FE

Com futuro de Da Costa em dúvida, BMW testa na Espanha com Sims e Günther

A BMW tem um problema para encerar nas próximas semanas: António Félix da Costa negocia com a DS Techeetah. Pensando na sequência do trabalho sem o português, a equipe levou Maximilian Günther ao lado de Alexander Sims para uma sessão de testes em Calafat. Tom Blomqvist é outro que conhece a equipe, ao menos em tempos de Andretti, e quer voltar

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
A BMW estava inclinada a manter a dupla formada por António Félix da Costa e Alexander Sims na última temporada da Fórmula E. Há, contudo, um pequeno problema: o interesse da DS Techeetah no português. Desta forma, Max Günther participou ao lado de Sims no teste no autódromo catalão de Calafat, na semana passada.
 
Da Costa, que venceu a abertura do campeonato e esteve na briga pelo título até quase o fim do ano, era considerado o principal nome da BMW para os próximos anos, sobretudo após ter vivido o período de preparação da fábrica enquanto a equipe ainda levava o nome de Andretti e sofria no campeonato. Mas a saída de André Lotterer para a Porsche, abriu a procura da DS Techeetah.
 
Enquanto o piloto português busca desfazer o contrato, a BMW teve de levar outro nome para Calafat - importante porque é um teste pré-homologação do motor. Günther, que chegou a ser sacado pela Dragon no ano passado, mas impressionou com boas provas no fim do ano, foi o escolhido. 
A BMW em ação na temporada, com Alexander Sims (Foto: BMW)
Segundo o site inglês 'E-Racing365', Günther é o favorito da BMW para substituir Da Costa. Mas não é a única alternativa: Tom Blomqvist. O inglês andou pela Andretti em 2017, quando começava a parceria técnica com a BMW e o time ia mal. Em seis corridas, marcou quatro pontos. Acabou substituído por Stéphane Sarrazin, que fez as quatro últimas provas e não pontuou.

"Eu definitivamente quero correr novamente na Fórmula E e sinto que há um trabalho não terminado na categoria. Estive no eP de Berlim passado, e o nível de competição é bastante intenso, então sinto que é um campeonato em que posso ter sucesso, para ser honesto", falou.
 
"Aquele programa em andei, na quarta temporada, ficou no passado e agora todo mundo sabe que foi uma temporada difícil. Estou totalmente motivado para voltar à Fórmula E se a oportunidade aparecer", comentou.
Jordan King
King testa na Dragon
 
Atual equipe de Günther, a Dragon, está em busca de pilotos. Mesmo que Max permaneça, José María López não é favorito a ter o contrato renovado. O primeiro testado pela equipe foi Jordan King, em teste no começo da semana. O piloto, que esteve na última edição da Indy 500, admitiu o interesse na categoria.
 
"Estou no estágio da minha carreira em que procuro um plano de longo prazo onde possa crescer e atacar. A Fórmula E é uma entidade pela qual estou interessado e onde posso evoluir. Seria incrível", disse.
 
"Fui atraído pela Fórmula E desde o começo da categoria, porque tenho muito interesse pela parte técnica e obviamente é uma área chave das corridas. O campeonato tem um grid muito forte, então não será fácil, mas eu tenho um currículo que detalha que posso guiar qualquer coisa, desde F3, GP2 e até protótipos", falou.
 
A nova temporada começa apenas no último fim de semana de novembro.  
 

Paddockast #26
Acidentes que alteraram carreiras


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.