F1

Verstappen vence corrida insana na Alemanha. Vettel vai de último a segundo

Uma corrida inacreditável em que Lewis Hamilton errou várias vezes, Valtteri Bottas e Charles Leclerc bateram e até Lance Stroll liderou. Com chuva na primeira parte e pista seca no fim, Max Verstappen faturou sua segunda vitória na temporada. Para Sebastian Vettel, uma vitória pessoal ao terminar em segundo em casa depois de ter largado em último. Daniil Kvyat completou um incrível pódio

Grande Prêmio / FERNANDO SILVA, de Sumaré
Uma corrida inacreditável. O GP da Alemanha deste domingo (28) vai ser lembrado por muito tempo por ter sido uma das provas mais insanas da F1. Max Verstappen triunfou em uma prova que teve de tudo: chuva, quatro entradas do safety-car, sol, erros de Lewis Hamilton, batidas de Charles Leclerc e Valtteri Bottas e até Lance Stroll liderando. Segundo triunfo de Verstappen no ano, duro revés da Mercedes e a vitória pessoal de Sebastian Vettel. Depois de ter largado em último, o alemão fez uma prova maravilhosa para cruzar a linha de chegada em segundo lugar.

Teve ainda espaço para Daniil Kvyat no pódio ao concluir esta prova inacreditável na terceira colocação. Primeiro pódio da Toro Rosso desde a vitória de Vettel no GP da Itália de 2008 e o segundo da história da equipe de Faenza. O russo voltou a faturar um troféu na F1 — desde o GP da China de 2016 — e terminou à frente de Stroll, que adotou grande estratégia com a Racing Point no fim para finalizar em quarto lugar, enquanto Carlos Sainz foi o quinto. Alexander Albon, um dos grandes destaques da corrida, foi o sexto com a outra Toro Rosso, seguido por Kimi Räikkönen, da Alfa Romeo.

Antonio Giovinazzi, companheiro de equipe de Kimi, foi o oitavo, seguido pelas Haas de Romain Grosjean e Kevin Magnussen, que voltaram a se tocar. Lewis Hamilton largou na pole, liderou boa parte da corrida, mas viu a vitória cair por terra na esteira de um dos erros que determinaram seu destino. No fim, o pentacampeão finalizou somente em 11º lugar, logo à frente de Robert Kubica.
Max Verstappen (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Saiba como foi o GP da Alemanha de F1

O GP da Alemanha foi a primeira corrida da temporada disputada com pista molhada. A chuva, prevista desde antes do fim de semana, finalmente deu as caras neste domingo e mudou completamente o panorama da prova, deixando-a sem nenhum favorito destacado. Por conta da chuva e pela segurança dos pilotos, a direção de prova definiu que as primeiras voltas fossem com o safety-car. 

As voltas atrás do safety-car não contaram na contagem regressiva, o que significou que a corrida ainda não estava valendo. "As condições estão perfeitas. Não entendo porque não podemos correr", bradou Max Verstappen no rádio. Até que a direção de prova mandou recolher o SC de volta aos boxes para promover a largada parada.

Hamilton manteve a ponta, enquanto Verstappen tracionou muito mal, caindo de segundo para quarto. Quem se deu bem foi Kimi Räikkönen, que pulou para terceiro. Charles Leclerc já aparecia em sexto na primeira volta, enquanto Sebastian Vettel subia de 20º e último para 14º.
Hamilton puxa fila na largada do GP da Alemanha (Foto: Reprodução)
Na segunda volta, Verstappen fez a ultrapassagem sobre Räikkönen e subiu para terceiro pouco antes de nova entrada do safety-car. Sergio Pérez rodou sozinho na pista molhada e bateu de leve no muro. Com a bandeira amarela, a Ferrari chamou Vettel para fazer a troca de pneus, mudando os compostos de chuva forte para os intermediários. A ação foi repetida pelas demais equipes, o que causou grande engarrafamento nos boxes.

Nesse meio tempo, Leclerc quase acertou Romain Grosjean no pit-lane. O incidente foi colocado sob investigação dos comissários por saída insegura. O piloto não foi punido, mas sim a Ferrari. A direção de prova anunciou que a equipe vai ser multada pelo incidente.
 
A inesperada janela para troca de pneus manteve Hamilton em primeiro, mas Kevin Magnussen, que não tinha feito a parada, aparecia em segundo lugar. A estratégia acabou se mostrando equivocada para o dinamarquês depois da relargada. K-Mag foi facilmente ultrapassado por pilotos que vinham mais atrás, como Bottas, Verstappen, Leclerc e Hülkenberg, que fechava o top-5. Vettel fazia grande corrida e já estava em oitavo lugar na sétima volta.
Sebastian Vettel fazia grande corrida de recuperação na chuvosa Hockenheim (Foto: Ferrari)
Magnussen bem que tentou resistir às investidas de Räikkönen, que fazia belíssima corrida, e Vettel. Mas os dois conseguiram ultrapassar o carro da Haas, que também era superado por Carlos Sainz. Quem estava lá atrás era Pierre Gasly, apenas em 14º lugar.

Hamilton fazia uma corrida tranquila, com 3s de frente para Bottas, enquanto Verstappen tentava se aproximar do finlandês, em terceiro. A chuva tinha dado um tempo, e a pista secava, mas a previsão era de voltar em alguns minutos. Mesmo mais seco, o asfalto estava bem traiçoeiro, e Leclerc teve de usar de muita habilidade para salvar o que seria uma rodada na entrada da pequena reta dos boxes.

Com a pista praticamente seca, Daniel Ricciardo tratou de molhá-la um pouco. Não com água, mas com o óleo que saiu do motor da sua Renault, que o deixou na mão na volta 15 da corrida. Safety-car virtual acionado para o resgate do carro do australiano. Foi o que bastou para a Ferrari chamar Leclerc para fazer um novo pit-stop, colocando novo jogo de pneus intermediários. Hülkenberg também fez nova troca em seguida.
Motor de Ricciardo quebra durante GP da Alemanha (Foto: Reprodução)
No afã de tentar se aproximar mais de Bottas, Verstappen cometeu um pequeno erro no grampo. E a própria Red Bull pediu: "Seja paciente, Max". Quem também errou foi Sainz, que vinha bem, mas escorregou na entrada da última curva da pista, chegou a passar por um trecho muito encharcado e voltou à prova, mas em 14º.

Destaque também para Alexander Albon, que fazia sua primeira corrida de F1 com chuva e ocupava o oitavo lugar depois de ter largado em 16º. O anglo-tailandês da Toro Rosso destoava de um apagado Gasly, que fechava o top-10. 

A pista mais seca levou a Haas a adotar uma estratégia ousada: Magnussen foi chamado para trocar os pneus intermediários pelos compostos macios. Foi o primeiro a andar com pneus para asfalto seco no domingo. A Ferrari fez o mesmo com Vettel. E Verstappen, depois de muito pressionar Bottas, também foi aos boxes para trocar os intermediários pelos médios. De todos os pilotos, o único que tinha vida mansa era Hamilton, líder com folga de 8s7 para o segundo colocado.

O asfalto, ainda que estivesse em condições bem melhores, estava úmido em alguns trechos, como no estádio. Foi lá que Verstappen rodou na sua primeira volta com os pneus de pista seca. Por sorte, o holandês continuou na prova e na sua perseguição a Bottas. O finlandês também foi aos boxes para colocar pneus médios, assim como Leclerc, que colocou macios. Isso no meio de um período de VSC por conta do abandono de Lando Norris.

A Mercedes também aproveitou o VSC para chamar Hamilton, que trocou os intermediários por pneus macios usados. A equipe demorou um pouco na sua parada, que aconteceu no momento em que a bandeira verde foi acionada. Pouco depois, nova entrada do safety-car. Leclerc errou na entrada da última curva e bateu na barreira de proteção. Mais um capítulo de um fim de semana terrível para a Ferrari.
Lewis Hamilton corta caminho para entrar para os boxes após cometer erro (Foto: Reprodução)
Mas Hamilton, que estava com a vida mansa, viu a vitória escorrer pelas suas mãos. O britânico, que estava com pneus para pista seca, rodou com o asfalto molhado no instante em que voltava a chover. Lewis bateu o bico da Mercedes na barreira de proteção, cortou caminho ao entrar no pit-lane pela faixa gramada e foi aos boxes e perdeu muito tempo. O incidente foi colocado sob investigação dos comissários. Bottas também teve de fazer um novo pit-stop para colocar novo jogo de intermediários. Assim, Verstappen pulou para a ponta de uma corrida que parecia ter um desfecho imprevisível.

A corrida virou uma grande loucura: Verstappen era o líder, com Nico Hülkenberg em segundo, Bottas em terceiro e Albon em quarto, com Hamilton aparecendo na quinta colocação e Sainz, que mesmo depois do erro cometido, surgia na sexta colocação. Até mesmo Vettel, em oitavo, esteava ali na briga depois que o SC deixou a pista na volta 34. Pouco depois, a direção de prova anunciou a punição a Hamilton: 5s no tempo de prova por ter cortado caminho na entrada dos boxes. Só que o britânico foi novamente investigado por ter andado muito mais lento que o normal atrás do safety-car.
A grande chance de Hülkenberg ir ao pódio em casa acabou na brita (Foto: Reprodução)
Verstappen escapou na ponta, enquanto Bottas forçava o ritmo para ultrapassar Hülkenberg, a grande surpresa da prova. O finlandês conseguiu subir para segundo na volta 37, deixando a Renault para trás. No giro seguinte, Hamilton foi quem superou o alemão, recordista de GPs sem pódio na F1. Mais atrás, a última curva quase deixou mais um piloto pelo caminho, mas Räikkönen conseguiu manter sua Alfa Romeo na pista e seguiu em nono, à frente de Antonio Giovinazzi.

O sonho de Hülkenberg chegar ao pódio se encerrou na volta 40. O alemão passou com sua Renault na última curva, passou pela pista de arrancada e perdeu o controle da sua Renault, indo parar apenas na caixa de brita. Novo safety-car na corrida. A Red Bull foi rápida e chamou Verstappen para fazer mais um pit-stop, substituindo um jogo de intermediários por outro. O mesmo fez a Ferrari com Vettel.

Ainda tinha muita corrida pela frente. Uma corrida que ganhou contornos surreais depois das muitas paradas para troca de pneus por conta da pista mais seca. Lance Stroll foi o primeiro a fazê-la e, quando os demais pilotos fizeram a parada, o canadense subiu de forma inacreditável para líder da prova. Nessa leva de pit-stops, Hamilton cumpriu a punição de 5s antes da sua troca de pneus e voltou em 12º lugar.

Verstappen, com grande ritmo de corrida, não teve dificuldades para superar Stroll e voltar à liderança. Mas a corrida continuava insana, com Daniil Kvyat aparecia em segundo e Stroll fechando o top-3. Só então vinha Bottas, em quarto lugar, à frente de Sainz e Albon, enquanto Vettel vinha na sétima colocação. E Hamilton voltava a decepcionar na esteira de outro erro cometido ao rodar na curva 1. O pentacmapeão do mundo caiu para 13º antes de voltar para os boxes e fazer mais uma troca de pneus.
Valtteri Bottas bate em dia que deu tudo errado para a Mercedes (Foto: Reprodução)
Depois de Romain Grosjean e Kevin Magnussen voltarem a se tocar, novo revés para a Mercedes. Desta vez, com Bottas, que rodou e bateu na barreira de proteção, destruindo a dianteira do carro. Novo safety-car, o quarto da corrida. E a Mercedes, que teve em Hockenheim um fim de semana cheio de comemorações pelos 125 anos de envolvimento da marca no esporte a motor e pelo GP 200 na F1, teve de amargar sentimento parecido com o da Ferrari no sábado.

Na relargada, Verstappen tratou de acelerar para abrir vantagem sobre os demais. A luta era toda de Vettel, que vinha com grande ritmo, em quarto depois de passar a McLaren de Sainz. O tetracampeão tinha Stroll pela frente antes de garantir um lugar no pódio depois de ter largado em último lugar. Com duas voltas para o fim, Vettel fez a ultrapassagem sobre Stroll.

Vettel ainda teve tempo para garantir o segundo lugar ao ultrapassar Kvyat. Só não deu para Seb ganhar a primeira posição, que ficou com Max Verstappen. Mesmo assim, foi uma vitória pessoal para o tetracampeão, que amargou o último lugar no grid para comemorar em frente ao público alemão a conquista de um resultado para provar seu poder de reação em um ano difícil na F1.

F1 2019, GP da Alemanha, Hockenheim, final:

1 M VERSTAPPEN Red Bull Honda 64 voltas  
2 S VETTEL Ferrari +7.333  
3 D KVYAT Toro Rosso Honda +8.305  
4 L STROLL Racing Point Mercedes +8.965  
5 C SAINZ JR McLaren Renault +9.583  
6 A ALBON Toro Rosso Honda +10.052  
7 R GROSJEAN Haas Ferrari +16.838  
8 K MAGNUSSEN Haas Ferrari +18.765  
9 L HAMILTON Mercedes +19.667  
10 R KUBICA Williams Mercedes +24.987  
11 G RUSSELL Williams Mercedes +26.404  
12 K RÄIKKÖNEN Alfa Romeo Ferrari +42.214  
13 A GIOVINAZZI Alfa Romeo Ferrari +43.849  
14 P GASLY Red Bull Honda +3 volta NC
15 V BOTTAS Mercedes +8 volta NC
16 N HÜLKENBERG Renault +25 voltas NC
17 C LECLERC Ferrari +37 voltas NC
18 L NORRIS McLaren Renault +39 voltas NC
19 D RICCIARDO Renault +51 voltas NC
20 S PÉREZ Racing Point Mercedes +63 voltas NC
           
VMR M VERSTAPPEN Red Bull Honda 1:16.645 Volta 61
           
REC S VETTEL Ferrari 1:11.212 21/07/2018
MV K RÄIKKÖNEN McLaren Mercedes 1:13.780 25/07/2004  


Paddockast #26
Acidentes que alteraram carreiras


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.