Verstappen critica atuais condições ultrapassagens na F1 e dispara: “Era muito mais divertido em 2016”

Max Verstappen não está feliz com as ultrapassagens vistas após 2017, consequência do novo regulamento técnico da F1. O holandês cita dificuldades e disparidade entre motores como responsáveis pela falta de "diversão" nas ultrapassagens

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Max Verstappen está com saudade de 2016. Não por causa da estreia vitoriosa na Red Bull em Barcelona ou por causa do show sob chuva em Interlagos, e sim por outro motivo: a facilidade e diversão vistas nas ultrapassagens com os carros do antigo regulamento. De acordo com o piloto, a dificuldade imposta pelos bólidos atuais na hora de ganhar posição é um problema grave.
 
Comparando com suas temporadas anteriores, o holandês afirmou que as ultrapassagens na F1 não são mais como eram. "Foi muito mais divertido em 2016. Você podia acompanhar melhor e, de alguma forma, era mais gratificante”, reclamou o piloto de 20 anos.
Verstappen não está feliz com a dificuldade para passar na F1 (Foto: Getty images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Verstappen avaliou também as dificuldades encontradas na pista, que afetam as condições de ultrapassagem. “A distância de frenagem é mais curta e é muito difícil seguir um ao outro. O carro também pode fazer movimentos inesperados e ter um pouco mais de dificuldade. Para a F1, em geral, seria bom se todos chegassem perto, então o que você tem que ver são os motores. A diferença entre eles ainda é muito grande”. 

Verstappen teve um começo de 2018 conturbado justamente pela dificuldade para ultrapassar. O GP da China foi uma das ocasiões em que o holandês sofreu, causando um toque com Sebastian Vettel e escapando da pista enquanto atacava Lewis Hamilton. Max ficou apenas com o quinto lugar, enquanto Daniel Ricciardo venceu. Mesmo abaixo das expectativas, ainda existe convicção de que a volta por cima virá.

“O carro está bom. Ainda estamos um pouco atrás nas classificações, mas nas corridas parece bom. Até agora, devido a várias razões, não temos conseguido os resultados que queríamos, mas estou ansioso para Baku. Acho que podemos ter uma boa corrida lá, e ainda há dezoito corridas para vir, por isso espero nós faremos bem”, pontuou o holandês.  

 
O próximo GP para consertar essa situação acontece neste domingo (29), no Azerbaijão, e o piloto taurino está confiante de que fará o dever de casa. “O carro está em boas condições e acho que será ainda melhor em um circuito de rua. Estou muito ansioso para isso”, encerrou. 
 
MELHOR DA HISTÓRIA?

FORMA INCRÍVEL DE MÁRQUEZ LEVANTA DEBATE NO PADDOCK GP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube