Fórmula E tem equilíbrio. Só falta alguém apresentar pilotagem digna de campeão

Edoardo Mortara ganhou a corrida 2 em Puebla e virou líder da Fórmula E. Muito legal para o competente piloto suíço, mas é um sinal: a temporada está nivelada por baixo, muito longe do nível de espetáculo que a F1 proporciona com Lewis Hamilton e Max Verstappen

Verstappen arrisca na estratégia e bate Hamilton: os melhores momentos do GP da França (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Há uma coisa inegável sobre a Fórmula E. A categoria elétrica apresenta brigas parelhas pelo título e quase sempre proporciona um clima de incerteza até o fim do campeonato. Isso é fruto da proposta de ser um campeonato sem grandes investimentos financeiros, sem grandes disparidades técnicas. Só que, em 2021, há um outro motivo para isso: ninguém parece capaz de pilotar em nível alto a ponto de realmente fugir na luta pelo caneco.

Para fazer essa análise, olhemos a classificação do Campeonato de Pilotos. Edoardo Mortara virou líder isolado após vencer a corrida 2 em Puebla. O suíço de fato foi bem em solo mexicano. Dito isso, como explicar ao público que um piloto que nem largou em um eP e não pontuou em outros três consegue abrir a segunda metade da temporada com 10 pontos de vantagem? 

A explicação está no pessoal que vem ao redor. Robin Frijns é o vice-líder, mas fazendo quase desprovida de qualquer brilho. António Félix da Costa é o terceiro, mas batendo sozinho e sem muitos resquícios do grande momento vivido em 2020. Nyck de Vries e Stoffel Vandoorne, dupla da Mercedes, devem ter alguma cláusula contratual impedindo duas corridas boas consecutivas. Até Lucas Di Grassi, que lavou a alma com vitória na corrida 1 em Puebla, cometeu um erro tenebroso e encheu a traseira do próprio De Vries na 2.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Edoardo Mortara é o líder da Fórmula E. O que isso diz sobre o campeonato? (Foto: FIA Fórmula E)

Em outras palavras, a Fórmula E está nivelada por baixo em 2021. Não há uma luta titânica entre Di Grassi e Sébastien Buemi. Não há Jean-Éric Vergne fazendo o impensável ao ser campeão em anos consecutivos. Não há Da Costa nadando de braçada com cinco top-2 seguidos. Há um vácuo e, incrivelmente, não há resposta clara sobre quais são os melhores pilotos do grid no momento.

É realmente possível que a temporada atual acabe com um vencedor inesperado. Só que isso não é tão bom assim. Melhor ter um campeonato afunilado, com poucos brilhando, ou campeonato completamente aberto pelos piores motivos possíveis?

Olhemos para a Fórmula 1. A temporada atual empolga um monte porque tem dois pilotos de altíssimo nível. Max Verstappen e Lewis Hamilton se enfrentam semana após semana e ninguém vai poder dizer que o campeonato foi nivelado por baixo. Quem sair por cima poderá bater no peito e dizer que superou um desafio tremendo. Não há isso na Fórmula E atual. Ser campeão vai ser muito mais uma questão de eventualmente bater um pouco menos. O resultado já é visível: a categoria tradicional vive um de seus melhores campeonatos no século e a elétrica vive um de seus piores. Esses valores são subjetivos, claro, mas não é difícil imaginar qual das duas temporadas será lembrada por mais tempo.

Antonio Felix da Costa deixou um vácuo ao parar de repetir atuações de alto nível (Foto: Fórmula E)

A boa notícia é que ainda há tempo para isso mudar. Restam três rodadas duplas na temporada atual e isso deve bastar para alguém colocar a cabeça no lugar e começar a trazer resultados. Mercedes e Jaguar, que começaram 2021 bem e só depois se perderam no caminho, ainda têm tempo de se reencontrar. O mesmo vale para a Techeetah. Bom, vale para um monte de gente, mas alguns pilotos carregam mais expectativas do que outros.

A Fórmula E tira agora algumas semanas de descanso antes de realizar uma nova rodada dupla. Será a vez de retornar a Nova York, uma pista mais tradicional do certame elétrico. De rua, sem algumas das loucuras proporcionadas por Puebla. Que esse retorno à normalidade inspire os pilotos a retornar ao patamar esperado de uma briga por título em um campeonato chancelado pela FIA.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar