F1
03/09/2018 06:50

Vontade da Ferrari em cumprir desejo de Marchionne aproxima Leclerc da vaga de titular, afirma revista

A revista britânica ‘Autosport’ conta que Sergio Marchionne tinha em mente promover Charles Leclerc a titular da Ferrari. Mesmo com parte da cúpula sendo mais favorável à permanência de Kimi Räikkönen, o jovem monegasco está mais perto da vaga
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Charles Leclerc (Foto: Sauber)
Era esperado para o fim de semana do GP da Itália uma definição sobre a vaga disponível da Ferrari para a próxima temporada. Tradicionalmente, a escuderia de Maranello prepara para Monza seus anúncios a respeito do ano seguinte, mas a indefinição sobre quem vai ser o futuro companheiro de Sebastian Vettel — este com contrato firmado até 2020 — ainda persiste. Na dúvida entre a experiência de Kimi Räikkönen ou a juventude de Charles Leclerc, a vontade da Ferrari em honrar o desejo de Sergio Marchionne, morto no último 25 de julho, pode falar mais alto.
 
De acordo com a revista britânica ‘Autosport’, o antigo presidente da Ferrari tinha o desejo de promover Leclerc a titular na próxima temporada. Com a sua morte, ocorrida em decorrência de um agravamento de saúde na esteira de um câncer no pulmão, o ítalo-americano John Elkann, neto de Gianni Agnelli, assumiu como presidente da Ferrari, enquanto o egípcio Louis Camilleri foi nomeado como novo CEO. Camilleri é apontado como amigo bastante próximo a Kimi e, portanto, favorável à sua permanência.
 
Segundo a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’, o plano era anunciar Leclerc como titular para 2019 no sábado. Contudo, a grande pole-position conquistada por Räikkönen, com direito à volta mais rápida da história da F1, frustrou os planos da equipe. No domingo, a Ferrari levou um ‘balde de água fria’ ao ver Lewis Hamilton triunfar e fazer a festa em Monza diante de milhares de tifosi.
Vontade do antigo presidente Sergio Marchionne pode levar Leclerc à vaga de titular da Ferrari (Foto: F1/Twitter)
Leclerc afirmou que se encontrou com o novo presidente da Ferrari, bem como com Michael Manley, presidente da FCA (Fiat Crhysler Automobiles). Mas o piloto lembrou que foi um contato breve, apenas para conhecer os novos comandantes da lendária marca italiana.
 
“John veio mais cedo aqui junto com Michael, o novo presidente da FCA, para integrar toda a a equipe, e foi uma boa oportunidade [para conhecê-los]. Mas foi tão somente uma integração do que falar sobre futuro ou qualquer coisa do tipo”, declarou o piloto em entrevista à ‘Autosport’. Charles também ressaltou que, apesar de ser frequentemente muito elogiado por Marchionne, jamais falou com o antigo presidente da Ferrari.
 
“Nunca tive um contato direto com Marchionne, mas ele falava bem sobre mim o tempo todo. Obviamente, é sempre um prazer ter esses comentários positivos, mas não tive nenhum contato direto com ele”, explicou.
 
Visto como o futuro da Ferrari, Leclerc, aos 20 anos, prefere se manter alheio ao tema e deixa a decisão para a cúpula da escuderia de Maranello. Contudo, reforça: defender a Ferrari é um sonho que alimenta desde pequeno.
 
“Eles são os únicos a tomarem as decisões. Eles sabem que piloto eu sou e então eles vão avaliar se é suficiente ou não. Ainda sou jovem e ainda tenho muitas corridas para aprender. Em caso de ir para lá, vai ser um sonho a se tornar realidade, mas quanto a dizer se estou pronto ou não, não cabe a mim dizer. Eles me conhecem perfeitamente bem”, disse.
 
“É difícil não ter tudo isso na minha mente porque trata-se de um sonho desde que eu era um menino. Mas estou tentando ter isso na mente o mínimo possível e focar no que estou vivendo no momento”, complementou.
 
Com 14 corridas disputadas até o momento na temporada, Leclerc soma 13 pontos, sendo um dos destaques de 2018 com a Sauber. No GP da Itália do último domingo, Charles cruzou a linha de chegada em 12º, mas foi declarado 11º por conta da desclassificação de Romain Grosjean horas depois da corrida.