“Não sentia dor assim há muito tempo”: Evans recorda derrocada da Jaguar em Berlim

Evans e a Jaguar chegaram a Berlim com altas expectativas de título, mas a derrocada foi latente. Custou qualquer proximidade ao caneco da Fórmula E

A Fórmula E ficou parada por mais de cinco meses no meio da temporada 2019/20 por conta da pandemia do novo coronavírus. Neste período, o sentimento de Mitch Evans e da Jaguar era de animação. Afinal, o estavam somente 11 pontos atrás do líder do campeonato, António Félix da Costa, e a competição pulava de galho em galho. Mas vez a maratona que encerrou a temporada, em Berlim, e tirou piloto e equipe do prumo. A derrocada foi um dos pontos mais baixos da carreira do neozelandês.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Acontece que, após as seis provas no Aeroporto de Tempelhof, Evans passou de 11 para 87 pontos de desvantagem. Marcou 15 pontos contra 91 do português. Caiu do segundo para o sétimo posto da competição. As chances de títulos foram arruinadas com requinte de crueldade. Agora, mais de três meses depois, abre o jogo quanto ao nível da decepção.

“Emocionalmente para nós, como equipe e pessoalmente, foi muito decepcionante, machucou bastante. Não sentia dor assim há muito tempo. Quando você vê algo tão próximo… Mas simplesmente escorregava para longe a cada corrida. Meio que entregamos para Da Costa e a DS Techeetah”, disse ao site inglês ‘The Race’.

Evans segue um dos favoritos para a próxima temporada (Foto: Fórmula E)

“Acredito que o resultado final sequer mostra o que atingimos na última temporada. Saíamos de lá com nosso rabo entre as pernas e extremamente desapontados, mas óbvio que animou toto mundo para a próxima temporada”, seguiu.

Mesmo com a decepção, acredita que a Jaguar se fortaleceu em meio à decepção.

“Nestas circunstâncias, durante Berlim, podia ir para qualquer distância, boa e ruim, você começa a se desfazer, apontar os dedos e culpar os outros, essas coisas. Mas aconteceu totalmente o oposto. Ficamos mais juntos. Obviamente estamos tentando encontrar respostas e, creio, que são algumas dessas respostas são irreais por conta da situação da classificação”, afirmou.

Evans lembrou do erro que a Jaguar cometeu em Marrakech e acabou fazendo com que, então líder do campeonato, largasse no fim do grid em vez de ir para a Superpole, a despeito de ter ritmo bastante forte. O piloto garante que erros acontecem, mas confia que a equipe irá diminuir essas situações ao mínimo. A partir de 2021, Evans terá Sam Bird como companheiro de equipe.

“O que aconteceu em Marrakech foi claramente de envergonhar, mas todos no time estão em nível alto e trabalhando no que pode acontecer ou já aconteceu no passado. Você sempre terá problemas durante a temporada, é assim que funciona. Todos somos humanos. Mas minimizar esses problemas são fundamentais para o título. Tenho muita confiança na equipe ao meu redor e no trabalho para evitar esses pequenos erros”, finalizou.

A próxima temporada da Fórmula E começa nos dias 16 e 17 de janeiro, com a rodada dupla de Santiago, no Chile.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube