Vettel e Leclerc ignoram Verstappen e rejeitam “motivação extra” no Brasil

A dupla da Ferrari evitou entrar em choque mais pessoal com Max Verstappen após o holandês dizer que os italianos trapacearam nos motores. Sebastian Vettel, principalmente, mostrou reprovação, mas garantiu que não há motivação a mais do que normalmente há para vencer a corrida no Brasil

A grande polêmica das últimas semanas na Fórmula 1 ficou por conta dos motores da Ferrari. Imbatíveis depois das pausas das férias, os italianos sofreram muito nos EUA, não cravaram a pole e nem ao pódio foram. A performance veio logo após restrições da FIA aos motores dos times, levando Max Verstappen a provocar, dizendo que o resultado era natural para quem "parava de trapacear". O assunto ainda rendeu na quinta-feira (14) em Interlagos, mas a dupla da Ferrari não quis ampliar a confusão, por mais que reprove a fala do holandês.
 
Sebastian Vettel comentou que é natural que as pessoas falem o que queiram, mas deixou claro que discorda da postura de Verstappen. Apesar disso, garantiu que tem como meta a vitória em Interlagos como em qualquer lugar, sem motivação de calar quem suspeitou de irregularidades anteriores nos motores dos italianos.
 
"As pessoas falam o que elas querem, atualmente é assim, não estão pensando muito. Mas eu não tenho o que responder, se é isso que ele pensa, fazer o que? Mas é óbvio que nós temos opiniões diferentes e acho que vamos voltar ao ritmo normal aqui. Não acho que precisamos calar quem suspeita da gente, mas seria bom um grande resultado aqui, sim. Acho que se fizermos 1-2 aqui vamos silenciar totalmente, mas não é essa a nossa meta, a nossa meta é simplesmente vencer corridas", explicou em coletiva acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO.
Sebastian Vettel não reagiu com força aos comentários de Max Verstappen (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

O tetracampeão fez questão de deixar claro que não iria alongar a confusão com Verstappen, mas garantiu também que não vai mais prestar atenção em opiniões do jovem piloto da Red Bull, que acabou no pódio na corrida texana.

 
"Como eu disse, acho que todo mundo é livre para dizer o que quiser, mas ninguém da nossa equipe levou para o lado pessoal, mesmo que eu não tenha achado que foi algo profissional ou maduro. Acho que querem me ver respondendo ele, mas não estou interessado nisso, o melhor jeito de responder é voltando ao normal. Não estamos orgulhosos da nossa performance nos EUA, então vamos trabalhar para melhorar isso. De novo, sobre ele, "viva e deixe viver", mas, se daqui a pouco ele falar outra coisa, mudar de ideia, sei lá, não vou ligar também", falou.
 
Vettel ainda não cravou que a Ferrari tem o melhor motor, acha que tudo faz parte de um conjunto de fatores, mas reiterou que não vê sentido nas suspeitas já que a Mercedes teve a melhor unidade de potência por tanto tempo e pouco foi questionada.
 
"É muito difícil falar em quem é melhor, mas acho que temos um carro muito eficiente. Temos menos downforce que Mercedes e Red Bull, acho que eles podem criar turbulência maior, mas é isso, difícil dizer qual o pacote é melhor, ou mesmo o motor, sei da nossa capacidade, não sei das outras fabricantes. Nos últimos cinco anos, a Mercedes foi o melhor motor, tomara que a gente possa ter pelos próximos cinco, não ligo para o que os outros vão dizer", seguiu.
Charles Leclerc deu de ombros para Max Verstappen (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Também em entrevista acompanhada pelo GP, Charles Leclerc procurou falar ainda menos do tema, diferentemente da reação que teve nos EUA, repudiando fortemente o rival. No entanto, tornou a garantir que a Ferrari não fez nada de errado e assegurou também que não tem motivação extra para provar que alguém esteja mentindo.

 
"Eles não sabem [o que fazemos com o motor]. Eu, pessoalmente, não tenho nenhuma motivação para provar que eles estão errados. Nós, dentro da equipe, sabemos o que está sendo feito e sabemos que não fizemos nada de errado. Estou confiante de que as coisas vão voltar ao normal aqui. Da minha parte, não há motivação extra”, comentou, também em entrevista acompanhada pelo GP.

Já do lado da Red Bull, Verstappen também foi questionado mais de uma vez sobre a acusação feita contra a Ferrari, mas se negou a falar do assunto. 

O GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar