Indy

Newgarden dá sorte com pit-stop na hora certa, segura Rossi e vence conturbada corrida 1 em Detroit. Dixon bate

A primeira corrida do GP de Detroit foi bastante confusa e cheia de bandeiras amarelas em uma pista molhada. Josef Newgarden foi muito bem no duelo com Alexander Rossi, mas venceu com auxílio de uma bandeira amarela na hora exata de seu pit-stop. Scott Dixon bateu e levou grande atraso no campeonato

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
A sorte sorriu para Josef Newgarden. Neste sábado (1), numa molhada pista de Detroit, o americano da Penske parou exatamente na hora de uma bandeira amarela e, assim, deixou Alexander Rossi para trás. Em bandeira verde, foi muito eficiente para segurar os ataques do rival da Andretti e, assim, buscou o segundo triunfo no ano, 12º na Indy e retomou a dianteira do campeonato.

Takuma Sato manteve a boa forma na temporada 2019. Depois de uma ótima atuação na Indy 500, o japonês novamente foi bem combativo e buscou mais um pódio, segurando Felix Rosenqvist nas voltas finais.

Ryan Hunter-Reay foi outro que chegou preso no pelotão que tinha Sato na frente. Simon Pagenaud, que entrou na Belle Isle como líder do campeonato, deixou o maio perfeito para trás e acabou em sexto.

Graham Rahal teve mais uma boa atuação e foi sétimo, seguido por Zach Veach, James Hinchcliffe e Spencer Pigot, que completaram o top-10. Enquanto todos os outros candidatos reais ao título tiveram bons desempenhos, Scott Dixon foi muito mal. Em terceiro, o neozelandês perdeu o carro e foi ao muro, abandonando na hora.

Quem também não completou a corrida foi Matheus Leist, que rodou no início e acabou batendo já na reta final. Tony Kanaan fez o que deu e completou no 15º lugar.
Josef Newgarden venceu a corrida 1 em Detroit (Foto: Indycar)
Saiba como foi a corrida 1 em Detroit

Depois de um grande atraso por culpa de tempestade de raios e do vendaval, os carros finalmente foram para a pista com pneus de chuva às 17h55 (em Brasília) e, após algumas voltas de aquecimento, a bandeira verde viria não tivesse Zach Veach rodado sozinho.
 
A largada, então, foi liberada às 18h05 para 75 minutos de corrida, com alguns instantes de bandeira verde antes da primeira ocasião. Alexander Rossi saiu bem, escapando na frente, enquanto Josef Newgarden deu uma abanada na reta e, assim, perdeu lugar para Scott Dixon.
 
Mais para trás, destaque absoluto para Will Power, bem agressivo e arrojado para saltar para nono, com direito a uma ultrapassagem dupla em cima de Ed Jones e Graham Rahal. No fundo do grid, Matheus Leist perdeu o carro, rodou e deu um toque no muro, causando amarela e ficando com o carro danificado.
 
A relargada aconteceu com 63 minutos para o fim. Mais uma vez, Newgarden sofria um pouco com o carro e perdia o terceiro posto para Rosenqvist, enquanto Power seguia voando e já passava Hinchcliffe e Hunter-Reay. Muito rápido, Sato partia para cima de Newgarden, mas muita gente andava de lado em várias curvas, com a pista muito molhada.
 
Em uma prova pouco comum por ser por tempo, o relógio descia de uma hora para o final com Rossi, Dixon, Rosenqvist, Newgarden, Sato, Power, Herta, Hunter-Reay, Pagenaud e Hinch no top-10.
 
Só que o que Power estava fazendo no início de prova era impressionante. O australiano seguia firme e arrancava Sato da frente em manobra bem ousada. Lá atrás, Leist tomava um drive-through por parar com os boxes fechados.
 
Provando que a pista ainda estava bem traiçoeira, Hunter-Reay rodou sozinho e só foi voltar para a pista na frente de Pigot, em 15º. Ali, com 50 minutos pela frente, os pilotos já precisavam procurar trilho.
 
Foi cometer um erro que Rosenqvist acabou sendo atropelado por Newgarden e Power, em sequência. Enquanto isso, Andretti foi o primeiro a arriscar pneus de pista seca e começou virando muito alto, em luta para não parar no muro.

Quando Marco finalmente começou a andar rápido, era o indicativo de cobaia para o resto do grid. Ferrucci, Pigot, Veach e Hunter-Reay logo colocaram os compostos vermelhos.

Newgarden foi o primeiro dos líderes a colocar os pneus de pista seca e o timing foi simplesmente perfeito. Na hora da parada, Jones perdeu o carro e estampou a barreira de pneus da curva 7, causando uma nova amarela. Era hora da estratégia e das posições serem bem mexidas.
 
Os líderes iam para os boxes e a confusão acontecia. Power saiu antes da hora e perdeu a roda na frente de Rossi, que estava se enroscando na saída com Dixon. Com o australiano se arrastando em três pneus para os boxes, a classificação tinha Newgarden, Rossi, Dixon, Hunter-Reay, Rosenqvist, Sato, Pagenaud, Pigot, Veach e Rahal no top-10. Andretti optou por parar de novo.
 
Veio a relargada com 33 minutos para o fim e Newgarden não quis saber de vacilar e fugiu na frente. Os ponteiros seguiam na mesma ordem, com Rahal já aparecendo muito bem em oitavo. 
 
Aí que veio um dos incidentes menos esperados do ano. Dixon, o rei da regularidade e perfeição da Indy, perdeu o controle e deu na barreira de pneus da curva 6, abandonando na hora a prova. Bandeira amarela e grande mudança para o campeonato.
 
Bandeira verde com pouco mais de 21 minutos pela frente, com Newgarden segurando bem os ataques de Rossi. Atrás, Rosenqvist abria certa margem com Sato passando Hunter-Reay, enquanto Pagenaud segurava bem a tentativa de Rahal. 
 
Mais uma vez, pouquíssimo tempo de bandeira verde, agora com Leist indo para o muro na curva 7 ao escapar na tentativa de passar Jones. Lá na frente, ao mesmo tempo, Sato superava Rosenqvist pelo terceiro posto e Veach tirava Pigot de nono.
 
Restavam menos de 13 minutos quando os pilotos pisaram fundo em mais uma relargada, com Rossi e Sato muito agressivos tentando tirar Newgarden da frente. O japonês forçou tanto que deu brecha para ser atacado por Rosenqvist e os dois quase bateram. 
 
Enquanto os ponteiros seguiam nas mesmas posições, Veach, em boa recuperação, já passava Hinch para assumir o oitavo lugar. Lá no fundo, Kanaan superava Ferrucci para virar 15º.

As voltas derradeiras foram de pressão de Rossi, mas de um Newgarden muito sabedor do que estava fazendo. Risco mesmo correu Sato, em terceiro, mas o japonês também conseguiu controlar o sufoco de Rosenqvist e companhia.

Indy 2019, GP de Detroit 1, final:

1 J NEWGARDEN Penske Chevrolet 1:15:30.593 43 voltas
2 A ROSSI Andretti Honda +0.824  
3 T SATO RLL Honda +11.476  
4 F ROSENQVIST Ganassi Honda +11.883  
5 R HUNTER-REAY Andretti Honda +12.226  
6 S PAGENAUD Penske Chevrolet +12.513  
7 G RAHAL RLL Honda +13.152  
8 Z VEACH Andretti Honda +14.002  
9 J HINCHCLIFFE SPM Honda +15.241  
10 S PIGOT Carpenter Chevrolet +16.146  
11 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +16.931  
12 C HERTA Harding Honda +17.281  
13 M ERICSSON SPM Honda +17.909  
14 P O'WARD Carlin Chevrolet +24.082  
15 T KANAAN Foyt Chevrolet +25.612  
16 M ANDRETTI Andretti Honda +26.065  
17 M CHILTON Carlin Chevrolet +26.476  
18 W POWER Penske Chevrolet +33.056  
19 S FERRUCCI Dale Coyne Honda +43.164  
20 E JONES Carpenter Chevrolet +1 volta  
21 M LEIST Foyt Chevrolet +1 volta NC
22 S DIXON Ganassi Honda +1 volta NC


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.