De Barros se aproveita de acidente e garante vitória em tumultuada primeira corrida da Porsche GT3 Cup em Interlagos

Interlagos foi palco de uma tumultuada prova da Porsche GT3 Cup, que teve constantes interrupções do safety-car. Se esquivando dos problemas e se aproveitando de um acidente final entre os ponteiros, quem ficou com a vitória na classe GT3 Cup 4.0 foi Sylvio de Barros. Na classe GT3 Cup 3.8, Paulo Totaro foi quem triunfou

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Porsche GT3 Cup passou longe de ter uma primeira corrida tranquila em Interlagos. Neste sábado (14), a categoria teve uma prova bastante tumultuada, com três carros de segurança e direito a acidente dos ponteiros. Com toda a confusão, quem garantiu a vitória foi Sylvio de Barros.
 

Na classe 4.0, Adalberto Baptista e Luca Seripieri vieram brigando por toda a prova. Com constantes mudanças de posições, os pilotos estavam se esquivando dos diversos problemas para ficarem sempre na ponta.
 
No entanto, nos instantes finais da corrida, Adalberto foi tentar uma investida em cima de Luca, mas acabou dando errado. Os pilotos se tocaram e acabaram abandonando a prova. O triunfo, então, veio para De Barros, que vinha fazendo boa corrida.
 
Na classe GT3 Cup 3.8, o triunfo ficou com Paulo Totaro, com Chico Horta recebendo a bandeira quadriculada na segunda colocação. Quem completou o pódio da primeira corrida do dia foi Nelson Monteiro.
Sylvio de Barros (Foto: Luca Bassani)
Saiba como foi a corrida 1 da GT3 Cup em Interlagos:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Para a segunda prova do dia, o céu já começava a ficar bastante encoberto em Interlagos, com o sol aparecendo de forma bastante fraca. No termômetro, a temperatura indicada era de 25ºC, ligeiramente mais calor. Já a pista teve um grande aumento no calor, batendo os 41ºC.
 

Na formação do grid, quem estava na ponta do pelotão da classe GT3 Cup 4.0 era Tom Valle, com Maurizio Valle e Sylvio de Barros completando o top-3. Apesar de ter conquistado a pole-position, Adalberto Baptista carregava uma punição da etapa de Curitiba, então alinhou apenas em quinto.
 
Na classe GT3 Cup 3.8, quem saiu da pole-position era Alexandre Auler, com Marco Billi e Nelson Monteiro fechando o rol dos três ponteiros do grid de largada.
 
Com as duas voltas de apresentação completadas, os pilotos foram liberados para o início da corrida. Luca Seripieri fez excelente saída e pulou da terceira colocação para primeiro, mas ele logo foi superado por Adalberto Baptista, que saltou de quinto para a ponta do pelotão.
 
Mais para trás, quem também fez um belo início de prova foi Marco Billi, que tomou o primeiro posto. Logo atrás vinha Paulo Totaro, com Chico Hora completando o rol dos três ponteiros do primeiro momento.
 
O primeiro piloto que abandonou a corrida de forma precoce foi Guilherme Reischl. Com problemas em seu carro, ficou parado na área de escape da pista, sendo necessário acionar o carro de segurança ainda na segunda volta.
 
No giro seguinte, o carro de segurança voltou para os boxes e a relargada foi autorizada. Totaro veio para cima de Marco Billi para tomar a oitava colocação. Enquanto isso, mais para a ponta, Valle vinha pressionando Adalberto pela segunda colocação. Seripieri havia assumido a ponta.
 
Então, um acidente aconteceu na terceira volta. Carlos Ambrósio, da classe 4.0 vinha para ultrapassar Marco Billi, da 3.8, na subida do laranja. No entanto, ambos acabaram se tocando e o #18 a corrida, enquanto o #83 retornou para o traçado. Mais uma vez foi necessário o safety-car.
 
Quando a terceira relargada da prova foi autorizada, Seripieri devolveu a ponta do pelotão para Baptista, que novamente era o líder da corrida. Quem vinha em terceiro era Valle, mas não por muito tempo.
 
Três pilotos acabaram se alinhando lado a lado. Sem espaço, os competidores dos carros #80, #99 e #34 acabaram se tocado, e além do fim de prova definitivo para Tom e Billi, mais uma vez o carro de segurança saiu para o traçado.
 
Pela quarta vez a bandeira verde tremulou em Interlagos. Adalberto seguiu na ponta, mas se viu constantemente pressionado por Luca. Sylvio de Barros seguia na terceira colocação, assistindo a briga de camarote.
Paulo Totaro (Foto: Luca Bassani)
Na classe GT3 Cup 3.8, quem estava na liderança da prova era Paulo Totaro, com Chico Horta aparecendo na segunda colocação. Quem completava o pódio naquele momento era Nelson Monteiro.
 
Com o para-choque traseiro de seu carro pendurado, Marco Billi parou na zona de escape da pista, tornando-se o sétimo piloto a abandonar a corrida no circuito paulista. Desta vez, o safety-car não se fez necessário, acionando apenas bandeira amarela localizada
 
Até que, com menos de cinco minutos para encerrar a prova, Seripieri deu um grande ataque em cima de Baptista e conseguiu, enfim, superar o adversário para tomar a primeira colocação. Sua vantagem já era de 0s582 no giro seguinte.
 
Até que então, em um golpe de azar para os dois ponteiros, eles acabaram se envolvendo em um acidente. Quando vinha perseguindo o primeiro colocado, Adalberto acabou acertando Luca, e os dois foram parar na barreira de pneus.
 
Quem se aproveitou de toda essa confusão foi Sylvio, que vinha em terceiro. Com o abandono da dupla, a ponta do pelotão acabou caindo em seu colo. Quem tomou o segundo posto foi Márcio Mauro, com Dominique Teysseyre em terceiro. Dali para o final, nada mudou.
 
Na classe GT3 Cup 3.8, Paulo Totaro apresentou bom desempenho durante todas as 14 voltas da disputa para garantir o triunfo em Interlagos. Chico Hora foi quem cruzou a linha de chegada na segunda colocação, com Nelson Monteiro fechando o pódio.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube