Indy

Danica revela dificuldade em encontrar equipe para despedida na Indy 500: “Está demorando mais do que pensava”

Danica Patrick tem buscado vaga nas 500 Milhas de Indianápolis desde novembro, quando anunciou que faria sua despedida da prova. Mas ela pensou que seria mais fácil encontrar um espaço no grid - e acaba de ser descartada pela Schmidt-Peterson

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

Danica Patrick anunciou no último mês de novembro que em 2018 não mais correria temporada completa da Nascar, mas que buscaria duas despedidas: na categoria na qual correu por seis anos, gostaria de participar uma última vez da Daytona 500; e na Indy, nas 500 Milhas de Indianápolis. Mas a situação está mais difícil do que a pilota esperava.

Em entrevista à rádio americana 'SiriusXM', Danica afirmou que acreditava que o processo de encontrar uma equipe seria mais rápido, mas que entende que não adianta tentar acelerar a situação.

"Serei honesta: está demorando mais do que eu pensava. Mas sigo acreditando, mais e mais, em deixar as coisas fluírem e tomarem forma, e é por isso que decidi encerrar minha carreira em temporadas completas no último ano", disse.
Danica Patrick (Foto: Getty Images)
Os principais times da Nascar já descartaram fornecer um carro para Danica em Daytona. Na Indy, Penske e Andretti já haviam afirmado que não cederiam um carro extra para a pilota.

Agora, foi a vez da Schmidt-Peterson descartá-la. Nesta terça-feira (9), Sam Schmidt, dono da equipe, afirmou ao 'Motorsport' que, mesmo com a vaga aberta pela desistência de Tristan Gommendy, que pilotaria o terceiro carro da SPM em Indianápolis, nem Danica nem Juan Pablo Montoya ocuparão este espaço.

"Continuamos a querer colocar um terceiro carro na pista. Mas este carro ser de Danica seria uma distração", afirmou.

"Avaliamos essa situação como de potencial distração por causa da fanfarra e tudo mais que vem com isso. Acho que ela faria um grande trabalho, voltaria a como estava antes, mas o problema é tudo que vem junto", finalizou o dirigente.