Indy

Dixon surge na frente, derrota Ericsson e vence maluca corrida 2 de Detroit. Newgarden bate

A segunda corrida do GP de Detroit foi completamente maluca. Cheia de incidentes e ultrapassagens, teve toque de três líderes, Josef Newgarden abandonando e, no meio disso tudo, Scott Dixon surgiu do nada na frente e venceu ao seu estilo, voltando para o campeonato. Tony Kanaan e Matheus Leist também abandonaram

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Scott Dixon tem uma incrível facilidade de surgir das formas mais improváveis e vencer corridas. Neste domingo (2), no dia seguinte a um raríssimo erro na corrida 1, o neozelandês apareceu na liderança em uma bandeira amarela crucial e não saiu mais de lá, triunfando na segunda prova de Detroit da Indy e voltando completamente para a briga pelo hexacampeonato.

A grande curiosidade da corrida é que Dixon sequer teve uma estratégia perfeita, como é sua marca registrada com a Ganassi. Fez bem seu trabalho, mas alongou além da conta um stint com pneus macios e, em condições normais, não tivesse ocorrido um toque entre os então três líderes, o neozelandês nem ao pódio iria. A sorte sorriu para Scott em sua 45ª vitória na Indy. Agora, são 15 temporadas seguidas com pelo menos um triunfo na categoria.

Foi dia também de Marcus Ericsson se reencontrar com o pódio. Após mais de cinco anos e meio, o sueco fez um top-3, chegando em segundo com pilotagem segura para se afastar das muitas confusões da prova.


Quem fechou o pódio na prova 2 da Belle Isle foi Will Power, que esteve envolvido em incidentes, teve problemas no carro e fez uma corrida imensa de recuperação para ser terceiro. 

Ryan Hunter-Reay foi quarto, na frente de um Alexander Rossi que, por tudo que passou na corrida e pelo resultado de boa parte de seus rivais, não deve reclamar de um top-5. Marco Andretti, Graham Rahal, Zach Veach, Sébastien Bourdais e Santino Ferrucci completaram o grupo dos dez primeiros.

Josef Newgarden tinha grandes chances de repetir o feito de sábado e vencer também a segunda prova, mas errou, bateu com os então adversários à vitória James Hinchcliffe e Rossi e parou no muro, terminando em 19º e tomando um importantíssimo atraso no campeonato.

A corrida foi terrível para a Foyt. Tony Kanaan se envolveu no acidente com Power e Pagenaud na largada e abandonou ali mesmo, enquanto Matheus Leist recolheu giros mais tarde com problemas.
Scott Dixon superou Marcus Ericsson em Detroit (Foto: IndyCar)
Saiba como foi a corrida 2 em Detroit

A bandeira verde para a corrida 2 da Indy em Detroit veio pontualmente às 16h50 (em Brasília), com Josef Newgarden segurando bem o ataque de Alexander Rossi e Zach Veach se defendendo de Colton Herta. Mas a confusão veio no meio do grid.
 
Will Power tocou em Felix Rosenqvist, que acertou Pato O'Ward, que foi acertado por quase meio grid. O mexicano ficou lá atravessado na pista e parou por ali mesmo junto com Tony Kanaan e Simon Pagenaud, que se acertaram no meio do caminho enquanto rolava o tumulto.
 
O resultado daquilo foi abandono para Pagenaud e Tony e Pato com carro todo arrebentado. Mas muitos outros tiveram danos e precisariam de pit-stops imediatos. Quando os boxes foram abertos, boa parte do grid parou, inclusive alguns ponteiros que queriam trocar os pneus macios por duros, como Newgarden, Rossi, Veach e Herta.
 
Como nem todo mundo foi para os boxes, as estratégias começavam a se misturar e a ordem de classificação da prova mudava. Scott Dixon liderava seguido por Spencer Pigot, Santino Ferrucci, Graham Rahal, Max Chilton, Newgarden, Rossi, Hinch, Herta e Bourdais, sendo Newgarden o melhor dos que já tinham parado.
 
Antes da relargada, um novo problema. Power, que parecia não ter tido nada no acidente, simplesmente parou no meio da pista e mais voltas sob amarela estavam por vir, mesmo com o australiano voltando a acelerar.

A relargada aconteceu ali na volta 8 e Dixon, Pigot, Ferrucci e Rahal conseguiram separação interessante. Newgarden, por fora, dava bela manobra para ganhar o quinto posto de Chilton. Lá no fundo, um interessante reinício de Andretti, que passava os colegas Hunter-Reay e Veach, que deixou o carro morrer nos boxes.
 
Rossi conseguia superar Chilton e puxava Hinchcliffe junto, enquanto Ericsson e Rosenqvist se estranhavam em um duelo sueco logo atrás. Para Leist, um pit-stop esquisito quando já estava em 19º.
 
A volta 13 foi a hora em que os pneus macios foram para o saco de uma vez. Chilton foi engolido, Pigot foi engolido e até Dixon. Ferrucci e Rahal, que não pararam, mas tinham duros, iam para a ponta, com Newgarden e Rossi já logo atrás. Dixon e Chilton iam para os boxes e Pigot, antes disso, ia para o muro.
 
Só que o americano não teve culpa nenhuma. O #21 foi seguir o caminho dos boxes e Bourdais, sem querer reduzir, encheu a traseira da Carpenter. Abandono duro para Pigot e pit-stop forçado para Bourdais.
 
Obviamente, uma nova bandeira amarela precisou ser acionada, com bastante gente parando de novo, inclusive Ericsson e Sato, que estavam em boas condições na corrida.
Newgarden, Hinchcliffe e Rossi se envolveram em acidente (Foto: Reprodução)
Os pilotos partiram para a relargada no 21º giro, com Ferrucci e Rahal ainda na frente sem pit-stops. Newgarden, Rossi, Hinch, Herta, Rosenqvist, Veach, Dixon e Jones fechavam o top-10 e, deles, apenas Jones relargou muito mal, com Ericsson e Sato ganhando terreno.
 
Os líderes entravam naquela fase da corrida em que era muito mais de administração de equipamento do que performance. Assim, Ferrucci e Rahal estavam bem, entrando na estratégia dos demais e com boas chances para o restante da corrida.
 
A segunda rodada de paradas começava ali pelo 27º giro e Rossi era o primeiro dos líderes, com Newgarden fazendo o mesmo na volta seguinte. Josef retornou na frente de Alexander, mas ambos no meio do pelotão, atrás de Chilton, por exemplo.
 
Mas foi quando Hinchcliffe parou que um dos momentos mais bizarros do campeonato aconteceu. Hinch voltou na frente de Newgarden e Rossi e os dois foram atacar o canadense. Quando o piloto da Penske fez a manobra, escorregou e foi ao muro, prendendo Hinch junto. E Rossi, que forçava junto, também batia ali.
 
Só que Rossi voltou rapidinho para a pista, enquanto Newgarden e Hinch ficaram presos no muro e com os carros arrebentados. Hinch até voltou, mesmo giros atrás e com danos, mas era fim de corrida para o líder do campeonato.
 
Enquanto Newgarden lamentava em entrevista o incidente e assumia a culpa, pedindo desculpas para a equipe, as estratégias voltavam a se bagunçar em bandeira amarela. Apenas Ferrucci e Rahal tinham paradas recentes, com a ordem da corrida ficando em Dixon, Ericsson, Sato, Hunter-Reay, Andretti, Rahal, Bourdais, Rosenqvist, Rossi e Chilton.

A relargada aconteceu na volta 40 e as posições foram mantidas nos primeiros instantes. As mudanças rolavam nos giros seguintes, com Rossi passando Rosenqvist e Power e Herta deixando Chilton para trás.
Santino Ferrucci teve momentos de líder (Foto: Indycar)
O momento era de Rossi, que ia remando para se recuperar e tirando quem aparecesse em seu caminho. Enquanto isso, muita gente fazia aquela que parecia ser a última parada, com o então líder Dixon nos boxes na volta 45. 
 
Com todo mundo nos boxes, Power teve umas voltas de líder, já que ainda tinha alguma gasolina no tanque antes do último pit-stop. Na liderança virtual, Dixon tinha 3s0 para Ericsson, com Jones - que possivelmente teria de fazer um splash and go -, Sato, Hunter-Reay, Rossi, Andretti, Rosenqvist e Rahal atrás.
 
Power parou na volta 50 e voltou no meio da confusão, bem na frente de Sato, que tentou fazer o possível para passar o australiano. Só que o japonês levou a pior e, espremido, ainda perdeu lugar para Hunter-Reay e Rossi, que fez linda ultrapassagem por fora.
Takuma Sato estava aloprado (Foto: Indycar)
Não demorou para que Power, com 17 voltas pela frente, passasse Jones e subisse para terceiro, tentando cortar a distância que Dixon e Ericsson tinham na frente. E aí uma bela ajuda para Will: Hinch parava na curva 6 e causava uma amarela, com Jones indo para sua última parada e o pelotão reagrupando com Dixon, Ericsson, Power, Hunter-Reay, Rossi, Sato, Rosenqvist, Andretti, Rahal e Veach no top-10.
 
A relargada aconteceu com 11 voltas pela frente e os primeiros colocados se mantiveram os mesmos. A mudança vinha com Sato, de novo, atacando sem sucesso. O japonês foi para cima de Rossi, mas teve a porta fechada e virou alvo de Rosenqvist. Ambos se estranharam e, assim, Andretti passou os dois. Sato ainda teve de ir aos boxes, com problemas.

Os giros finais pareciam de administração para Dixon, com Ericsson progressivamente tentando cortar a distância. Só que aí o companheiro de Scott jogou contra a Ganassi. Com seu carro bem estranho e aparentemente já com problemas, Felix subiu na zebra e foi lançado no muro. Com cinco voltas para o fim, bandeira vermelha.

Só que parecia que todo mundo estava temendo novos enroscos e, nas voltas finais, a cautela foi a tônica. Dixon sumiu na frente e Ericsson, mesmo atacado de leve por Power, se segurou. Rossi também não forçou em Hunter-Reay e nem foi forçado por Andretti.

Indy 2019, GP de Detroit 2, final:

1 S DIXON Ganassi Honda 1:52:18.937 70 voltas
2 M ERICSSON SPM Honda +1.942  
3 W POWER Penske Chevrolet +3.657  
4 R HUNTER-REAY Andretti Honda +4.524  
5 A ROSSI Andretti Honda +5.188  
6 M ANDRETTI Andretti Honda +6.633  
7 G RAHAL RLL Honda +7.140  
8 Z VEACH Andretti Honda +8.041  
9 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +8.789  
10 S FERRUCCI Dale Coyne Honda +9.481  
11 P O'WARD Carlin Chevrolet +9.900  
12 C HERTA Harding Honda +11.853  
13 T SATO RLL Honda +13.550  
14 E JONES Carpenter Chevrolet +14.649  
15 M CHILTON Carlin Chevrolet +14.781  
16 F ROSENQVIST Ganassi Honda +6 voltas NC
17 S PAGENAUD Penske Chevrolet +12 voltas  
18 J HINCHCLIFFE SPM Honda +18 voltas NC
19 J NEWGARDEN Penske Chevrolet +21 voltas  
20 M LEIST Foyt Chevrolet +47 voltas NC
21 S PIGOT Carpenter Chevrolet +57 voltas NC
22 T KANAAN Foyt Chevrolet +70 voltas NC


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.