Williams admite que chegou ao “fundo do poço” em 2018 e busca recomeço na nova temporada

Diretor-técnico da Williams, Paddy Lowe não vai tentar tapar o sol com a peneira: a equipe inglesa atingiu uma decepção histórica com o pior desempenho da F1 em 2018. Na tentativa de dar um toque otimista na desgraça, a chefe-adjunta Claire Williams conclui que ao menos é uma chance para um recomeço de sucesso na F'

É difícil imaginar como a temporada 2018 poderia ser pior para a Williams. Após alguns anos de recuperação, com a quarta e quinta posições do Mundial de Construtores, a tradicional equipe inglesa marcou menos ponto que todas as rivais, perdeu para 2019 a maior patrocinadora – Martini – e o maior apoiador – Lawrence Stroll – enquanto tinha pilotos inexperientes na pista. Foi o fundo do poço e todos os envolvidos sabem. 
 
Em termos de pontuação, a Williams terminou 2011 e 2013 com cinco pontos marcados – dois a menos que os sete deste ano. Em compensação, nestas outras temporadas o grid era maior e a Williams sempre ficou acima do décimo lugar no Mundial de Construtores. 2018 marcou a primeira vez abaixo do nono lugar. 
 
De acordo do diretor-técnico Paddy Lowe, é um ponto dos mais baixos imagináveis.
 
"Atingimos o fundo do poço, porque sabemos o quão fundo é o poço em termos de desempenho. Foi uma temporada muito difícil para a equipe, acredito que o ano mais difícil até hoje", afirmou em entrevista à revista inglesa 'Autosport'. 
Sergey Sirotkin (Foto: Williams)

"Para a equipe eu acredito que não seja um processo ruim de se passar [o de definir os maiores problemas]. Pelo menos pensando no longo prazo", pontuou.

 
A chefe Claire Williams soltou um comunicado sobre a possibilidade de um novo início em 2019.
 
"Tudo isso dá ao time a oportunidade de recomeçar e, dessa forma, avaliar onde as coisas deram errado. Isso é para evitar que nós voltemos a cair nos mesmos buracos que na temporada passado. São os princípios para construir um carro melhor no futuro", encerrou. 
 
Com a saída de Lance Stroll e Sergey Sirotkin, a Williams terá Robert Kubica e o campeão da F2 George Russell nos dois cockpits em 2019.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube