveitou para disparar contra a equipe e, principalmente, contra Vettel.
 
“A Ferrari está em ruínas. Os estrategistas cometem erros, têm um piloto que não aprende com os erros, um chefe de equipe que ataca sua escuderia e um carro em declínio. Antes de Monza já era possível imaginar esse fracasso”, opina a ‘La Gazzetta dello Sport’. 
 
“O problema só pode ser a equipe e seus pilotos. Vettel está em crise existencial grave”, acrescenta o ‘Corriere dello Sport’.
 
O jornal ‘Il Giornale’ também bate forte e critica duramente o piloto alemão. “Aos olhos da maioria, os quatro títulos consecutivos nos seus tempos de Red Bull hoje parece que são o presente esplêndido de um carro perfeito, que pode oferecer a seus pilotos uma vantagem tamanha para convertê-los em fenômenos”.
 
“Fernando Alonso, seu antecessor, saiu da Ferrari, mas ninguém questionou suas qualidades e tampouco seus títulos conquistados anteriormente”, complementou o periódico.