Palou vence corrida ‘montanha-russa’ em Portland e retoma liderança da Indy 2021

Álex Palou parecia favorito, depois despencou e, do nada, ressurgiu na liderança do GP de Portland após a última janela de paradas, segurando firme o triunfo e retomando a dianteira da Indy 2021

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O GP de Portland pareceu uma montanha-russa, com quase dez pilotos surgindo com chances reais de vitória em diferentes períodos, mas, neste domingo (12), foi Álex Palou quem apareceu na frente na hora certa, triunfou e, assim, recuperou a liderança da Indy 2021.

Alexander Rossi passou perto de encerrar o jejum de vitórias na Indy, mas teve de se contentar com o primeiro pódio na temporada, chegando em segundo. Scott Dixon, outro que esteve em um elevador durante a prova, foi terceiro e manteve as chances de título.

Jack Harvey terminou em quarto, na frente de um Josef Newgarden que, certamente, tem muito a comemorar. O americano largou em 18º, caiu para 22º com os incidentes da primeira curva, mas chegou em quinto, ainda em terceiro no campeonato, mas bem mais próximo de Pato O’Ward, que sofreu com pneus duros e foi só 14º.

Felix Rosenqvist, Marcus Ericsson, Colton Herta, Scott McLaughlin e Graham Rahal fecharam o top-10. Rahal foi outro, aliás, que se arrastou de pneus duros no stint final após parecer estar com a vitória na mão antes da última parada.

Helio Castroneves e Romain Grosjean se envolveram nos incidentes múltiplos da primeira curva da corrida. Os dois até voltaram, mas muito atrás do resto do grid, só cumprindo tabela.

A Indy volta já na semana que vem, com o último misto do ano, em Laguna Seca. Depois, daqui 15 dias, encerra a temporada com o GP de Long Beach, nas ruas californianas.

Álex Palou retomou a liderança da Indy com triunfo em Portland (Foto: IndyCar)

Confira como foi o GP de Portland

A largada em Portland aconteceu às 16h40 (em Brasília), com aquele estilo que a gente conhece bem do misto de Oregon: pancada múltipla logo na primeira curva. O caos foi tamanho que, dos primeiros colocados, apenas Pato O’Ward conseguiu tangenciar, enquanto todos os demais furaram a chicane.

Álex Palou não fez nada de errado, mas tomou uma fechada de Scott Dixon, que havia sido tocado por Felix Rosenqvist, que vinha descontrolado atrás. As duas Ganassi perderam posições. Mas o tumulto maior foi a partir de Oliver Askew, que rodou sozinho e tocou em Ed Jones.

Aquilo desencadeou uma série de incidentes, entre eles, o toque de Romain Grosjean em James Hinchcliffe e a batida do estreante Callum Ilott em Helio Castroneves e Will Power. Hinch, Helio e Grosjean foram removidos para os boxes, mas, efetivamente, deixavam a disputa ali.

No realinhamento para a relargada, uma nova grande confusão, mas Rosenqvist, Dixon e Herta foram jogados pela direção de prova para o fundo da fila. A ordem, então, era a seguinte: O’Ward, Graham Rahal, Jones, Marcus Ericsson, Sébastien Bourdais, Scott McLaughlin, Max Chilton, Simon Pagenaud, Rinus VeeKay e Jack Harvey.

A relargada veio na volta 12, com Palou, Dixon, Rossi e Rosenqvist já com pit-stops feitos, mudando as estratégias por ali. Dixon, aliás, passou Palou no fim da volta, enquanto O’Ward segurava a dianteira com Rahal bem perto e Jones atrás.

No meio de uma briga bem pesada no pelotão intermediário, os líderes seguravam as posições. VeeKay e Pagenaud foram aos boxes ali na volta 22, com McLaughlin entrando na sequência. Oficialmente, a janela estava aberta.

Romain Grosjean voltou para a pista quase 15 voltas atrás (Foto: IndyCar)

O’Ward deixou a liderança na volta 30, parando nos boxes pela primeira vez junto com Bourdais. Rahal tomava a ponta de forma provisória, com Jones e Ericsson na sequência. Já começava ali um jogo de táticas, com os três, Harvey, Sato e Newgarden esticando o máximo possível aquele primeiro stint.

Quando Rahal finalmente parou, na volta 35, voltou na frente de Pato, se credenciando firmemente a brigar pelo triunfo. Faltavam poucos ainda sem pit-stops na prova. Quando todo mundo parou, Dixon liderava, com 1s1 para Palou, 3s0 para Rossi e 9s3 para Daly. Depois, Herta, Rosenqvist, Power, Askew e Rahal, em nono, o primeiro na estratégia convencional.

No 44º giro, a turma da parada mais cedo ia aos boxes pela segunda vez e a notícia ali era que Palou ganhava a posição de Dixon e ainda voltava na frente de Newgarden, que tinha superado Scott na saída dos boxes. A nova ordem tinha: Rahal, O’Ward, McLaughlin, Pagenaud, Jones, Ericsson, Bourdais, Harvey, Hunter-Reay, Palou, Newgarden e Dixon.

Ed Jones fez uma corrida surpreendentemente boa (Foto: IndyCar)

Quando Rahal liderava com 3s3 para o pelotão, o azar costumeiro resolveu aparecer. Ilott e Kellett abandonaram praticamente ao mesmo tempo, em pontos diferentes da pista, com problemas mecânicos. Muita gente da frente foi aos boxes, prevendo uma amarela que veio segundos depois. Rahal, porém, ficava na pista.

A relargada se daria com Rahal, Jones, Harvey, Palou, Newgarden, Dixon, Rossi, Sato, Rosenqvist e Herta. O’Ward era 12º, puxando a turma da tática do pit-stop antes da amarela. A ação era retomada na volta 58, com Rahal escapando bem e um show de Rossi, que passava Dixon e Newgarden em uma linha de três.

Rossi seguia forte na escalada, pressionando muito Palou atrás da quarta colocação. E Sato também se empolgava, colando em Dixon e tentando a manobra pela sétima posição. Na frente, Rahal tinha 1s3 para Jones, 2s para Harvey e 2s7 para Palou.

Rahal e Jones abriam a janela final de pit-stops na volta 75 e retornavam nas últimas colocações. Ali, então, era questão de acompanhar como ficaria o reposicionamento, em uma janela que provavelmente duraria umas 15 voltas, com tantas táticas distintas.

Graham Rahal parecia favorito, mas caiu muito de pneus duros (Foto: IndyCar)

Foi quando a surpresa imensa resolveu aparecer: Harvey e Newgarden pararam e Jack voltou na frente de Rahal, tomando uma liderança virtual provisória que durou pouquíssimo, porque Rossi também ia aos boxes e saía na frente de ambos.

Mas não paravam por aí as surpresas: Palou também voltava na frente de todo mundo e, do nada, virava novo líder virtual da corrida. A nova ordem após todas as paradas tinha Palou, Rossi, Dixon, Harvey, Newgarden, Rosenqvist, Ericsson, McLaughlin, Herta e Rahal apenas em décimo, sem ritmo nenhum. Foi quando deu uma nova amarela.

A culpa era de Pagenaud, que errava na curva, deslizava e dava no meio de Power, tocando o companheiro. Pior para o próprio francês, que aparecia atravessado. Houve a tentativa de bandeira verde na volta 89, mas Bourdais tocou em Askew, que atravessou na pista. Nova amarela e só Herta tinha passado McLaughlin ali.

Na volta 92, nova tentativa de largada, mais comportada, enfim. Palou descolava de Rossi, que era bastante pressionado por Dixon. O’Ward seguia despencando no pelotão, virando 14º, superado facilmente por Power.

O que se viu dali para frente foi uma tentativa de Rossi, mas sem tanta efetividade. Palou estava no controle das ações e assim foi até a linha de chegada. Rossi, Dixon, Harvey e Newgarden completaram na sequência. O’Ward, só em 14º.

Indy 2021, GP de Portland, Final:

1A PALOUGanassi Honda2:07:04.130110 voltas
2A ROSSIAndretti Honda+1.290 
3S DIXONGanassi Honda+4.441 
4J HARVEYMeyer Shank Honda+8.221 
5J NEWGARDENPenske Chevrolet+8.957 
6F ROSENQVISTMcLaren Chevrolet+9.323 
7M ERICSSONGanassi Honda+10.343 
8C HERTAAndretti Honda+12.263 
9S McLAUGHLINPenske Chevrolet+13.944 
10G RAHALRLL Honda+17.545 
11E JONESDale Coyne Honda+18.159 
12T SATORLL Honda+18.751 
13W POWERPenske Chevrolet+19.831 
14P O’WARDMcLaren Chevrolet+20.849 
15R HUNTER-REAYAndretti Honda+25.564 
16C DALYCarpenter Chevrolet+27.397 
17R VEEKAYCarpenter Chevrolet+31.946 
18S BOURDAISFoyt Chevrolet+32.426 
19M CHILTONCarlin Chevrolet+33.290 
20J JOHNSONGanassi Honda+33.703 
21S PAGENAUDPenske Chevrolet+1 volta 
22R GROSJEANDale Coyne Honda+15 voltas 
23H CASTRONEVESMeyer Shank Honda+19 voltas 
24O ASKEWRLL Honda+21 voltasNC
25C ILOTTJuncos Chevrolet+33 voltasNC
26D KELLETTFoyt Chevrolet+60 voltasNC
27J HINCHCLIFFEAndretti Honda+109 voltasNC

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar